Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Disfunção sexual pode ser causada por vários fatores, emocionais ou físicos. Confira sintomas e como combater o problema

A disfunção sexual é um problema de saúde que pode ocorrer em qualquer fase da vida adulta, impedindo uma resposta sexual satisfatória e, consequentemente, afetando a qualidade de vida do indivíduo.

O ciclo de resposta sexual tradicionalmente inclui excitação, platô, orgasmo e resolução. Desejo e excitação fazem parte da fase de excitação da resposta sexual. É importante saber que as mulheres nem sempre passam por essas fases nessa mesma ordem.

Embora seja muito comum, existe um tabu em torno da disfunção sexual, dificultando que as pessoas se sintam à vontade para falar sobre o assunto. Vale lembrar que há diversos tratamentos disponíveis para reverter o problema, mas é preciso que o indivíduo busque ajuda especializada.

Quais são os tipos de disfunção sexual?

A disfunção sexual geralmente é classificada em quatro categorias:

  • Transtornos do desejo: falta de desejo sexual ou interesse por sexo.
  • Transtornos da excitação: incapacidade de ficar fisicamente excitado ou estimulado durante a atividade sexual.
  • Transtornos do orgasmo: atraso ou ausência de orgasmo (clímax).
  • Distúrbios de dor: dor durante a relação sexual.

Sintomas e causas da disfunção sexual 

A disfunção sexual pode afetar pessoas de qualquer idade, embora seja mais comum após os 40 anos de idade. Muitas vezes, o problema está relacionado a um declínio na saúde associado ao envelhecimento.

Nos homens, os sinais incluem:

  • Incapacidade de atingir ou manter uma ereção (pênis duro) adequada para relações sexuais (disfunção erétil).
  • Ejaculação ausente ou retardada apesar da estimulação sexual suficiente (ejaculação retardada).
  • Incapacidade de controlar o momento da ejaculação (ejaculação precoce ou prematura).

Nas mulheres, os sintomas podem ser:

  • Incapacidade de atingir o orgasmo.
  • Lubrificação vaginal inadequada antes e durante a relação sexual.
  • Incapacidade de relaxar os músculos vaginais o suficiente para permitir a relação sexual.

Em homens e mulheres, a falta de libido, a incapacidade de ficar excitado e a dor são sinais comuns de disfunção sexual. 

Possíveis causas da disfunção sexual

Causas físicas

Diversas condições físicas e/ou médicas podem causar problemas na função sexual. Essas condições incluem diabetes, doenças do coração, distúrbios neurológicos, desequilíbrios hormonais, doenças crônicas – como insuficiência renal ou hepática –, alcoolismo e abuso de drogas. 

Além disso, os efeitos colaterais de alguns medicamentos, incluindo antidepressivos e anticoncepcionais, podem afetar a função sexual.

Causas psicológicas

Estresse e ansiedade relacionados ao trabalho, preocupação com o desempenho sexual, problemas conjugais ou de relacionamento, depressão, sentimentos de culpa, preocupações com a imagem corporal e os efeitos de um trauma sexual anterior podem ser causas de disfunção sexual. 

Como a disfunção sexual é diagnosticada?

Na maioria dos casos, você reconhece que algo está interferindo no seu prazer (ou no prazer de um parceiro) em um relacionamento sexual. Ao buscar orientação médica, o profissional solicitará o histórico completo dos sintomas e um exame físico. 

Podem ser realizados testes diagnósticos para descartar problemas de saúde que podem estar contribuindo para a disfunção. Normalmente, os testes de laboratório desempenham um papel muito limitado no diagnóstico de disfunção sexual.

Tratamento 

A maioria dos tipos de disfunção sexual pode ser tratada com o tratamento de problemas físicos ou psicológicos subjacentes. Outras estratégias de tratamento incluem:

  • Medicação: Quando um medicamento é a causa da disfunção, uma mudança na medicação pode ajudar. Homens e mulheres com deficiência hormonal podem se beneficiar de injeções, pílulas ou cremes hormonais. 
  • Auxiliares mecânicos: Auxiliares como dispositivos a vácuo e implantes penianos podem ajudar homens com disfunção erétil (incapacidade de atingir ou manter uma ereção). Um dispositivo a vácuo também é aprovado para uso em mulheres, mas pode não ser tão acessível. Os dilatadores podem ajudar as mulheres que apresentam estreitamento da vagina. Acessórios sexuais, como vibradores, podem ser úteis para ajudar a melhorar o prazer sexual e chegar ao clímax mais facilmente.
  • Terapia sexual: Terapeutas sexuais e psicólogos podem tratar pessoas com problemas sexuais que não podem ser tratados com medicamentos. Os terapeutas também costumam ser bons conselheiros conjugais. Para o casal que deseja começar a desfrutar de seu relacionamento sexual, vale a pena o tempo e esforço para trabalhar com um profissional treinado.
  • Tratamentos comportamentais: Envolvem várias técnicas, incluindo insights sobre comportamentos prejudiciais no relacionamento, ou autoestimulação para tratamento de problemas de excitação e/ou orgasmo.
  • Psicoterapia: A terapia com um psicólogo ou psicanalista pode ajudar o indivíduo a lidar com possíveis traumas sexuais do passado, transtornos de ansiedade, medo, culpa e imagem corporal deficiente. Todos esses fatores podem afetar a função sexual.
  • Educação e diálogo: A educação sobre sexo e comportamentos e respostas sexuais pode ajudá-lo a superar a ansiedade sobre a função sexual. O diálogo aberto com seu parceiro sobre suas necessidades e preocupações também ajuda a superar muitas barreiras para uma vida sexual saudável.

