Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Períodos menstruais dolorosos podem ser característicos de dismenorreia primária ou secundária

Imagem de Hanna Postova no Unsplash

Dismenorreia é um termo médico que se refere a períodos menstruais dolorosos causados ​​por contrações uterinas. A dismenorreia primária se refere à dor menstrual recorrente, enquanto a dismenorreia secundária resulta de doenças preexistentes no sistema reprodutor, como a endometriose.

As duas formas de dismenorreia possuem tratamento e por isso você deve procurar orientação médica. Os sintomas mais comuns incluem dor no abdômen, sensação de pressão abdominal, dor nos quadris, nas parte interna da lombar e das coxas.

Dismenorreia primária

Dismenorreia primária é o nome dado às cólicas menstruais recorrentes que não são causadas por outras doenças. A dor geralmente começa um ou dois dias antes da menstruação ou quando o sangramento realmente começa. É possível haver dores que variam de leve a forte na parte inferior do abdômen, nas costas ou nas coxas.

A dor costuma durar de 12 a 72 horas e pode haver outros sintomas, como náuseas e vômitos, fadiga e diarreia. As cólicas menstruais comuns podem se tornar menos dolorosas com o passar dos anos ou após uma gravidez.

As dores do período menstrual decorrentes de distúrbio ou infecção nos órgãos reprodutivos femininos caracterizam um quadro de dismenorreia secundária. A dor da dismenorreia secundária geralmente começa mais cedo no ciclo menstrual e dura mais do que as cólicas menstruais comuns. Nesse quadro, não é comum haver sintomas como náuseas, vômitos, fadiga ou diarreia.

Causas da dismenorreia primária

As cólicas menstruais da dismenorreia primária surgem quando o útero se contrai. Esse movimento é realizado pela liberação de uma substância química chamada prostaglandina. Quando o útero se contrai com muita força ele pode pressionar os vasos sanguíneos próximos, interrompendo o suprimento de oxigênio ao tecido muscular. E, quando parte do músculo perde brevemente o suprimento de oxigênio, há sensação de dor.

Causas da dismenorreia secundária

As condições preexistentes que podem causar as cólicas da dismenorreia secundária incluem endometriose, adenomiose, Doença Inflamatória Pélvica (DIP), estenose cervical e miomas.

Como aliviar as dores da dismenorreia com remédios caseiros

Não é recomendado substituir o tratamento convencional prescrito pela sua médica ou médico. Receitas caseiras podem atuar como adjuvantes no alívio da dor causada pela dismenorreia.

Opte pelo consumo de chá de canela, chá de camomila, chá de erva-doce, chá de endro, chá de gengibre e chá de cúrcuma. Além disso, ter um orgasmo ou aplicar calor na região dos pés, abdominal ou nas costas, também pode aliviar as dores menstruais. Você pode utilizar compressas quentes ou um secador.

Se você não tiver uma bolsa de água quente ou almofada térmica, tome um banho quente ou use uma toalha quente. Ou faça sua própria almofada de aquecimento:

  1. Corte e costure dois pedaços de tecido, deixando um buraco na parte superior.
  2. Recheie com arroz cru e costure o buraco.
  3. Leve ao micro-ondas por alguns minutos até a temperatura desejada.
  4. Deixe esfriar, se necessário. Reutilize conforme necessário

Evite certos alimentos que são difíceis de digerir, aumentam a inflamação e a retenção de líquidos como glúten, comidas gordurosas, proteínas, álcool, bebidas gaseificadas e cafeína.

Estudos mostraram que a prática regular de exercícios físicos também é eficaz na redução da dor menstrual, na medida em que também pode eliminar ou reduzir a necessidade de medicação analgésica. Atividades moderadas, como caminhar, podem ser benéficas durante a menstruação, em vez de atividades mais extenuantes.

A yoga também é um exercício suave que libera endorfinas e ajuda a prevenir ou reduzir os sintomas menstruais. Em um estudo, os pesquisadores descobriram três diferentes posturas de yoga — Cobra, Gato e Peixe — reduziram significativamente a intensidade e a duração da dor durante a menstruação em mulheres jovens de 18 a 22 anos.



Veja também: