Mangue: o que é, principais características e importância

eCycle

Descubra a importância da vegetação e do ecossistema de mangue para o meio ambiente e a economia costeira

mangue
Imagem de Hayden Dunsel no Unsplash

Mangue é o conjunto da vegetação típica de manguezal, ecossistema costeiro que fornece uma série de benefícios econômicos e ambientais, sendo fonte de renda para famílias que se utilizam de seus recursos para sobreviver. É uma das coberturas de vegetação que revestem as áreas do litoral brasileiro. Os mangues são formados por diversas espécies vegetais e de árvores características desse ecossistema, que variam de acordo com a região e com fatores como salinidade, pH e teor de matéria orgânica presente no solo.

Esses ecossistemas podem ser avaliados pela sustentabilidade ecológica (por exemplo, reciclagem de nutrientes e matéria orgânica), prosperidade econômica (alimentos, madeira e outros recursos obtidos), segurança ambiental (proteção contra tsunamis e outros desastres naturais e valores culturais (atuando como campos de recreação). As árvores e arbustos que compõem o mangue são tolerantes ao sal e florescem nas áreas entre marés de costas protegidas, estuários e planícies lamacentas de regiões tropicais e subtropicais.

Os ecossistemas de mangue são encontrados em 123 países, cobrindo uma área estimada de 15,2 milhões de hectares, pouco mais de 1% das florestas tropicais. Essas extensas florestas são encontradas na Ásia (39,0%), África (21,0%), América do Norte e Central (15,0%), América do Sul (12,6%) e Oceania (12,4%). As plantas de mangue consistem em cerca de 70 espécies em 18 famílias, que incluem Rhizophoraceae e Avicenniaceae.

Os mangues são adaptados exclusivamente às condições marinhas e estuarinas, com alta flutuação de salinidade e solos anaeróbios lamacentos. Essa vegetação compõe as chamadas “florestas de marés” e pertencem à categoria de “ecossistema de floresta tropical”. Diferentemente de outros tipos de vegetação, o mangue se desenvolve sob a ação diária da água salobra e possui sistemas de raízes exclusivos, chamados de "raízes aéreas", fornecendo transporte de gás em sedimentos anaeróbios e apoiando seus troncos em sedimentos lodosos. A forma das raízes aéreas difere entre as espécies. Esses sistemas de raízes também excluem o sal dos mangues, enquanto algumas espécies possuem glândulas de sal em suas folhas.

Manguezais são encontrados entre os ecossistemas marinhos e terrestres e sustentam uma fauna única com alta biodiversidade, fornecendo habitats, viveiros, abrigos e áreas de alimentação para vários animais, como peixes, moluscos, répteis, pássaros, mamíferos e outros. São considerados um dos principais suportes da economia costeira, apoiam significativamente a economia costeira, fornecendo valiosos recursos pesqueiros. A pesca marinha sustentável depende em grande parte da saúde dos ecossistemas de mangue. No Brasil, são classificados como Áreas de Preservação Permanente, embora estejam sob constante ameaça em virtude da ação humana.

As complexidades estruturais da vegetação do mangue criam ambientes únicos que fornecem nichos ecológicos para uma ampla variedade de organismos. Os manguezais servem como criadouros, alimentação e berçário para a maioria dos peixes e crustáceos comerciais dos quais milhares de pessoas dependem para seu sustento. Eles também protegem o litoral e minimizam os desastres causados ​​por ciclones e tsunamis. Estudos recentes mostraram que os manguezais< armazenam mais dióxido de carbono do que a maioria das outras florestas. Além disso, essa vegetação também desempenha funções ecológicas importantes, como ciclagem de nutrientes, regime hidrológico, redução de marés altas e prevenção à erosão do solo.

Tipos de mangue

Mangue vermelho

Crescendo ao longo da orla costeira, onde as condições são mais adversas, o mangue vermelho (Rhizophora mangle) é distinto de outras espécies por suas raízes de sustentação avermelhadas e emaranhadas. Essas raízes se originam do tronco, crescendo para baixo a partir dos galhos. Estendendo-se um metro ou mais acima da superfície do solo, as raízes escoras aumentam a estabilidade da árvore, bem como o suprimento de oxigênio para as raízes subterrâneas.

