Alcoolismo: o que é, fatores de risco, causas e sintomas

eCycle

Descubra causas, consequências e como identificar o alcoolismo, problema que afeta a saúde pública global

alcoolismoImagem de thom masat em Unsplash

O alcoolismo é uma doença crônica caracterizada pela incapacidade de controlar o desejo e/ou a necessidade de beber álcool. Transtornos do Uso de Álcool (AUD) incluem abuso e dependência da substância. Segundo a Organização Mundial da Saúde, 3,3 milhões de mortes são causadas anualmente, no mundo todo, em razão do uso nocivo de álcool, tornando o alcoolismo um problema de saúde pública global.

O Transtorno de Abuso de Álcool se refere a um vício de longo prazo. O Instituto Nacional de Abuso de Álcool e Alcoolismo (NIAAA) descreve o transtorno por uso de álcool como “problema relacionado à ingestão de bebidas alcoólicas que se torna grave”. Um indivíduo com essa condição não sabe quando ou como parar de beber e apresenta comportamento compulsivo. Consequentemente, o consumo exagerado acarreta problemas no trabalho, nos relacionamentos e na saúde.

O consumo moderado de álcool pode não causar nenhum dano psicológico ou físico. No entanto, quando o hábito de “beber socialmente” se torna regular e frequente, o transtorno eventualmente é capaz de se desenvolver. Por isso, o consumo de bebidas alcoólicas deve ser moderado ou evitado, especialmente por pessoas vulneráveis, com casos de alcoolismo na família.

Sintomas

Sintomas de alcoolismo são fáceis de serem identificados por outras pessoas. Os mais comuns incluem:

  • Beber sozinho ou em segredo
  • Não ser capaz de limitar a quantidade de álcool consumida
  • “Apagar” e perder temporariamente a memória
  • Perder o interesse em hobbies antes apreciados
  • Sentir vontade incontrolável de beber
  • Apresentar irritação    em situações sociais, especialmente se não houver álcool disponível
  • Armazenar bebidas alcoólicas em lugares improváveis
  • Apresentar problemas de relacionamento, legais, financeiros ou profissionais decorrentes da bebida
  • Precisar de mais quantidade de álcool para sentir os efeitos
  • Sentir náuseas, suores e tremores sob abstinência

Causas

As causas e fatores de risco incluem pressão dos colegas, beber desde a tenra idade e depressão. A dependência pode levar poucos anos a várias décadas para se desenvolver. Para pessoas particularmente vulneráveis, pode acontecer em alguns meses. Nessa fase, o álcool passa a ser utilizado para evitar o efeito desagradável que causa a falta da substância

Com o tempo, o consumo regular de álcool pode perturbar o equilíbrio de ácido gama-aminobutírico (GABA) no cérebro e de glutamato. O GABA controla a impulsividade e o glutamato estimula o sistema nervoso.

Os níveis de dopamina no cérebro aumentam após o consumo de álcool, tornando a experiência mais gratificante. No entanto, em longo e médio prazo, o consumo excessivo de álcool pode alterar significativamente os níveis dessas substâncias químicas no cérebro, fazendo com que o corpo anseie pelo álcool para se sentir bem.

Além disso, o álcool ingerido em excesso constantemente não dá tempo suficiente para o organismo metabolizar e eliminar a substância. Com isso, os neurônios se adaptam e se acostumam às doses de bebida recebidas diariamente.

Um estudo da Universidade de Medicina de Chicago, publicado no American Journal of Psychiatry, após um acompanhamento de dez anos de jovens adultos que mantêm o hábito de beber, revelou que os indivíduos que relataram maior sensibilidade aos efeitos prazerosos e recompensadores do álcool no início do ensaio apresentaram maior probabilidade de desenvolver alcoolismo ao longo da pesquisa.

Além disso, quando testados novamente em suas respostas uma década depois, aqueles que se tornaram alcoólicos tiveram os níveis mais altos de estimulação do álcool, gosto e desejo – e estes foram aumentados em comparação com sua linha de base, sem sinais de tolerância a esses efeitos prazerosos.

Esses resultados indicam que os indivíduos que desenvolvem alcoolismo são mais propensos a serem sensibilizados aos efeitos do álcool – ou seja, eles experimentam uma resposta positiva mais forte –, em vez de se acostumar com a substância com um nível inferior de resposta. Nesses mesmos indivíduos, o álcool foi menos sedativo para eles desde o início, o que não mudou com o tempo.

Possíveis fatores de risco

Alguns fatores de risco também podem estar associados ao consumo excessivo de álcool.

