Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Colesterol alto tem sintomas? Quais são as doenças associadas? O que fazer para baixar os níveis? Confira

colesterol alto tem sido associado às principais causas de morte no mundo. De acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde), as doenças crônicas são as que mais matam, sendo a doença cardíaca isquêmica e o acidente vascular cerebral as que lideram a lista de complicações fatais de saúde. E ambas têm sido relacionadas ao colesterol alto (hipercolesterolemia), também conhecido como colesterol ruim.

Ter taxas de colesterol mais altas na corrente sanguínea não é sempre um problema – desde que elas se limitem ao HDL, ou “colesterol bom”. O problema é quando o aumento do colesterol está associado ao tipo LDL, ou “colesterol ruim”.

Existem três tipos de colesterol: o colesterol total, o HDL e o LDL. Colesterol bom é um termo popular para definir o colesterol HDL, em contraposição ao LDL, o “colesterol ruim”. O colesterol não é sempre um motivo de preocupação. Na verdade, ele é uma gordura essencial, que fornece estabilidade em todas as células do seu corpo.

Em outras palavras, é uma substância cerosa semelhante à gordura encontrada em todas as células do corpo. Seu fígado produz colesterol, e ele também está presente em alguns alimentos, como carnes e laticínios.

Para viajar pela corrente sanguínea, ele precisa ser transportado por moléculas auxiliares chamadas lipoproteínas. Cada lipoproteína tem suas próprias preferências para o colesterol e cada uma age de maneira diferente com o colesterol que carrega.

Seu corpo precisa de colesterol para funcionar corretamente. No entanto, ter muito colesterol no sangue aumenta o risco de doença arterial coronariana. Os problemas podem estar ligados à má alimentação, como o consumo exagerado de cárneos (bacon, linguiças, churrasco, camarão, ostras, etc.), lácteos (queijos, creme de leite, manteiga, etc.), frituras, ovos (bolos, tortas), e industrializados em geral (sorvetes cremosos, pães, açúcar e arroz branco, por exemplo), mas também a outros hábitos de vida insalubres, como o sedentarismo, o consumo exagerado de bebidas alcoólicas, cafécigarro, exposição à poluição atmosférica, entre outros.

O que o colesterol alto pode causar?

Colesterol alto é um indicativo de diminuição da expectativa de vida. Isso porque, ao longo dos anos, o colesterol elevado tem sido relacionado às mortes prematuras por doenças cardiovasculares, sendo maioria dos óbitos causada por ataque cardíaco (infarto) e por acidente vascular e cerebral – AVC (derrame cerebral.

De acordo com a OMS, altos valores de colesterol total, LDL e triglicerídeos, em conjunto com baixos valores de HDL, são fatores de risco que levam ao desenvolvimento de doenças cardiovasculares.

Tanto o infarto quanto o AVC ocorrem quando coágulos interrompem a circulação de sangue arterial, impedindo a transferência de oxigênio para o coração e para, respectivamente, o cérebro. A formação do coágulo ocorre dentro de um ateroma, que é uma placa de gordura, como resultado de um processo inflamatório, chamado de aterosclerose.

Sintomas de colesterol alto

Um dos problemas relacionados ao colesterol alto é que ele não apresenta sintomas. Quando as consequências do colesterol alto chegam, pode ser tarde demais, por isso é bom ficar atento.

Para saber como anda seu colesterol é preciso fazer um exame de sangue para medir suas taxas.

Remédios para baixar o colesterol alto

Entre os remédios para colesterol recomendados por médicos e médicas estão o sinvastatina, reducofen, lipdil e lovacor, entre outros. Mas para além do tratamento convencional, e até mesmo como uma forma prevenção ao desenvolvimento de colesterol ruim, é preciso manter bons hábitos alimentares.

