Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Chocolate amargo protege a pele do sol, faz bem para o coração e para a saúde mental

O chocolate amargo é a versão de chocolate em barra que contém menos açúcar e gorduras ruins. Confira sete benefícios comprovados pela ciência que ele pode proporcionar:

É nutritivo

O chocolate amargo de qualidade com alto teor de cacau é bastante nutritivo. Uma barra de 100 gramas de chocolate amargo com 70% a 85% de cacau contém:

  • 11 gramas de fibra
  • 67% da IDR (Ingestão Diária Recomendada) de ferro
  • 58% da IDR de magnésio
  • 89% da RDI de cobre
  • 98% da IDR de manganês
  • Ele também tem muito potássio, fósforo, zinco e selênio

Naturalmente, 100 gramas é uma quantidade bastante grande e não é algo que você deve consumir diariamente. Todos esses nutrientes também vêm com 600 calorias e quantidades moderadas de açúcar. Por esse motivo, é melhor consumir chocolate amargo com moderação.

O perfil de ácidos graxos do cacau e do chocolate amargo também é excelente. As gorduras são principalmente saturadas e monoinsaturadas, com pequenas quantidades de gordura poli-insaturada.

Também contém estimulantes como a cafeína e a teobromina, mas é improvável que o mantenha acordado à noite, já que a quantidade de cafeína é muito pequena em comparação com o café.

É fonte de antioxidantes

O chocolate amargo é carregado com compostos orgânicos que são biologicamente ativos e funcionam como antioxidantes. Estes incluem polifenóis, flavanóis e catequinas, entre outros.

Um estudo mostrou que o cacau e o chocolate amargo tinham mais atividade antioxidante, polifenóis e flavanóis do que qualquer outro fruto testado, incluindo o mirtilo e o açaí.

Melhora o fluxo sanguíneo e baixa a pressão arterial

Os flavanóis do chocolate amargo podem estimular o endotélio, revestimento das artérias, a produzir óxido nítrico (NO) (confira aqui estudo a respeito).

Uma das funções do NO é enviar sinais para as artérias relaxarem, o que reduz a resistência ao fluxo sanguíneo e, portanto, reduz a pressão sanguínea.

Muitos estudos controlados mostram que o cacau e o chocolate amargo podem melhorar o fluxo sanguíneo e baixar a pressão sanguínea, embora os efeitos sejam geralmente leves (confira aqui os estudos: 1, 2, 3, 4). No entanto, um estudo em pessoas com hipertensão arterial não mostrou nenhum efeito.

Aumenta o HDL e protege o LDL da oxidação

O consumo de chocolate amargo pode melhorar vários fatores de risco importantes para doenças cardíacas. Em um estudo controlado, o cacau em pó demonstrou diminuir significativamente o colesterol LDL (considerado “ruim”) nos homens. Também aumentou o HDL (considerado “bom”) e reduziu o LDL total naqueles com colesterol alto.

Faz todo o sentido que o cacau reduza o LDL, pois ele contém antioxidantes poderosos que chegam à corrente sanguínea e protegem as lipoproteínas contra o dano oxidativo (confira aqui estudos a respeito: 5, 6, 7).

Além disso, ele também pode reduzir a resistência à insulina, que é outro fator de risco comum para muitas doenças, como doenças cardíacas e diabetes (confira aqui estudos a respeito: 8, 9).

Reduz o risco de doença cardíaca

Por protegerem contra a oxidação e diminuírem o colesterol ruim, os compostos do chocolate amargo reduzem o risco de doença cardíaca. Em um estudo com 470 homens idosos, descobriu-se que o cacau diminuiu o risco de morte por doença cardíaca em 50% durante um período de 15 anos.

Outro estudo revelou que comer chocolate amargo duas ou mais vezes por semana diminuiu o risco de ter placas calcificadas nas artérias em 32% (comer chocolate amargo com menos frequência não teve efeito). Outro estudo ainda mostrou que comer chocolate amargo mais de cinco vezes por semana reduziu o risco de doença cardíaca em 57%.

Um quarto estudo analisou mais de 50 anos de estudos e descobriu que comer chocolate mais de uma vez por semana estava associado a um risco reduzido de 8% de doença arterial coronariana. O consumo de cacau está associado a uma mortalidade cardiovascular e por todas as causas significativamente mais baixa. Ajuda a impedir que a placa se acumule no revestimento dos vasos sanguíneos e reduz a pressão sanguínea. Foi demonstrado que ajuda a prevenir derrame e insuficiência cardíaca. E não é apenas o coração.

O chocolate amargo também tem sido associado a melhora no fluxo sanguíneo no cérebro, o que pode ajudar na função cognitiva. Também pode aumentar o fornecimento de oxigênio durante o treinamento físico. Mas não parece ser tão bom para a pele – um estudo recente encontrou um link para a acne. Muitos dos estudos se concentraram no chocolate amargo. Isso porque quanto mais escuro o chocolate, maior a porcentagem de sólidos de cacau – onde estão todas as coisas boas.

Mas se o chocolate amargo for altamente processado, esse benefício poderá diminuir. Para obter o pó de cacau menos processado, procure marcas de chocolate não alcalino. O chocolate escuro tem um teor de açúcar muito menor e menos calorias que o ao leite ou o chocolate branco, porque esses são misturados ao leite em pó ou condensado. Portanto, sua escolha mais saudável é o chocolate amargo e cacau em pó não alcalino.

Protege a pele do sol

Os compostos bioativos do chocolate amargo também podem ser ótimos para a pele. Os flavonóis protegem contra danos causados ​​pelo sol, pois melhoram o fluxo sanguíneo da pele aumentando a hidratação. (confira aqui estudo a respeito: 10).

A dose mínima de eritema (DME) é a quantidade mínima de raios UVB necessária para causar vermelhidão na pele 24 horas após a exposição solar. Em um estudo de 30 pessoas, o DME mais do que duplicou após o consumo de chocolate amargo com alto teor de flavanóis por 12 semanas.

Melhora a função cerebral

Um estudo com voluntários saudáveis ​​mostrou que comer cacau com alto teor de flavanol por cinco dias melhorou o fluxo sanguíneo para o cérebro. O cacau também pode melhorar significativamente a função cognitiva em pessoas idosas com deficiência mental (confira aqui estudo a respeito: 11). Ele ainda contém substâncias estimulantes como cafeína e teobromina, o que pode ser uma das principais razões pelas quais ele pode melhorar a função cerebral a curto prazo (confira aqui estudo a respeito: 12).

Entretanto, antes de adquirir sua barra de chocolate amargo, procure saber se o cacau é de origem orgânica e se a empresa que produziu se preocupa em evitar a o trabalho análogo ao de escravo na cadeia de produção. Entenda o porquê nas matérias:

Vale ressaltar que nem todos os tipos de chocolate amargo são veganos. Tecnicamente, eles não devem conter produtos lácteos, no entanto, isso nem sempre acontece. Por isso, leia os rótulos das embalagens com atenção.