Negro

O mangue negro (Avicennia germinans) é conhecido por se desenvolver em grande quantidade e se caracteriza por longas raízes horizontais e projeções semelhantes a raízes conhecidas como pneumatóforos. Cresce em altitudes ligeiramente mais altas do que o vermelho, onde a mudança das marés expõe as raízes ao ar. Os pneumatóforos em forma de lápis se originam de raízes horizontais subterrâneas que se projetam do solo ao redor do tronco da árvore, fornecendo oxigênio para os sistemas radiculares subterrâneos e subaquáticos.

As adaptações reprodutivas permitem que as mudas germinem enquanto ainda estão presas à árvore-mãe. As sementes germinam em propágulos em forma de feijão-de-lima de dois a três centímetros. A germinação das sementes ocorre enquanto ainda estão presas à árvore-mãe, aumentando as chances de sobrevivência neste ambiente adverso.

Branco

Ocupando terras mais altas que o vermelho e o preto, o mangue branco (Laguncularia racemosa) não tem raízes aéreas visíveis, ao contrário do negro, que possui pneumatóforos, e do vermelho, com raízes principais. No entanto, quando é encontrado em sedimentos pobres em oxigênio ou inundado por longos períodos de tempo, muitas vezes desenvolve raízes espigadas. É a única espécie típica de mangue encontrada no Arquipélago de Fernando de Noronha, no único manguezal na Baía do Sudeste.

Fonte renovável

Em outras partes do mundo, as pessoas têm utilizado árvores de mangue como um recurso renovável. Colhidos para obter madeira durável e resistente à água, essa vegetação têm sido usados ​​na construção de casas, barcos, estacas e móveis. A madeira do manguezal negro e das árvores de botão também tem sido aproveitada na produção de carvão vegetal. Taninos e outros corantes são extraídos da casca do mangue. As folhas têm sido usadas no chá, na medicina, na alimentação do gado e como substituto do fumo para fumar. Por isso, é inegável a importância dos manguezais para o mundo.

Lar de muitas espécies

As florestas de mangue fornecem habitat para milhares de espécies em todos os níveis das cadeias alimentares marinhas e florestais. As árvores abrigam espécies de insetos, atraindo pássaros que também se escondem nos galhos densos. Essas florestas costeiras são os principais locais de nidificação e descanso para centenas de aves limícolas e espécies de aves migratórias. O solo macio sob as raízes permite que espécies escavadoras, como caracóis e mariscos, fiquem à espreita. Outras espécies, como caranguejos e camarões, se alimentam na lama fértil.

Importância para a cadeia alimentar

As toneladas de folhas que caem nas florestas de mangue todos os anos são a base de uma teia alimentar incrivelmente produtiva. À medida que as folhas se deterioram, elas fornecem nutrientes para invertebrados e algas. Estes, por sua vez, alimentam muitos pequenos organismos, como pássaros, esponjas, vermes, anêmonas, águas-vivas, camarões e peixes jovens. As marés também circulam nutrientes entre os lodaçais, estuários e recifes de coral, alimentando espécies como ostras que repousam no fundo do mar.

Água limpa

Os manguezais protegem os ecossistemas de água salgada e doce que eles abrangem. Os complexos sistemas de raízes desses ambientes filtram nitratos e fosfatos que os rios e riachos carregam para o mar. Eles também evitam que a água do mar penetre nas vias navegáveis ​​interiores.



Veja também:

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Saiba onde descartar seus resíduos

Encontre postos de reciclagem e doação mais próximos de você

Localização Minha localização
Não sabe seu CEP?

Newsletter

Receba nosso conteúdo em seu e-mail

Utilizamos cookies para oferecer uma melhor experiência de navegação. Ao navegar pelo site você concorda com o uso dos mesmos. Saiba mais ×