De acordo com os Arquivos Brasileiros de Cardiologia, o consumo de gordura saturada e gordura trans é classicamente relacionado com elevação do LDL-c plasmático e aumento de risco cardiovascular. A substituição de gordura saturada da dieta por mono e poli-insaturada é considerada uma estratégia para o melhor controle do colesterol alto.

Acredita-se que esses dois tipos de gordura aumentam o valor de colesterol HDL no sangue, o que permite a otimização do processo reverso do colesterol.

Entretanto, sobre esse aspecto, há controvérsia.

Alguns pesquisadores do tema afirmam que o problema não está nas gorduras saturadas (que podem ser encontradas no azeite e no óleo de coco, por exemplo), e sim na comida processada, na gordura hidrogenada, e no açúcar.

Além disso, um estudo publicado pela Annals of Internal Medicine aponta que uma dieta com baixa ingestão de carboidratos seria mais eficiente para a prevenção de doenças cardiovasculares. O estudo se baseia no princípio de que o fígado transforma todo o excedente alimentar em gordura, a qual será acumulada no tecido e pode iniciar processos de aterogênese. Assim, o que levaria ao aumento do LDL seria a alta disponibilidade de calorias no corpo, e não a origem da gordura.

De qualquer modo, o consenso é de que o balanceamento da dieta, o consumo de frutas e vegetais e a prática de atividades físicas e aeróbicas são estratégias eficientes para prevenção do desenvolvimento de doenças cardiovasculares.

O que fazer para baixar o colesterol alto?

Mudar os alimentos que você ingere pode reduzir o colesterol e melhorar a armada de gorduras que flutua em sua corrente sanguínea. Adicionar alimentos que diminuem o LDL, a partícula prejudicial que carrega o colesterol e que contribui para a aterosclerose que obstrui as artérias, é a melhor maneira de obter uma dieta com baixo teor de colesterol.

Alimentos diferentes reduzem o colesterol de várias maneiras. Alguns fornecem fibra solúvel, que liga o colesterol e seus precursores no sistema digestivo e os arrasta para fora do corpo antes de entrarem em circulação. Outros fornecem gorduras poli-insaturadas, que reduzem diretamente o LDL. E alguns contêm esteróis e estanóis vegetais, que bloqueiam a absorção do colesterol pelo corpo.

Para baixar o colesterol, em alimentos aveia, cevada, feijãoberinjela, quiabo, nozesamêndoas, castanhas, óleos vegetais, frutas, chocolate amargosojatofu, peixes gordurosos e suplementos de fibras, como psyllium. Além disso, é importante manter hábitos saudáveis, dormir bem e praticar exercício físico para reduzir os níveis de colesterol no seu sangue.

De acordo com o relatório publicado pela OMS, as medidas de prevenção ao colesterol alto são:

  • Evitar alimentos que contêm gordura saturada como: manteiga e outros derivados de leite, carne processada (salsicha, hambúrgueres, entre outros) chocolate, gema de ovo, carne suína, banha, entre outros.
  • Consumo moderado de produtos que contêm gordura insaturada: óleo de girassolsemente de abóbora, de girassol, oleaginosas, entre outros.
  • Consumo de ao menos cinco porções diárias de frutas e vegetais: bananalaranjamangamaçãtomate e vegetais cozidos.

As frutas e os vegetais contém substâncias que protegem os vasos sanguíneos e os tecidos do cérebro e coração, ajudando a prevenir infartos e derrames, o ideal seria o consumo de algo em torno de 400 a 500 gramas. Ainda que a efetividade desse tipo de dieta varie de caso para caso, o consumo de frutas e vegetais garante a ingestão de micronutrientes essenciais para o organismo. Portanto, deve ser estimulada de qualquer forma.

As atividades físicas aeróbicas colaboram na manutenção do peso corpóreo, diminuem o nível de açúcar e gordura no sangue, reduzem a pressão arterial, melhoram a circulação sanguínea e fortalecem os músculos cardíacos. Por isso, também vale colocar em prática esse hábito.