Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Saiba tudo sobre Parkinson, a segunda doença degenerativa mais comum no mundo

A doença de Parkinson, conhecida popularmente como Mal de Parkinson, é um distúrbio neurodegenerativo. O problema afeta predominantemente neurônios produtores de dopamina (“dopaminérgicos”), em uma área específica do cérebro chamada substância negra.

Parkinson é uma doença neurológica, crônica e progressiva que se desenvolve lentamente ao longo dos anos, causando a lentificação dos movimentos. Os sintomas começam a aparecer com mais intensidade em pessoas a partir dos 60 anos de idade.

A causa de Parkinson permanece desconhecida. Embora não haja cura, há prevenção e as opções de tratamento variam, incluindo medicamentos e cirurgia.

Vale lembrar que o Parkinson em si não é fatal, mas as complicações da doença podem ser sérias e prejudicar a qualidade de vida. O Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) classifica as complicações de DP como a 14ª causa de morte mais comum nos Estados Unidos.

O Parkinson afeta o sistema nervoso, comprometendo os movimentos. Os sintomas começam gradualmente, às vezes com um tremor quase imperceptível em apenas uma das mãos. Tremores são comuns, mas o distúrbio também costuma causar rigidez ou lentidão nos movimentos. Depois da doença de Alzheimer, é a doença degenerativa mais comum do sistema nervoso central, atingindo 2% da população mundial com mais de 65 anos.

Além dos sintomas relacionados ao movimento (“motores”), os sintomas de Parkinson podem não estar relacionados ao movimento (“não motores”). Pessoas com DP costumam ser mais afetadas por seus sintomas não motores do que pelos sintomas motores. Exemplos de sintomas não motores incluem apatia, depressão, constipação, distúrbios do comportamento do sono, perda do olfato e comprometimento cognitivo. Os sintomas pioram com o passar do tempo.

Principais sintomas da doença de Parkinson

  • Tremor, principalmente em repouso e descrito como tremor de rolamento de pílula nas mãos. Outras formas de tremor são possíveis
  • Bradicinesia (lentidão nos movimentos e nas respostas físicas e psíquicas)
  • Rigidez muscular
  • Instabilidade postural, problemas de marcha e equilíbrio
  • Diminuição na capacidade de realizar movimentos inconscientes, incluindo piscar, sorrir ou balançar os braços ao andar.
  • Mudanças na fala (como falar baixo de repente, se calar ou hesitar antes de falar)
  • Alterações na capacidade de escrever

Causas de Parkinson

Na doença de Parkinson, certas células nervosas (neurônios) do cérebro se rompem gradualmente ou morrem. Muitos dos sintomas se devem à perda de neurônios que produzem um mensageiro químico no cérebro chamado dopamina. Quando a produção de dopamina é comprometida, há atividade cerebral anormal, levando a movimentos prejudicados e outros sintomas da doença.

A causa da doença de Parkinson é desconhecida, mas fatores como genética e exposição a gatilhos ambientais podem aumentar o risco de desenvolver a doença no futuro.

Fatores de risco

  • Idade
  • Adultos jovens raramente apresentam a doença de Parkinson. Normalmente a doença começa a se manifestar por volta dos 60 anos ou mais.
  • Hereditariedade
  • Ter um parente próximo com doença de Parkinson aumenta as chances de desenvolver a doença, embora o risco ainda seja baixo.
  • Sexo
  • Os homens têm maior probabilidade de desenvolver a doença de Parkinson do que as mulheres.
  • Exposição a toxinas
  • A exposição contínua a herbicidas e pesticidas pode aumentar ligeiramente o risco de doença de Parkinson.

Como se prevenir da doença de Parkinson?

Consuma alimentos ricos em vitamina C e E

Segundo um estudo publicado na revista científica Neurology, pessoas que consomem altos níveis de vitamina C e E na dieta podem reduzir o risco de doença de Parkinson em quase um terço. Alimentos ricos em vitamina C incluem laranjas, morangos, brócolis e couve de Bruxelas. Os alimentos ricos em vitamina E incluem espinafre, couve, abóbora e nozes, como amêndoas e amendoim.