Disfunção sexual em mulheres

Muitas mulheres experimentam problemas com a função sexual em algum momento e algumas têm dificuldades ao longo da vida. A disfunção sexual feminina pode ocorrer em qualquer fase da vida. Pode ocorrer apenas em certas situações sexuais ou em todas as situações sexuais.

A resposta sexual envolve uma interação complexa de fisiologia, emoções, experiências, crenças, estilo de vida e relacionamentos. A interrupção de qualquer componente pode afetar o desejo sexual, a excitação ou a satisfação, e o tratamento geralmente envolve mais de uma abordagem.

Os problemas sexuais geralmente se desenvolvem quando seus hormônios estão em fluxo, como depois de ter um bebê ou durante a menopausa. Doenças graves, como câncer, diabetes, doenças do coração e complicações cardiovasculares, também podem contribuir para a disfunção sexual.

Fatores associados

Como já foi dito, condições médicas, incluindo câncer, insuficiência renal, esclerose múltipla, doenças cardíacas e problemas de bexiga, podem levar à disfunção sexual. Certos medicamentos, incluindo alguns antidepressivos, medicamentos para pressão arterial, anti-histamínicos e quimioterápicos, podem diminuir o desejo sexual e a capacidade do corpo de chegar ao orgasmo.

Além disso, níveis mais baixos de estrogênio após a menopausa podem levar a alterações nos tecidos genitais e na capacidade de resposta sexual. Uma diminuição do estrogênio leva à diminuição do fluxo sanguíneo para a região pélvica, o que pode resultar em menos sensação genital, bem como na necessidade de mais tempo para aumentar a excitação e atingir o orgasmo.

O revestimento vaginal também se torna mais fino e menos elástico, principalmente se você não for sexualmente ativa. Esses fatores podem levar a relações sexuais dolorosas (dispareunia). O desejo sexual também diminui quando os níveis hormonais diminuem.

Os níveis hormonais do seu corpo também mudam após o parto e durante a amamentação, o que pode causar secura vaginal e afetar seu desejo de fazer sexo.

A saúde mental também desempenha um papel importante na saúde sexual. Ansiedade ou a depressão não tratadas podem causar ou contribuir para disfunções, assim como o estresse de longo prazo e histórico de abuso. Nesses casos, é importante procurar orientação psiquiátrica e psicológica para tratar as complicações emocionais que atuam como pano de fundo do problema.

Disfunção sexual em homens

A disfunção erétil, ou impotência, é a incapacidade de obter e manter uma ereção firme o suficiente para o sexo.

Ter problemas de ereção de vez em quando não é necessariamente um motivo de preocupação. Mas, caso seja um evento contínuo, isso pode causar estresse, afetar sua autoconfiança e contribuir para problemas de relacionamento. 

Problemas para conseguir ou manter uma ereção também podem ser um sinal de uma condição de saúde subjacente que exige tratamento e um fator de risco para doenças cardíacas.

Fatores associados

A excitação sexual masculina é um processo complexo que envolve o cérebro, hormônios, emoções, nervos, músculos e vasos sanguíneos. A disfunção erétil pode resultar de um problema com qualquer um deles. Da mesma forma, o estresse e as preocupações com a saúde mental podem causar ou piorar a disfunção erétil.

Às vezes, uma combinação de problemas físicos e psicológicos causa disfunção erétil. Por exemplo, uma condição física menor que retarde sua resposta sexual pode causar ansiedade quanto à manutenção de uma ereção. A ansiedade resultante pode levar a ou piorar a disfunção erétil.

No entanto, em muitos casos, a disfunção erétil é causada por algo físico. As causas comuns incluem:

Dicas para prevenir e combater a disfunção sexual

1. Cuide da sua saúde

Se você sofre ou suspeita sofrer de determinadas condições de saúde, como diabetes ou doenças cardíacas, não negligencie o tratamento. Procure orientação médica e faça exames e check-ups regularmente para conferir se sua saúde física está em dia. 

2. Pare de fumar e beba com moderação

Tabagismo e consumo excessivo de álcool e/ou drogas ilegais também podem afetar o seu desempenho sexual. Por isso, o ideal é abandonar o cigarro e fazer um tratamento para alcoolismo, caso seja necessário. 

3. Pratique exercícios físicos

Os exercícios físicos são uma parte essencial de qualquer tratamento e de um estilo de vida saudável. Além de melhorarem a sua saúde física, eles reduzem o estresse e a ansiedade – fatores que também podem estar associados à disfunção sexual.