Chá de manjericão e outras receitas para aproveitar benefícios

eCycle

Benefícios do manjericão são culinários e terapêuticos. Entenda e conheça os diversos tipos de manjericão e veja como fazer seu chá

Manjericão

O manjericão, essa erva tão utilizada na culinária brasileira, encanta muita gente devido ao seu aroma e sabor deliciosos. Mas o que nem todos imaginam é que o manjericão, pertencente à família Lamiacea, apresenta uma série de benefícios à saúde, além de vários usos na cozinha... Ele é muito fácil de cultivar e o chá de manjericão é extremamente saboroso! Saiba mais sobre essa plantinha.

Tipos de manjericão

Devido à polinização cruzada que ocorre com o manjericão, a variabilidade genética da planta é muito facilitada, o que faz com que esse vegetal ocorra em muitas subespécies, variedades e formas.

Somente em relação à espécie Ocimum basilicum há mais de 60 variedades, o que dificulta muito sua classificação.

O que torna a identificação do manjericão um pouco mais fácil é sua diversidade de aromas, que, popularmente falando, permite que os diferentes tipos sejam nomeados de acordo com o cheiro que produzem. A exemplo disso temos o manjericão-doce, manjericão-limão, manjerição-cinamato (ou canela), manjericão-cânfora, manjericão-anis e manjericão-cravo.

Óleos essenciais de manjericão

As substâncias ativas das plantas medicinais como o manjericão formam dois tipos diferentes, sendo que o primeiro tipo faz parte do metabolismo primário e o segundo tipo faz parte do metabolismo secundário. O metabolismo primário compõe substâncias indispensáveis para a planta e se formam graças ao processo fotossintético. O metabolismo secundário, oriundo do primário, aparentemente sem atividade na planta, possui efeitos terapêuticos notáveis aos humanos. Tais efeitos são gerados por substâncias denominadas princípios ativos ou compostos secundários.

Os óleos essenciais presentes nas plantas atraem agentes polinizadores, atuam na defesa contra herbívoros, regulam taxa de decomposição da matéria orgânica no solo e atuam como agentes antimicrobianos. Industrialmente, podem ser utilizados como antioxidantes ou aromatizantes dos alimentos, entre outros usos. Os óleos essenciais são formados principalmente por terpenos voláteis. Para saber mais sobre esse assunto confira a matéria "O que são terpenos?".

Os óleos essenciais feitos a partir dos diversos tipos de manjericão possuem uma série de propriedades terapêuticas. Para saber mais sobre os óleos essenciais, confira a matéria "O que são e para que servem os óleos essenciais?"; e para conferir as propriedades terapêuticas do óleo essencial do manjericão.

Benefícios do manjericão e seu óleo essencial

O gênero Ocimum é o manjericão do tipo europeu, o mais valorizado no mercado. O óleo essencial desse gênero é extraído das folhas e flores do manjericão por meio de hidrodestilação, e seus principais constituintes são o linalol (40,5% a 48,2%) e o metil-chavicol (28,9% a 31,6%). Mas a composição química do óleo essencial pode ser bastante variável devido à diversidade genética, ao habitat e aos tratos culturais de cada cultivo.

Nesse gênero podemos encontrar as espécies de manjericão Ocimum americanum L., O. basilicum L., O. campechianum, O. gratissimum L. e O. selloi Benth.

Essa diversidade, em termos quantitativos e qualitativos, revela toda a complexidade de constituição dos óleos essenciais, que, por definição, são misturas complexas, podendo conter cem ou mais compostos orgânicos, normalmente voláteis e aromáticos que conferem odor característico à planta.

Entre as espécies de manjericão de maior importância encontram-se o Ocimum gratissimum (manjericão-doce), Ocimum basilicum (manjericão-branco), Ocimum tenuiflorum e Ocimum selloi Benth, que são fontes de óleos essenciais para produção de fármacos, perfumes e cosméticos.

Manjericão alfavaca-cravo

manjericão

Ocimum gratissimum, L ou, popularmente falando, manjericão alfavaca-cravo, é um tipo de manjericão originário da Ásia que também ocorre em todo o Brasil. O nome alfavaca é dado a várias plantas do mesmo gênero, muito parecidas umas com as outras. Ela pode ser facilmente reconhecida pelo aroma forte e agradável que lembra o cravo-da-índia. As flores são pequenas, de coloração roxo-pálidas, geralmente dispostas em grupos de três. Os frutos são do tipo cápsula, pequenos, possuindo quatro sementes esféricas.

Como plantar manjericão alfavaca-cravo

Esse manjericão pode ser propagado a partir de sementes e por meio de estacas, e ser plantado no espaçamento de 0,80 m entre fileiras e 0,40 m entre plantas. Adapta-se bem a qualquer tipo de solo. É uma planta perene, muito cultivada em hortas, quintais e jardins.

