Mulher vegana, você é maioria no movimento

eCycle

Mulheres são maioria no veganismo e isso pode estar relacionado ao patriarcado

O veganismo tem ganhado cada vez mais força em diversos países do mundo. No Brasil, uma pesquisa do Ibope Inteligência, realizada em 2018, mostrou que 14% da população não consome proteína de origem animal, um aumento de 75% em comparação com a mesma pesquisa feita em 2012. Entretanto, essa ideologia é mais presente em uma figura: a mulher vegana. Segundo alguns autores, esse fato está relacionado com a cultura patriarcal, que constrói a imagem do homem com base na objetificação de animais e mulheres.

Elas são maioria

No Reino Unido, em 2016, a Vegan Society descobriu que duas vezes mais mulheres do que homens seguem o veganismo. E isso não é apenas no Reino Unido, estatísticas mostraram que 79% das pessoas que se declaram veganas nos Estados Unidos se identificam como mulheres.

Mas o que seria capaz de explicar esse comportamento diferenciado entre os gêneros? Na verdade, os argumentos em prol do veganismo só nos levam a crer que essa filosofia deveria ter mais adeptos entre os homens, já que ela proporciona uma série de benefícios ambientais e de saúde, além de evitar crueldade animal.

Veganismo beneficia a todos 

De acordo com relatório do IPCC, consumir menos produtos de origem animal deveria ser um hábito adotado por toda a sociedade, não só por ser uma prática de compaixão pelos animais, mas também porque, segundo o relatório, o vegetarianismo estrito reduz a emissão de gases do efeito estufa, a degradação ambiental e o risco à segurança alimentar.

Um outro estudo, publicado na revista The Lancet, concluiu que a produção e o consumo de alimentos de origem animal devem ser reduzidos drasticamente para evitar milhões de mortes e danos catastróficos para o planeta.

Ser vegetariano ainda pode resultar em uma vida mais longa, de acordo com um estudo publicado no periódico JAMA Internal Medicine. Segundo a pesquisa, realizada por profissionais da Universidade Adventista do Sétimo Dia de Loma Linda, nos Estados Unidos, quem é vegetariano estrito (que só come vegetais e fungos, como é o caso dos veganos) tem um risco 15% menor de morte, enquanto quem é ovolactovegetariano (que têm uma dieta baseada em vegetais, ovos, leite e produtos derivados destes) têm um risco de morte 9% menor que pessoas que comem carnes.

Outros estudos ainda descobriram que, em populações de baixo risco, aderir a uma dieta vegana reduz o risco de câncer em geral.

Uma pesquisa mais antiga sugere que uma dieta vegetariana estrita ainda pode diminuir os sintomas da asma. Mas não para por aí. Uma revisão de 25 estudos concluiu que uma dieta com redução nos produtos de origem animal contribui para a redução do risco de obesidade e diabetes tipo 2.

Além disso, quem consome menos derivados animais está menos exposto a agrotóxicos. Uma análise mostrou a maior presença de agrotóxicos no leite materno de mulheres onívoras em relação às vegetarianas, o que pode ser explicado pela característica lipossolúvel (capacidade de se misturar com gordura corporal) dos agrotóxicos, que se bioacumulam no organismo dos animais - que consomem ração produzida com agrotóxicos - e, posteriormente, nos humanos.

Em relação aos benefícios ambientais, reduzir o consumo de carne e derivados animais diminuiria a pressão sobre as terras agrícolas. Em um hectare de terra, por exemplo, é possível plantar 42 mil a 50 mil pés de tomate ou produzir apenas uma média de 81,66 Kg de carne bovina por ano. Assim, a alimentação vegetariana estrita estimula a diminuição do desmatamento.

A economia de água também é bastante significativa, já que para se produzir um quilo de soja (que é fonte de proteína completa), são gastos 500 litros de água, enquanto para um quilo de carne bovina, são necessários 15 mil litros.

Estudos mostraram que reduzir o consumo de derivados animais alivia a pressão sobre o uso da terra (1, 2) e pode ser essencial para evitar impactos ambientais negativos, como grande expansão agrícola (3).

Para piorar a reputação de quem ainda consome carnes, a disseminação do coronavírus a nível mundial foi associada ao abate de animais. Uma pesquisa mostrou que os frigoríficos são os principais focos de coronavírus. Mas diante de todos esses benefícios de uma dieta vegana, por que os homens ainda parecem resistir?

Dieta machista?

mulher veganaImagem de Artur Tumasjan no Unsplash

Segundo a autora do livro "Política Sexual da Carne", a dieta baseada em produtos de origem animal é reforçada pela cultura do patriarcado. Carol Adams defende que é impossível ser homem sem comer carne. Para a autora, consumir proteína animal contribui para manter a virilidade, que inclui características como força e robustez.

Em contrapartida, comer vegetais define o feminino. Mas, biologicamente isso não faz o menor sentido, já que uma pesquisa mostrou que o desempenho físico de mulheres veganas é maior do que o de mulheres que consomem derivados animais. 

Além disso, estudos recentes vêm questionando o mito da "natureza" caçadora dos homens. Uma pesquisa revelou que as mulheres estavam entre as primeiras pessoas a caçarem nas Américas. 

Ingerir derivados animais é, culturalmente, uma forma de mostrar superioridade em relação aos animais e às mulheres. E essa suposta supremacia masculina é passada e reforçada cotidianamente por meio da linguagem. No Brasil,  por exemplo, para ofender uma mulher é comum chamá-la de fêmea de outras espécies como "galinha", "vaca", "piranha" e "cachorra". Nessa lógica, os homens que não consomem animais são afeminados, gays e fracos.

O professor de Geografia Humana na Universidade de Newcastle, Dr. Michael J Richardson, também defende que a dieta baseada em proteína animal está relacionada à masculinidade. Em entrevista à Euronews, ele diz: “Minha experiência como amante de esportes, jogador de futebol, jovem, homem branco heterossexual era totalmente esperada no grupo de amizade... mas como qualquer outro desafio às estruturas de masculinidade hegemônica, uma vez declarado vegano, as acusações imediatas de fraqueza e homossexualidade vêm à tona.”

Na cultura americana é comum que homens que passam a reduzir seu consumo de carne sejam chamados de "meninos de soja”, o termo ganhou força com comentaristas de extrema direita que buscavam se distanciar de qualquer coisa considerada “feminina” ou “fraca”.

Um estudo da Universidade de Southampton mostrou que mesmo que os homens estejam interessados ​​em comer menos carne, sem aceitação do grupo social isso ainda pode ser uma escolha difícil. De forma complementar, outro estudo de 2018 descobriu que conceitos como “virilidade” e “poder” faziam parte da relação que nós, como espécie, temos com comer carne e estereótipos masculinos convencionais.

Muitos homens estão interessados ​​em comer menos carne e demonstrar práticas de compaixão pelos animais, mas eles precisam de permissão social para isso - e à medida que mais homens decidem aderir à uma vida vegana, essa decisão se torna mais fácil para outros homens.


Veja também:

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Saiba onde descartar seus resíduos

Encontre postos de reciclagem e doação mais próximos de você

Localização Minha localização
Não sabe seu CEP?

Newsletter

Receba nosso conteúdo em seu e-mail

Utilizamos cookies para oferecer uma melhor experiência de navegação. Ao navegar pelo site você concorda com o uso dos mesmos. Saiba mais ×