Genes

Fatores genéticos específicos podem tornar algumas pessoas mais propensas a desenvolver dependência de álcool e outras substâncias. Pode haver relação com o histórico familiar.

Segundo Arthur Guerra de Andrade, psiquiatra e pesquisador da Faculdade de Medicina da USP, quando alguém possui familiares com histórico de alcoolismo, pode carregar geneticamente mais enzimas que metabolizam o álcool. Por causa disso, ao longo da vida, essa pessoa pode beber muito mais do que outras para conseguir sentir os efeitos da substância, sendo, portanto, mais suscetível a desenvolver o alcoolismo.

Idade no consumo da primeira bebida alcoólica

Um estudo sugeriu que as pessoas que começam a beber álcool antes dos 15 anos podem ter maior probabilidade de ter problemas com o álcool mais tarde na vida.

Acesso fácil

Parece haver uma correlação entre fácil acesso ao álcool, como baixo custo, e abuso da substância. Um estudo registrou uma queda significativa nas mortes relacionadas ao álcool depois que um estado norte-americano aumentou os impostos sobre o álcool. O efeito foi encontrado quase duas a quatro vezes o de outras estratégias de prevenção, como programas escolares ou campanhas na mídia.

Estresse

Hormônios do estresse estão relacionados ao abuso de álcool. Se os níveis de estresse e ansiedade estiverem altos, a pessoa pode consumir álcool na tentativa de controlar a agitação.

Depressão e ansiedade

Pessoas com depressão podem, deliberada ou inadvertidamente, usar álcool como meio de autotratamento. Por outro lado, consumir muito álcool pode aumentar o risco de depressão, em vez de reduzi-lo.

De maneira análoga, o álcool também é utilizado para lidar com o transtorno de ansiedade. Durante a pandemia de coronavírus, por exemplo, uma pesquisa da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) constatou que mais de 40% dos entrevistados brasileiros relataram ter feito alto consumo de álcool entre os meses de maio e junho de 2020. E a presença de quadros graves de ansiedade aumentou em 73% a chance de maior frequência no consumo.

No entanto, nessas situações, o uso das bebidas alcoólicas pode ser bastante prejudicial. A substância altera os níveis de serotonina e outros neurotransmissores no cérebro, o que pode piorar a ansiedade.

Como o corpo processa (metaboliza) o álcool

Pessoas que precisam comparativamente de mais álcool para atingir o efeito de embriaguez apresentam maior risco de desenvolver problemas de saúde relacionados ao álcool.

Complicações

As complicações do alcoolismo podem incluir perda de memória, confusão, problemas de saúde mental e problemas com a vida profissional ou doméstica.

Beber álcool geralmente melhora o humor da pessoa no início. No entanto, é provável que uma pessoa que tenha consumido quantidades altas ​​de álcool por muito tempo fique sedada ao beber, uma vez que a substância deprime o sistema nervoso.

O álcool também pode prejudicar o julgamento de uma pessoa, diminuindo as inibições e alterando os pensamentos, emoções e comportamento do usuário. O consumo excessivo de álcool pode levar a coma.

Em longo prazo, o alcoolismo pode causar:

  • Fadiga
  • Perda de memória
  • Músculos fracos
  • Doenças hepáticas
  • Complicações gastrointestinais
  • Hipertensão
  • Doenças do coração
  • Diabetes
  • Alterações ou interrupção da menstruação
  • Disfunção erétil
  • Síndrome do álcool fetal, que causa problemas congênitos em recém-nascidos
  • Afinamento dos ossos
  • Problemas do sistema nervoso
  • Vários tipos de câncer
  • Acidentes
  • Violência doméstica
  • Suicídio
  • Doenças mentais

Tratamento

Os tratamentos incluem participação em grupos de suporte, psicoterapia, medicamentos e apoio de associações renomadas, como os Alcoólicos Anônimos. Se você sentir que seu consumo de álcool está passando dos limites aceitáveis, procure ajuda.


Fontes: HealthlineMedical Xpress e Medical News Today


Veja também: 

 

Comentários 

 
0 #1 2013-10-30 19:05
As mulheres aumentaram em 34% o consumo frequente de bebida alcoólica com relação à pesquisa anterior
Citar
 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Saiba onde descartar seus resíduos

Encontre postos de reciclagem e doação mais próximos de você

Localização Minha localização
Não sabe seu CEP?

Newsletter

Receba nosso conteúdo em seu e-mail

Utilizamos cookies para oferecer uma melhor experiência de navegação. Ao navegar pelo site você concorda com o uso dos mesmos. Saiba mais ×