De acordo com os pesquisadores, as vitaminas C e E também são antioxidantes que podem evitar os danos celulares causados ​​pelo Parkinson. Especificamente, os antioxidantes podem ajudar a neutralizar as moléculas “instáveis” e o estresse oxidativo, que pode levar à perda de uma substância química do cérebro chamada dopamina, marca registrada da doença.

Beba café

Mesmo para pessoas com uma mutação genética ligada à doença de Parkinson, o consumo de café pode estar associado a um risco menor de realmente desenvolver a doença, de acordo com um estudo publicado em 2020 na revista científica Neurology. No entanto, mais estudos são necessários para investigar a associação entre cafeína e o risco reduzido de desenvolver Parkinson.

Siga as dietas MIND e mediterrânea

Um estudo sugere uma forte correlação entre seguir as dietas MIND e mediterrânea e o aparecimento posterior da doença de Parkinson. A dieta MIND combina aspectos de duas dietas muito populares, a dieta mediterrânea e a dieta DASH (Abordagens Dietéticas para Parar a Hipertensão).

Em um estudo com 176 participantes, os pesquisadores analisaram a adesão a esses tipos de dietas, caracterizadas por ingestão reduzida de carne e foco em vegetais, frutas, grãos inteiros e gorduras saudáveis, e a idade de início da DP. Eles descobriram que a adesão rigorosa a essas dietas coincidiu com o início tardio da DP em mulheres de até 17,4 anos e 8,4 anos nos homens.

A dieta MIND mostrou um impacto mais significativo na saúde das mulheres, enquanto a dieta mediterrânea foi mais positiva para os homens. As diferenças entre essas duas dietas são sutis, mas podem servir como pistas para os impactos que alimentos e micronutrientes específicos podem ter na saúde do cérebro.

Avanços na medicina facilitam diagnóstico e tratamento de Parkinson

Enzima artificial

Doenças neurodegenerativas como Parkinson são caracterizadas por aglomerados de proteínas mal dobradas que se acumulam e matam células cerebrais. Em 2021, pesquisadores da Johns Hopkins desenvolveram uma enzima artificial que pode impedir que esses aglomerados se espalhem, fornecendo um novo tratamento potencial para a doença de Parkinson.

A alfa-sinucleína é uma proteína abundante no cérebro, mas com o tempo pode se dobrar incorretamente e formar aglomerados chamados de corpos de Lewy. Se esses aglomerados se acumularem, eles podem matar neurônios, resultando em problemas de controle motor, cognição e comportamento associados à doença de Parkinson.

No estudo, os pesquisadores da Johns Hopkins desenvolveram uma enzima artificial que poderia impedir a propagação desses corpos de Lewy. As “nanozimas” são ligas de platina e cobre, projetadas para imitar a catalase e a superóxido dismutase, duas enzimas naturais do corpo que têm como alvo as espécies reativas de oxigênio.

Os pesquisadores testaram a nanozima injetando aglomerados pré-formados de proteínas alfa-sinucleína no cérebro de camundongos e, em seguida, seguindo com injeções das novas enzimas artificiais.

Eles descobriram que a nanozima eliminou as espécies reativas de oxigênio, inibindo significativamente a transmissão dos corpos de Lewy entre os neurônios. Isso, por sua vez, reduziu a morte celular e outros sintomas patológicos ligados ao Parkinson e outras doenças neurodegenerativas.

Ultrassom focado como alternativa à cirurgia cerebral

Uma alternativa sem bisturi à cirurgia cerebral tem o potencial de beneficiar pessoas com sintomas da doença de Parkinson que são muito mais graves em um lado do corpo, segundo uma pesquisa de 2021.

Mais testes são necessários, mas a abordagem, que usa uma tecnologia chamada ultrassom focalizado, pode oferecer uma nova opção para pacientes com Parkinson. A tecnologia foca as ondas sonoras dentro do corpo, da mesma forma que uma lupa foca a luz.

Isso permite que os médicos interrompam os circuitos cerebrais defeituosos ou destruam tecidos indesejados. A ressonância magnética permite que os médicos monitorem o procedimento em tempo real e façam os ajustes necessários para obter os melhores resultados do paciente.