Necessita de irrigação diária até o período da floração, que ocorre em torno de sessenta dias. A colheita das folhas pode ser realizada pela manhã ou entre às 11 e 13 horas, período em que o teor de eugenol é mais elevado.

Como usar manjericão alfavaca-cravo

Uma das melhores formas de aproveitar os benefícios do manjericão alfavaca-cravo é por meio do óleo essencial.

Toda parte aérea da planta contém óleo essencial rico em eugenol e eucaliptol, cujas concentrações variam ao longo do dia. As folhas e flores da alfavaca-cravo contêm, respectivamente, 3,6% e 0,02% de óleo essencial, cujo teor de eugenol alcança em cada um 77,3% e 50,17%.

A presença do eugenol confere à planta e ao seu óleo essencial ação antisséptica local contra alguns fungos (Aspergillus e Trichoderma) e bactérias (Staphylococcus). O eucaliptol é expectorante e desinfetante pulmonar.

Folhas, flores e frutos secos e pulverizados são excelente mistura para tempero.

Manjericão alfavaca-miúda

Manjericão alfavaca-miúda

Ocimum micranthum Wild, L; alfavaca-de-galinha ou alfavaca-miúda é um tipo de manjericão anual, com altura aproximada de 30 cm. As folhas são finas e as flores possuem coloração azulada.

Como plantar manjericão alfavaca-de-galinha

A espécie de manjericão alfavaca-de-galinha se adapta bem em clima subtropical e se desenvolve em solos permeáveis e ricos em matéria orgânica. Para saber como produzir sua própria matéria orgânica em casa confira a matéria "Guia da compostagem: recicle todo resíduo orgânico da sua casa de maneira sustentável".

Para cultivar a espécie de manjericão alfavaca-de-galinha é necessária a utilização de sementes coletadas de plantas sadias. Recomenda-se fazer o plantio definitivo no espaçamento de 0,50 m x 0,50 m, com adubação de 5 kg/m² de matéria orgânica. A floração ocorre em torno de cinquenta dias. A colheita das plantas é realizada aos sessenta dias, de preferência, pela manhã.

Como usar manjericão alfavaca-de-galinha

O manjericão alfavaca-de-galinha é uma importante fonte de óleos essenciais, presentes em folhas, flores e sementes, largamente utilizados pela indústria farmacêutica, por conterem eugenol, metileugenol, e linalol, também utilizados pela indústria de alimentos e perfumes.

Na medicina tradicional, o extrato das folhas do manjericão é empregado para tratar problemas nas vias respiratórias, reumatismo, paralisias, epilepsia e doenças mentais, além de conter compostos biologicamente ativos que são utilizados naturalmente como inseticida, nematicida, fungicida ou antimicrobial.

Alfavaca-cheiro-de-anis

manjericão

Ocimum selloi Benth ou, popularmente falando, elixir paregórico (tintura empregada contra dores intestinais e diarreia), atroveran, alfavaquinha, alfavaca-cheiro-de-anis, é um manjericão subarbusto perene, aromático, ereto, ramificado, de 40 cm a 80 cm de altura, nativo do sul do Brasil. Suas folhas são simples, opostas, membranáceas, de 4 cm a 7 cm de comprimento, com aroma semelhante ao da essência de anis. As flores são pequenas, de cor branca. Os frutos são de cor escura e não se separam facilmente da semente.

Como plantar manjericão do tipo alfavaquinha

O manjericão alfavaquinha se multiplica tanto por sementes quanto por estacas, se desenvolvendo bem em áreas com sol abundante, terrenos bem drenados, ricos em matéria orgânica. Porém, cresce também em terrenos pedregosos e arenosos do litoral e em terras de altas altitudes. Não tolera ventos fortes e umidade elevada. A colheita deve ocorrer entre duas e três semanas antes da floração para aproveitamento total da planta.

Como usar manjericão do tipo alfaquinha

As partes mais utilizadas do manjericão alfavaquinha são as folhas e flores, e o seu óleo essencial possui cineol, metilchavicol e linalol; flavonoides e ácidos triterpênicos. Seus compostos possuem propriedades terapêuticas antimicrobiana e analgésica, podendo ser utilizado na forma de infusão (chá de manjericão) para problemas digestivos e eliminação de gases intestinais, e na forma de tintura, utilizada com água para bochechos em casos de aftas; ou como repelente de insetos.

Manjericão-toscano

manjericão

Ocimum basilicum, L., conhecido também por manjericão-toscano, manjericão-italiano e basilicão, é uma planta vigorosa, folhosa de caule bem ramificado. Atinge de 40 cm a 50 cm de altura. As folhas são grandes, de cor verde clara quando a planta é jovem e verde mediano quando adulta. O florescimento desse tipo de manjericão é tardio e a colheita pode ser feita em diversas épocas do ano. As folhas são muito aromáticas.

