Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Cooperativas e associações de catadores buscam novos espaços e negócios na gestão de resíduos urbanos, em parceria com empresas que precisam avançar nas metas ESG

Se preferir, vá direto ao ponto Esconder

Por Sérgio Adeodato em Página 22 No antigo Lixão da Estrutural, no Distrito Federal, a catadora Aline Sousa da Silva garimpava resíduos da capital brasileira e dos órgãos de poder decisório sobre o funcionamento e a vida do País. Em condições precárias, a atividade reunia centenas de famílias na área, desativada há quatro anos para ceder lugar a um aterro sanitário. Depois, chegou o Complexo Integrado de Reciclagem – uma estrutura mecanizada digna do novo perfil econômico, ambiental e social dessa antiga e numerosa força de trabalho que se profissionalizou. A trajetória da catadora é retrato deste momento. Hoje à frente da rede Centcoop, reunindo 21 organizações e mais de mil catadores e catadoras, Silva rompeu estigmas e tornou-se líder de negócios: “A conquista por espaços exige discutir – com propriedade – leis, contratos e demandas de mercado”, afirma.

“O empoderamento vem do desejo de ser um espelho para nossa categoria na busca de respeito pela sociedade”, completa a liderança, durante a live “O Novo Papel dos Catadores na Política Nacional de Resíduos Sólidos”, na série Diálogos Coca-Cola para Sustentabilidade, em parceria com a Página22. Além de um panorama do setor, o objetivo foi debater as atuais perspectivas da inclusão socioprodutiva na reciclagem, diante da necessidade de conexões e ações coletivas frente as crescentes demandas sociais e ambientais (acesse o webinar aqui).

“Os desafios são muitos e estamos preparados”, enfatiza Silva, com planos de novos contratos para ampliar a coleta seletiva nas cidades do Distrito Federal e expandir a produção da central de triagem, que hoje reúne 450 catadores e opera com 20% da capacidade, processando mais de 2 mil toneladas mensais de resíduos. “É preciso ousadia para verticalizar e agregar valor”, diz. Ela representa a terceira geração de uma família de catadores e atualmente faz graduação em Direito para reforçar as ações e dar saltos mais altos, também como liderança feminina.

As mulheres compõem a maioria dos postos de trabalho nas cooperativas, mas há muito a avançar na igualdade de gênero. Além da questão da diversidade, a maior valorização da reciclagem favorece um destino mais adequado para as embalagens e outros produtos que hoje vão parar na natureza ou lotam lixões e aterros após o consumo. “É preciso resgatar a participação dos catadores por meio do empreendedorismo ambiental, desde a gestão e operação de modernas estruturas de triagem até a contratação para a coleta seletiva municipal e a rastreabilidade dos resíduos no contexto das metas de logística reversa das empresas”, destaca Victor Bicca, diretor de políticas e relações governamentais da Coca-Cola Brasil.

Em março deste ano, a companhia firmou acordo de cooperação com a Associação Nacional dos Catadores e Catadoras de Materiais Recicláveis (Ancat) visando ações para aumento do volume de embalagens recicladas e redução das que hoje possuem baixo índice de recuperação pelas cooperativas e associações. Entre outros pontos, a iniciativa pretende avançar em campanhas de educação ambiental e no modelo para rastrear a origem dos resíduos, diante da meta da empresa de ter 100% das embalagens com destinação adequada até o fim de 2030.

Segundo Bicca, graças principalmente à atividade desses trabalhadores, o Brasil é hoje um dos líderes globais em reciclagem, com retorno de 97,4% das latas de alumínio e 55% das garrafas PET, por exemplo, de acordo com dados das associações setoriais da indústria. Atualmente, os desafios ambientais e de inclusão social, na perspectiva de um melhor cenário econômico com crescimento da produção industrial e maior acesso ao consumo, lançam novos objetivos para a gestão dos resíduos urbanos.

A Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), aprovada em 2010 após quinze anos de debate, já tinha reconhecido o protagonismo dos catadores na gestão do lixo urbano. Além de estabelecer um prazo para o fim dos lixões (o que acabou postergado e até hoje não cumprido), a legislação lançou conceitos inovadores, como o de “responsabilidade compartilhada” entre poder público, sociedade civil e empresas, obrigadas a metas de reciclagem via acordos aprovados pelo governo federal em diferentes setores produtivos.

No entanto, apesar dos avanços, o cenário foi posteriormente marcado por um processo de desarticulação do meio empresarial e pela insegurança jurídica resultante de várias ações na Justiça, em diferentes estados. Após mais de uma década, o momento agora é de reinvenção: “Precisamos investir na valorização da cadeia produtiva da reciclagem com geração de renda, integrada com elementos de sustentabilidade cada vez mais importantes para a sociedade”, enfatiza Bicca, também presidente da Associação Brasileira das Indústrias de Refrigerantes e de Bebidas não Alcoólicas (Abir).

Na análise do executivo, “os catadores e catadoras perderam um espaço que agora precisa ser reconquistado, com a necessidade de assegurar participação efetiva na gestão municipal dos resíduos, sobretudo em cidades menores e lugares onde ainda não há coleta seletiva”.

