Como descartar embalagem de remédio

eCycle

Um medicamento pode ter dois ou mais tipos de embalagem e é preciso descartar corretamente todas elas

embalagem de remedio
Imagem de Simone van der Koelen disponível no Unsplash

Descartar embalagem de remédio corretamente é uma tarefa simples e que evita efeitos nocivos em animais e humanos e a contaminação de solos e corpos d'água.

Mas como descartar embalagem de remédio de maneira correta? Basicamente, cada medicamento possui dois tipos de embalagem e cada uma delas precisa de uma destinação específica. A embalagem que fica em contato direto com o remédio deve ser destinada para a incineração, enquanto a embalagem externa, normalmente feita de papel, deve ir para a reciclagem. O destino da bula também é a reciclagem.

A embalagem que fica em contato com o remédio é recebida por farmácias, Unidades Básicas de Saúde (UBS) e supermercados - e seu destino é a incineração. Para encontrar os postos de coleta desse tipo de descarte mais próximos de você, consulte o mecanismo de busca gratuito do Portal eCycle. Caso não encontre nenhum posto de coleta próximo, procure a Vigilância Sanitária.

A embalagem externa, de papel, deve ser destinada para a reciclagem. Encontre postos de reciclagem mais próximos de sua residência nos mecanismos de busca do Portal eCycle, ou entregue-a em farmácias, UBSs ou supermercados.

A Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) estabelece como obrigatoriedade o descarte correto de embalagem de medicamentos e de remédio. A chamada "logística reversa" funciona com as farmácias e drogarias aceitando medicamentos vencidos para encaminhá-los ao seu destino final sem risco de contaminação.

Para entender melhor como descartar corretamente a embalagem de remédio, confira alguns exemplos nas imagens abaixo:

Tipos de embalagem de remédio

A embalagem de remédio é divida, basicamente, em dois tipos: a embalagem primária e a embalagem secundária.

A embalagem de remédio primária é aquela que fica diretamente em contato com o medicamento, e por isso ela deve ser destinada para a incineração. Confira exemplos desse tipo de embalagem:

Blister

como descartar remédios
Imagem de Simone van der Koelen disponível no Unsplash

Envelope

como descartar remédios

Bisnaga

como descartar remédios

Bolsa

como descartar remédios
Imagem de Marcelo Leal, disponível no Unsplash

Ampolas

como descartar remédios

Seringa

como descartar remédios

Frasco

como descartar remédios

A embalagem de remédio secundária é aquela que não fica diretamente em contato com o medicamento, e normalmente é composta por papel, como na imagem abaixo:

como descartar remédios

Como descartar remédios e suas embalagens

Como vimos, um medicamento pode vir acompanhado de dois tipos de embalagem: a embalagem primária (que está em contato direto como o remédio) e a embalagem secundária (que não está em contato direto com o remédio).

A embalagem primária, mesmo que vazia, não é reciclável. Por estar em contato direto com o medicamento, ela pode ser tóxica e causar danos no ambiente, não podendo ser descartada junto dos rejeitos (não recicláveis) comuns.

Embalagens primárias com ou sem medicamento, assim como seringas e materiais perfurocortantes, são recebidas por farmácias, Unidades Básicas de Saúde (UBSs) e supermercados. Para encontrar os postos de coleta desse tipo de descarte mais próximos de você consulte o mecanismo de busca gratuito do Portal eCycle. Caso não encontre nenhum posto de coleta próximo, procure a Vigilância Sanitária.

Mas lembre-se de manter os medicamentos sempre em suas embalagens originais. E caso ainda estejam no prazo de validade, mantenha-os em suas embalagens secundárias.

Materiais cortantes devem ser embalados dentro de recipientes resistentes como garrafa PET, latas e plástico rígido, para eliminar o risco de acidentes.

Se por acaso seu medicamento escapou da embalagem primária, ele deve ser embalado novamente. Para isso, é necessária uma embalagem que se adeque ao tipo de medicamento. Comprimidos, por exemplo, podem ser armazenados em saquinhos de plástico com tamanho adequado ou em recipientes com tampa.

Se o vidro de xarope, por exemplo, quebrou, ele deve ser embalado em um recipiente de plástico rígido (ou até mesmo vidro) bem tampado.

Caixas de papel, assim como a bula, são classificadas como embalagens secundárias, pois não têm contato direto com o medicamento. Dessa forma, elas não são tóxicas para o ambiente e podem ser destinadas para a reciclagem. Encontre postos de reciclagem mais próximos de sua residência nos mecanismos de busca do Portal eCycle, ou entregue em farmácias, UBSs e supermercados.

Confira uma seleção de dicas de como manter sua caixa de remédios limpa e organizada:

O que acontece com o medicamento e a embalagem adequadamente descartados?

Os objetos perfurocortantes e seringas são descontaminados em usinas de tratamento. Em seguida, são levados para aterros, onde são depositados como materiais sólidos.

O medicamentos e outros produtos químicos farmacêuticos são, em sua maioria, incinerados de maneira ambientalmente adequada.

As embalagens secundárias, se destinadas corretamente, são recicladas.

Por que destinar adequadamente

Em contato com o ambiente, os medicamentos podem apresentar atividade tóxica durante ou após a sua decomposição. Dessa forma, eles precisam ser descartados corretamente, a fim de evitar contaminação do solo e da água, danos em animais e em pessoas que trabalham na coleta do lixo ou que eventualmente venham a consumir animais e água contaminados.

Jamais descarte pela descarga

Ao descartar o medicamento pelo sistema de esgoto, aumentamos a chance de contaminação de animais marinhos e dos próprios animais terrestres e de humanos. Isso porque, uma vez no esgoto, o medicamento pode parar no mar ou em outros corpos d'água, onde entra em contato com organismos vivos, causando prejuízos à sua reprodução e ao desenvolvimento.

Antibióticos descartados na natureza têm contribuído para a geração de superbactérias. Anticoncepcionais, antidepressivos e analgésicos, por sua vez, têm causado pressão sobre peixes.

E, por meio da alimentação e da ingestão da água contaminados por esses medicamentos, os humanos também são prejudicados. A exposição a níveis elevados de estrogênio (hormônio presente nos anticoncepcionais) presente na água de consumo, por exemplo, aumenta as chances de desenvolvimento dos cânceres de mama e de ovário para as mulheres e pode levar à diminuição dos genitais e redução do nível de esperma pra os homens.


Veja também:


 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Saiba onde descartar seus resíduos

Encontre postos de reciclagem e doação mais próximos de você

Localização Minha localização
Não sabe seu CEP?

Newsletter

Receba nosso conteúdo em seu e-mail