Como plantar manjericão-toscano

O plantio do manjericão-toscano pode ser feito em vasos ou em viveiros durante todo o ano. Em campo aberto, pode ser cultivado no período quente, guardando-se cerca de 30 cm entre cada planta. É preciso preparar bem os canteiros, revolvendo a terra em torno de 15 cm de altura. Usar 150 g de matéria orgânica para cada metro quadrado de canteiro e misturar bem. Semear e cobrir com 0,5 cm de solo leve ou serragem fina. O espaçamento recomendado é 30 cm entre linhas e 30 cm entre plantas. Irrigar pelo menos uma vez por dia, preferencialmente ao início da manhã ou no final da tarde.

Como usar manjericão-toscano

A parte mais utilizada desse tipo de manjericão são as folhas, que são ricas em linalol. O uso mais conhecido é na culinária, para temperar vários tipos de alimentos, fazer molho de tomate com manjericão, molho pesto manjericão, entre outras receitas; mas dele também são extraídos óleos essenciais. O manjericão-toscano também é utilizado para tratar calafrios e reduzir a febre, congestão e dores. Possui propriedade bactericida e ação fungicida. As folhas do manjericão-basilicão são utilizadas para tratar coceiras de pele, picadas de inseto e afecções de pele. Controla níveis de açúcar no sangue, é antiespasmódico e analgésico, diminui a pressão sanguínea, reduz febre, tem ação fungicida e é anti-inflamatório.

Manjericão-doce

manjericão

Ocimum basilicum, L; manjericão-branco, alfavaca, alfavaca-doce, manjericão-doce, remédio-de-vaqueiro, segurelha, alfavaca-d’américa, erva-real, basílico-grande, manjericão-de-folha-larga ou alfavaca-cheirosa é um subarbusto aromático, anual, ereto, muito ramificado, de 30 cm a 60 cm de altura, muito cultivado em quase todo o Brasil. O manjericão-doce é verde-claro a avermelhado na base, possui folhas simples, com margens onduladas, e nervuras salientes, ovaladas e verdes-claras, com cheiro forte e ardente, mas fresco. As flores se reúnem em número de seis e são pequenas, aromáticas e esbranquiçadas, ligadas em terminais curtos.

Com plantar o manjericão-doce

A propagação desse tipo de manjericão é por semeadura ou estaquia de galhos. Recomenda-se o cultivo com espaçamento de 30 cm a 40 cm entre plantas e 60 cm entre linhas, em solos leves e ricos em matéria orgânica, terrenos ensolarados e bem drenados. As folhas devem ser colhidas pouco antes do florescimento.

Como usar o manjericão-doce

As folhas do manjericão-doce são ricas em vitamina A e C, além de terem vitaminas B (1, 2, 3) e são uma fonte de minerais (cálcio, fósforo e ferro). Esse tipo de manjericão possui taninos, flavonoides, saponinas e cânfora. Seu óleo essencial contém timol, estragol, metil-chavicol, linalol, eugenol, cineol e pireno, substâncias que dão ao manjericão-doce propriedades terapêuticas sudorífera e diurética.

O chá de manjericão doce feito a partir de suas das folhas frescas é utilizado em crianças recém-nascidas para tratamento caseiro de cólicas. É utilizado ainda em casos de afecções do estômago, gripes e problemas respiratórios. O uso dessa espécie de manjericão pode ser feito de duas maneiras: terapêutico ou condimentar, sendo comercializada na forma fresca inclusive em feiras e supermercados. Existem cultivares de folhagem roxa para uso ornamental. A literatura cita tal utilização para afastar insetos, especialmente mosquitos.

Manjericão maria-bonita

Manjericão Maria-bonita

Ocimum basilicum, L. ou maria-bonita é originário do sudoeste da Ásia e da África Central e de ocorrência subespontânea no Brasil. Dependendo do local em que é cultivado, esse tipo de manjericão pode ser anual ou perene. A maria-bonita é proveniente do acesso PI 197442, oriundo do banco de germoplasma North Central Regional PI Station, Iowa State University, nos EUA. É a primeira cultivar de manjericão melhorada e registrada no Brasil. Apresenta forma de copa arredondada, com pétala rósea e sépala roxa. A cultivar de manjericão maria-bonita possui comprimento médio de folha de 6,5 cm e largura de folha de 2,8 cm, largura média de copa de 45,70 cm, diâmetro médio do caule de 1,32 cm, altura média de 45,50 cm e hábito de crescimento ereto, o que, em conjunto, favorece a sua colheita, tanto manual como mecanizada. Possui cerca de 85% de umidade nas folhas e flores e 80% no caule, com ciclo médio de 80 dias para o florescimento.