Segundo projeções do Anuário da Reciclagem 2021, com dados levantados pelo Instituto Pragma e pela Ancat, as organizações de catadores reciclaram 1 milhão de toneladas de resíduos em 2020, com faturamento de cerca de R$ 800 milhões. No Brasil, a renda média mensal foi de R$ 1.098.

Em tempos de desemprego, é crescente a procura por trabalho na coleta e separação de resíduos, mas, segundo lideranças do setor, faltam ações mais efetivas dos governos no sentido de aumentar a estrutura para absorver mão de obra. Além disso, outros entraves, como a questão tributária, com bitributação dos materiais recicláveis e incidência de 20% de INSS para as cooperativas, dificultam mais conquistas.

Disputa pela rastreabilidade

O marco regulatório do saneamento (Lei nº 14.026/2020) obriga a gestão de resíduos, inclusive com cobrança dos usuários, mas não prioriza a inclusão de cooperativas ou associações de catadores. Posteriormente, no início deste ano, um novo decreto federal (Nº 10.936/2022) que regulamenta a PNRS instituiu o Programa Nacional de Logística Reversa, no propósito de otimizar ganhos de escala e sinergias entre os sistemas.

Além disso, lançou o Manifesto de Transporte de Resíduos (MTR) – documento autodeclaratório que se soma às notas fiscais como mecanismo de rastreabilidade para fiscalização do fluxo dos recicláveis e aferição das metas empresariais de recuperação de embalagens e outros materiais pós-consumo, com dados integrados ao Sistema Nacional de Informações sobre a Gestão dos Resíduos Sólidos (Sinir). Atualmente, está em regulamentação o sistema de concessão de créditos de reciclagem pela destinação adequada dos resíduos.

“Para avanços estruturantes na nova agenda, há necessidade de reconstruir o papel dos catadores”, destaca Bicca. Serviços voltados à certificação e comprovação do caminho das embalagens na cadeia produtiva, desde a origem até a reciclagem, representam uma fonte de negócios para as cooperativas no atendimento à demanda das empresas. Mas a concorrência com intermediários de olho no filão já se impõe como um desafio, até porque o cenário pós-pandemia se evidencia pela maior competição por resíduos. “O momento é rico e a nossa nova luta como categoria é a disputa pela rastreabilidade mais justa e limpa”, afirma Roberto Rocha, presidente da Ancat, durante o encontro.

Ele veio da catação de recicláveis nas ruas, sofreu discriminação como negro e pobre, e hoje se senta à mesa com o alto escalão de empresas. “No passado, jamais imaginei conversar com fabricantes e diretores de marcas”, revela a liderança, ressaltando a capacidade de dialogar com os demais entes da reciclagem. “Temos autonomia financeira, plano de saúde, qualidade de vida e diploma, e merecemos que o mercado fale diretamente com quem alimenta toda a cadeia”.  

Por trás das soluções para o lixo plástico, um dos maiores desafios globais da atualidade, está a inteligência em parcerias e o trabalho em rede que as cooperativas de reciclagem ajudam a viabilizar nas ações empresariais. Nas indústrias, a questão abrange o design de produtos mais recicláveis e, também, de maior conteúdo reciclado, alinhados a estratégias de economia circular e enfrentamento da mudança climática.

Dessa forma, o debate sobre o novo papel desempenhado pelos catadores reforça a agenda ESG – em especial o “S” da inclusão social e produtiva, com redução de desigualdades, junto à busca pela diversidade de gênero. “A premissa está na valorização da cadeia por meio de preços mais justos e investimentos na formalização e produtividade das cooperativas”, diz Camila Amaral, vice-presidente jurídico e de assuntos corporativos da Coca-Cola FEMSA.

A empresa SustentaPET, criada pela fabricante de bebidas em 2019 para fomentar a cadeia desses resíduos plásticos após o consumo, atingiu 50 mil toneladas recicladas até hoje. Após a compra por preços justos, o material é encaminhado do centro de coleta à produção de resina reciclada, destinada à fabricação de novas embalagens da companhia. Desde agosto de 2019, foram coletadas e recicladas 2,3 bilhões de garrafas – 46% do que foi colocado no mercado pela FEMSA. O projeto atual, segundo Amaral, é expandir as operações com novas unidades no País, em linha com a meta empresarial de coletar todas as embalagens que coloca no mercado até 2030.

O tema mobiliza sinergia inclusive entre concorrentes, como na plataforma colaborativa Reciclar pelo Brasil, que reúne Coca-Cola Brasil, Ambev e outras empresas visando assistência técnica e investimentos diretos em cooperativas de catadores, em parceria com a Ancat. Em quatro anos, a iniciativa recuperou cerca de 290 mil toneladas de resíduos e atendeu quase 12 mil profissionais de catação no País. “Em empresas de grande porte, o contato com fornecedores é chave na replicação de práticas e relação com as cooperativas sem intermediários”, ressalta Rodrigo Figueiredo, vice-presidente de sustentabilidade e suprimentos da Ambev.

Ele destaca a importância da agenda colaborativa inserida nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), das Nações Unidas. “A pandemia ensinou que a solução para os problemas mais graves e urgentes está na colaboração e não na competição”, aponta o executivo.

Este artigo não necessariamente representa a opinião do Portal eCycle.