Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Ter uma vida saudável pode ser uma questão de hábito e adaptação. Confira dicas

Uma vida saudável traz diversos benefícios em termos de qualidade de vida e também para o meio ambiente. Em um primeiro momento, seu corpo agradece, porque vai ter mais resistência com um sistema imunológico forte, evitando doenças.

Depois, o meio ambiente será menos degradado por conta de atitudes mais conscientes e saudáveis, como ingerir menos medicamentos, andar de bicicleta e caminhar, em vez de usar o carro, e até preferir as escadas ao elevador.

Mas só é possível alcançar esse estilo de vida saudável com uma mudança de hábito e uma maior consciência sobre as ações do dia a dia.

Alterar o comportamento e a rotina são medidas necessárias para que se tenha uma vida saudável. Para ajudar você com essas mudanças, abaixo estão algumas dicas, hábitos e passos que você deve seguir.

Hábitos para uma vida saudável

Lave suas mãos

A maioria das pessoas toca os olhos ou nariz uma vez a cada três horas. Esse costume não é bom, pois cada esfregada pode transportar micro-organismos nocivos. Por isso, é importante lavar as mãos não só antes de fazer uma refeição, mas muitas vezes ao dia, para encerrar a troca de germes.

Lembre-se de beber água

O mesmo ar seco do inverno que provoca as rachaduras dos lábios também suga a umidade do nariz e da garganta. A capacidade de afastar os vírus antes que eles dominem o seu corpo depende de um fluxo constante de secreções, que são auxiliadas pela água.

Por isso, tome pelo menos de oito a dez copos por dia. Tenha cuidado com a ingestão de bebidas com cafeína, porque elas desidratam o corpo.

Abandone o açúcar e os refrigerantes

Adultos comem uma média de 135 quilos de açúcar por ano. A maioria das pessoas não consegue metabolizar o açúcar que consome porque ele rapidamente se transforma em gordura.

E, quando se come o açúcar, o sistema imunológico é “congelado” por até duas horas, durante as quais os vírus e outros organismos estranhos podem atacar seu organismo.

Quando tiver vontade de comer doce, experimente deixar algumas frutas congeladas para consumi-las depois.

Coma mais vegetais sempre

A verduras e legumes são um depósito de vitaminas e minerais essenciais para a sua saúde, ou seja, são fundamentais para uma vida saudável. Eles vão ajudar na proteção contra resfriados e gripes, principalmente os vegetais mais coloridos, porque eles têm mais nutrientes.

Em determinadas épocas do ano, comer um monte de alimentos ricos em vitaminas A e C, como a batata-doce e a abóbora, ajuda a melhorar o sistema imunológico.

Abandone o sedentarismo

A prática de exercícios físicos é um importante passo para alcançar uma vida saudável. O exercício ajuda a aumentar a energia, reduzir o estresse e ainda mantém o peso sob controle. Faça um programa de atividades físicas e adicione-o à sua rotina.

Em primeiro lugar, adicione o fator diversão, realize treinos e esportes divertidos. Procure ouvir músicas enquanto caminha, leia livros enquanto está na bicicleta ergométrica, assista ao noticiário quando você andar na esteira.

Sempre que possível, chame um amigo para fazer o exercício com você, pois isso torna a atividade mais divertida e você se envolve mais nela. E lembre-se de que seu corpo necessita de um ou dois dias de descanso.

Dormir bem é muito importante

Durma de sete a oito horas todas as noites. Mesmo que você tenha que reorganizar sua agenda, tenha um sono adequado.

Mais de uma noite de insônia ou mal dormida pode afetar seriamente o seu sistema imunológico. Se você está com problemas parar dormir, fique atento para verificar se o problema não é resultado de distúrbios do sono.

Mantenha-se otimista

Manter o otimismo não é algo bobo, é focar em um comportamento orientado para resultados positivos. Além disso, esse hábito pode prevenir a perda de memória.

É o que diz um estudo publicado na revista Science Daily. Segundo os pesquisadores, as pessoas que se sentem entusiasmadas e alegres têm menos probabilidade de desenvolver declínio de memória à medida que envelhecem.