Como plantar manjericão-maria-bonita

A propagação desse tipo de manjericão é por semeadura ou estaquia de galhos. É recomendado plantá-la em locais ensolarados com espaçamento de 40 cm entre plantas e 60 cm entre linhas, em solo leve, bem drenado e rico em matéria orgânica. A irrigação deverá ser feita de acordo com a necessidade. As folhas devem ser colhidas pouco antes do florescimento.

Como usar manjericão-maria-bonita

A cultivar maria-bonita tem alto teor e rendimento de óleo essencial, além do alto teor de linalol, na sua constituição química, para cultivo no Nordeste brasileiro. Possui teor de 4,96% de óleo essencial, e rendimento de 1,18 mL por planta. Seu componente principal é o linalol (78,12%).

Essa espécie é comercialmente cultivada para utilização de suas folhas verdes e aromáticas, que são usadas frescas ou secas como aromatizante ou tempero. Seu óleo essencial possui atividades anticonceptiva e antigiardial.

Manjericão-santo

Manjericão-santo

Ocimum tenuiflorum, L; alfavaca-da-Índia ou manjericão-santo é uma planta originária da Índia que ocorre em clima tropical. É um pequeno arbusto anual, com folhas pequenas, cheiro forte e agradável, flores de coloração purpúrea e sementes muito pequenas.

Como plantar manjericão-manso

Essa espécie de manjericão se adapta bem em climas subtropicais e vegeta em solos permeáveis e ricos em matéria orgânica. Propaga-se por sementes e por enraizamento de estacas. O plantio é feito no espaçamento 0,25 m x 0,50 m e adubação com 5 kg/m² de matéria orgânica. A colheita das folhas deverá ser feita quando a planta entrar em floração, de preferência pela manhã.

Como usar manjericão-manso

As folhas e flores são as principais partes utilizadas do manjericão-manso. Esse tipo de manjericão possui óleo essencial rico em eugenol nas folhas (79% a 83%) e nas flores (18%–60%). Entre outros constituintes, apresenta elevado teor de ácido ursólico, sendo também relatada a presença de flavonoides, esteroides, antocianinas e outros triterpenos. Essas substâncias proporcionam ao manjericão-manso atividade antimicrobiana e antioxidante. Dados etnobotânicos revelam que ele tem sido utilizado pela população do nordeste do Brasil, desde o século XVII, durante o período colonial para banhos ritualísticos aromáticos, e como um chá para o tratamento de problemas comuns gastrointestinais e também para tempero especial em alimentos.

Receita risoto manjericão

Ingredientes

  • 1 1/2 xícara de arroz arbóreo;
  • 1 cebola grande picada;
  • 2 colheres de sopa de alho-poró picado;
  • 2 tomates grandes bem maduros e sem sementes;
  • 1 litro de caldo de legumes caseiros;
  • suco de 1/2 limão;
  • sal a gosto;
  • pimenta-do-reino a gosto;
  • 1 colher de chá de páprica em pó;
  • 2 colheres de sopa de azeite;
  • folhas frescas de manjericão a vontade.

Modo de preparo

Separe uma panela, adicione azeite e aqueça. Coloque cebola, em seguida acrescente o alho-poró e misture bem. Deixe refogar por alguns minutos até dourar. Tempere com sal e adicione o arroz arbóreo, mexendo sempre. Aumente o fogo, deixe fritar. Em seguida, adicione um pouco do caldo de legumes e continue mexendo. Adicione metade dos tomates previamente picados sem sementes e com casca.

Continue mexendo e acrescentando o caldo de legumes aos poucos conforme o caldo for secando e o arroz, grudando. Tempere com páprica. Junte agora o restante dos tomates e algumas folhas de manjericão e continue adicionando mais caldo. Após 20 minutos ou quando o arroz estiver macio, adicione pimenta, suco de limão e finalize com mais folhas de manjericão. Espere dois minutos e sirva.

Pesto de manjericão

Ingredientes

  • 2 xícaras de manjericão fresco
  • 1/2 xícara de azeite de oliva extravirgem
  • 1 dente de alho
  • Sumo de 1/2 limão
  • 3 colheres de sopa de semente de girassol sem casca
  • 1/2 colher de chá de sal

Modo de preparo

Coloque todos os ingredientes no liquidificador e bata até formar uma pasta homogênea. Em seguida, transfira para um pote de vidro e complete com azeite de oliva extravirgem. Tampe bem e armazene em geladeira durante 30 minutos. Pronto, já pode consumir seu pesto de manjericão!



Veja também:


 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Saiba onde descartar seus resíduos

Encontre postos de reciclagem e doação mais próximos de você

Localização Minha localização
Não sabe seu CEP?

Newsletter

Receba nosso conteúdo em seu e-mail