Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Conheça os sintomas e os riscos da deficiência de zinco, que normalmente pode ser corrigida com uma dieta saudável

Imagem de zuzyusa em Pixabay

A deficiência de zinco no organismo é um problema que afeta 2 bilhões de pessoas em todo o mundo, segundo um estudo publicado na revista científica Nature Plants. O zinco é um mineral utilizado pelo corpo para combater infecções e produzir células. Ele é importante para curar ferimentos, regular a insulina, prevenir aumento de peso, promover ganho de massa magra, aumentar a libido e melhorar a memória e a concentração.

Além disso, o zinco desempenha um papel significativo na prevenção de diversas doenças, como o câncer, porque ajuda a produzir células saudáveis e a aumentar a imunidade. A carência de zinco pode causar complicações de saúde, que vão de queda de cabelo, redução do paladar e do olfato e diarreia até letargia, sonolência, enjoo e vômitos frequentes.

As principais fontes do nutriente são de origem animal e incluem carne de boi, peixe, frutos do mar e frango. No entanto, para vegetarianos e veganos, também há diversas opções de alimentos de origem vegetal que podem suprir a falta de zinco, como grãos integrais, feijão, grão-de-bico, semente de abóbora, ervilha, amêndoas, castanhas, linhaça e gérmen de trigo.

Com uma alimentação balanceada, a suplementação raramente é necessária. No entanto, se você notar um ou mais sintomas relacionados à deficiência de zinco, procure orientação médica para um diagnóstico mais preciso.

Sintomas de deficiência de zinco

O zinco é usado pelo corpo na produção de células e nas funções imunológicas. Ainda há muito a aprender sobre o zinco, mas sabemos que este mineral é parte essencial dos processos de crescimento, desenvolvimento sexual e reprodução.

Quando você tem deficiência de zinco, seu corpo não consegue produzir células novas e saudáveis. Isso pode levar a sintomas como:

  • Perda de peso inexplicável
  • Feridas que não cicatrizam
  • Falta de alerta
  • Diminuição do olfato e paladar
  • Diarreia
  • Perda de apetite
  • Feridas abertas na pele

Grupos de risco

Pessoas com doenças gastrointestinais 

Cirurgia gastrointestinal e distúrbios digestivos (como colite ulcerativa, doença de Crohn e Síndrome do Intestino Irritável) podem diminuir a absorção de zinco e aumentar as perdas endógenas do mineral principalmente do trato gastrointestinal e, em menor extensão, do rim.

Outras doenças associadas à deficiência de zinco incluem síndrome de má absorção, doença hepática crônica, doença renal crônica, doença falciforme, diabetes, malignidade e outras doenças crônicas. A diarreia crônica também leva à perda excessiva de zinco.

Vegetarianos

A biodisponibilidade de zinco em dietas vegetarianas é menor do que em dietas não vegetarianas porque vegetarianos não comem carne, que é rica em zinco biodisponível e pode aumentar a absorção de zinco. Além disso, os vegetarianos geralmente consomem altos níveis de leguminosas e grãos inteiros, que contêm fitatos que se ligam ao zinco e inibem sua absorção.

As técnicas para aumentar a biodisponibilidade do zinco incluem embeber os feijões, grãos e sementes em água por várias horas antes de cozinhá-los e permitir que assentem após serem embebidos até que os brotos se formem.

Os vegetarianos também podem aumentar a ingestão de zinco consumindo mais alimentos ricos em zinco, incluindo grãos fermentados (como o pão), do que produtos sem fermento (como biscoitos), porque o fermento decompõe parcialmente o fitato; assim, o corpo absorve mais zinco dos grãos fermentados do que dos grãos não fermentados.

Mulheres grávidas e lactantes

Mulheres grávidas, particularmente aquelas que estão iniciando a gravidez com baixos níveis de zinco, correm maior risco de desenvolver deficiência do mineral, em parte por causa das altas necessidades fetais de zinco. A lactação também pode esgotar os estoques maternos do nutriente.

Alcoolícos

Entre 30% e 50% das pessoas que sofrem com alcoolismo têm baixos níveis de zinco, porque o consumo de etanol diminui a absorção intestinal do nutriente e aumenta sua excreção via urina. Além disso, a variedade e a quantidade de alimentos consumidos por muitos alcoólatras são limitadas, levando à ingestão inadequada de zinco.

Diagnosticando deficiência de zinco

O zinco é distribuído em pequenas quantidades entre as células do corpo, dificultando a detecção da deficiência de zinco por meio de um simples exame de sangue.

Se o médico suspeitar de uma deficiência de zinco, ele precisará testar o plasma sanguíneo do paciente para uma leitura precisa. Outros testes para a deficiência de zinco incluem um teste de urina e uma análise de uma mecha do cabelo.

Às vezes, a deficiência de zinco é um sintoma de outra condição. Por exemplo, algumas condições podem fazer com que o zinco seja processado em seu corpo, mas não seja bem absorvido. A deficiência de zinco também pode levar à deficiência de cobre. Devem ser feitos testes adicionais para chegar à raiz da deficiência.

Zinco nas plantas pode ajudar milhares de pessoas desnutridas no mundo

Liderada pela Universidade de Copenhagen, uma equipe internacional de pesquisadores descobriu como as plantas detectam o zinco e usam esse conhecimento para aumentar a absorção de zinco pelas plantas, levando a um aumento de 50% no conteúdo do mineral nas sementes.

A deficiência de zinco e de outros nutrientes essenciais na dieta é uma das maiores causas de desnutrição em todo o mundo. Estima-se que mais de dois bilhões de pessoas sofram de deficiência de zinco, um problema que pode causar problemas no sistema imunológico, distúrbios mentais e retardo de crescimento. Entre outras coisas, a desnutrição pode ser causada por terras agrícolas inférteis, o que afeta o conteúdo nutricional de culturas básicas como arroz, trigo e milho.

O zinco beneficia os seres humanos, ajudando a manter uma ampla gama de processos químicos e proteínas em execução em nossos corpos. Se esses processos deixarem de funcionar adequadamente, ficamos propensos a doenças. Para as plantas, a ausência de zinco afeta principalmente o crescimento.

Por isso, a equipe de pesquisadores se empenhou em identificar duas proteínas específicas do agrião que atuam como sensores de zinco e determinam a capacidade da planta de absorver e transportar zinco através do tecido vegetal. Ao alterar as propriedades desses sensores, que controlam uma rede fortemente conectada de transportadores de zinco, os pesquisadores conseguiram fazer com que eles absorvessem mais o nutriente.

Com o estudo, a equipe demonstrou que é possível aumentar a absorção de zinco em sua planta experimental, mas o próximo passo é reproduzir os resultados em safras reais. No longo prazo, os resultados podem ser aplicados usando a edição do gene CRISPR ou selecionando variedades de culturas que ocorrem naturalmente com uma capacidade particularmente boa de absorver nutrientes como o zinco.


Fontes: Nature Plant, Phys.org, Healthline e National Institutes of Health


Veja também: