Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Entenda mais sobre o esperma, quais são suas características e como ele age nos organismos

Esperma, ou sêmen, é a ejaculação masculina. Ele é constituído por líquidos produzidos nos testículos, vesículas seminais, próstata e glândulas bulbouretrais e por espermatozoides —  as células reprodutoras masculinas que têm três partes: a cabeça, a peça intermediária e a cauda. 

A cabeça é responsável pela entrada da célula dentro do óvulo (célula reprodutora feminina) e contém o DNA, a peça intermediária é onde fica a mitocôndria, que faz com que a cauda se mova, permitindo que o espermatozoide “nade”. 

Para que o espermatozoide consiga fertilizar o óvulo com sucesso, ele precisa nadar do órgão reprodutivo feminino, até o útero — nas trompas de Falópio. 

O esperma contém aproximadamente 100 milhões de espermatozoides, porém, apenas um consegue entrar no óvulo para concluir sua fertilização e resultar na fecundação. É especulado que a viagem garante que apenas o gameta mais forte consegue chegar ao útero.

O espermatozoide é uma das fontes da vida, junto com o óvulo. Portanto, todos os animais o produzem. 

Como os espermatozoides “nadam”

De acordo com uma pesquisa realizada na Penn’s School of Arts & Science, o espermatozoide humano tem a mesma via molecular que rege a mobilidade que corais e outras espécies marinhas. A célula é incentivada a “nadar” por conta de uma enzima de detecção de pH — adenilato ciclase (AC).

Cientistas se interessaram na pesquisa por conta da fragilidade que o esperma apresenta ao ser exposto a ambientes e queriam descobrir como isso acontecia no mar. Por isso, foi estudado o coral Montipora capitata — uma espécie nativa do Oceano Pacífico que apenas se reproduz na Lua nova.

Conforme o que foi estudado, os pesquisadores afirmam que a descoberta da mesma enzima de detecção de pH em humanos é importante por conta da evolução. A ancestralidade dos seres humanos com a espécie dos Cnidários é separada por milhões de anos, portanto, a perseverança do funcionamento do sistema reprodutivo é impressionante. 

Também foi possível afirmar que, podendo ser suscetível a mudanças no pH, a longevidade do esperma é extremamente frágil, uma vez que a mudança da temperatura consegue comprometer sua fertilidade. Por isso, o aquecimento global é uma ameaça às vidas marinhas — o aumento da temperatura no ecossistema pode acabar com milhões de espécies.

Saúde

Para garantir sua fertilidade, o esperma humano precisa ser saudável. A sua saúde é analisada de acordo com alguns fatores, sendo eles a espessura, quantidade, concentração, motilidade e morfologia. 

  • Espessura: ao ejacular, o sêmen deve ser mais espesso e deve ficar mais líquido depois de 10-15 minutos. 
  • Quantidade: em média, o homem ejacula cerca de 2-6 mLs de sêmen. 
  • Concentração: o normal é de 15 milhões de espermatozoides em 1 mL de sêmen.
  • Motilidade: depois de uma hora da ejaculação, é estimado que 32% do espermatozoide ainda esteja “nadando” em linha reta. 
  • Morfologia: é a aparência do espermatozoide em geral e como ele é constituído. 

É possível garantir a saúde do esperma seguindo uma dieta saudável, mantendo o controle do peso, se afastando de hábitos nocivos como fumar e beber e mantendo distância de substâncias tóxicas, como os pesticidas.