Coletor menstrual: vantagens e como usar

eCycle

Ao utilizar o coletor menstrual você reduz sua produção de resíduos e evita o contato com substâncias químicas nocivas que podem ser prejudiciais para sua saúde íntima

Coletor menstrual

Um dos pilares do consumo sustentável é a redução da produção de lixo. Repensar nossa geração de resíduos e mudar hábitos para minimizá-la é um bom meio de começar a adotar uma postura ecológica (saiba como reduzir os resíduos que vão para o lixo comum). Alguns resíduos, no entanto, parecem ser inevitáveis. Os absorventes descartáveis são um exemplo de produto que que faz parte da higiene íntima feminina e que acompanha as mulheres por todo seu ciclo menstrual, certo? Não necessariamente! Atualmente já há alternativas, como o coletor menstrual!

Todos os meses os corpos femininos se preparam para a fertilização. Quando ela não ocorre, o endométrio se desprende e há a eliminação do óvulo não fecundado e do revestimento interno do útero. O conteúdo do fluxo menstrual é composto por sangue e tecido interior uterino. A mulher não tem controle dessa eliminação e, por isso, precisam ser utilizados métodos para armazenar esse líquido, de modo que ele não manche roupas ou gere desconforto. Antigamente, mulheres costuravam toalhinhas para absorver o sangue, que eram lavadas e reutilizadas. Os absorventes são uma versão moderna e descartável de processo similar. Leia mais na matéria "Absorventes descartáveis: história, impactos ambientais e alternativas".

Eles se popularizaram pela praticidade e pelo conforto, mas representam grandes danos ao meio ambiente. Como no Brasil não existe reciclagem para esse tipo de resíduo, os absorventes acabam indo parar em lixões e aterros sanitários. Saiba o que fazer com absorventes usados.

Estima-se que cada mulher utilize, em média, dez absorventes descartáveis em cada ciclo menstrual, o que equivale a algo entre dez mil e 15 mil absorventes da puberdade até a menopausa.

Mas, não dá pra deixar de usar absorventes, certo?

Absorventes

Errado. Existem algumas opções mais sustentáveis no mercado, que causam menos impacto ao meio ambiente e possuem menos substâncias químicas nocivas, especialmente para mulheres alérgicas. Dentre elas, a mais vantajosa é o coletor menstrual. Conheça outras opções: "Guia: as alternativas ambientalmente amigáveis ao absorvente descartável".

O que é o coletor menstrual?

O coletor menstrual também impede o vazamento de sangue, mas funciona de forma diferente do absorvente tradicional. Ele existe desde os anos 1930 e é um copinho que pode ser feito em silicone medicinal (atóxico e translúcido), borracha ou elastômero termoplástico de grau hospitalar que é inserido na entrada da vagina. O coletor é discreto, se molda ao corpo e evita o desconforto dos absorventes comuns.

Como o nome indica, o coletor menstrual apenas coleta o fluxo menstrual, sem interferir na umidade, no pH ou na flora local. Os coletores são incríveis para mulheres alérgicas, pois são hipoalergênicos e não contêm substâncias químicas, látex, gel, bisfenol, dioxina, cola, perfume, pesticidas ou agentes branqueadores.

O mecanismo do coletor funciona por pressão. Ele faz um vácuo e se prende às paredes vaginais. Se inseridos corretamente, não representam riscos de vazamento. Os fabricantes afirmam que os coletores menstruais podem ser utilizados por até 12 horas. Respeitando o tempo de troca, você também pode dormir com seu coletor. Depois é só retirar, lavar e usar novamente.

Mulheres com fluxo intenso também podem usar os coletores, o que pode mudar é apenas o intervalo da higiene. Não é necessário retirá-lo para urinar ou evacuar. Além de ser uma escolha sustentável, o coletor menstrual oferece praticidade, conforto e economia. É perfeito para todos os esportes e atividades físicas, mesmo para mulheres com bastante fluxo. Seja ioga, ciclismo, dança, acrobacia, escalada, esportes radicais, natação, ginástica, corrida, mergulho, entre outros. Outro fator a ser considerado é que, como não há contato com o ar, não ocorre a proliferação de bactérias que geram odores.

Coletores menstruais em comparação com absorventes

Pensar que o coletor menstrual é similar ao absorvente interno é uma conclusão errônea. Apesar de ambos serem inseridos na vagina, eles são posicionados em alturas diferentes e possuem mecanismos completamente distintos, como mostra a imagem:

Infográfico sobre a anatomia do coletor em relação a sua altura no colo do útero

O absorvente interno não absorve somente o fluxo menstrual, mas também a umidade natural do local, podendo causar ressecamentos - 35% do que é absorvido é umidade do corpo e não sangue. Com a região ressecada, o algodão atrita com o interior da vagina e pode causar irritação.

Absorventes internos estão associados à perigosa síndrome do choque tóxico (saiba mais sobre ela aqui). Já o coletor menstrual retém apenas o fluxo, não ressecando nem abafando a vagina, como fazem tampões e absorventes externos descartáveis. Isso ajuda a diminuir o risco de infecções, pois inibe o crescimento de fungos e bactérias.

O coletor menstrual pode armazenar cerca de três vezes mais conteúdo que absorventes internos de alta absorção e precisa ser trocado com menos frequência. Dependendo do volume de fluxo, ele pode ser esvaziado a cada oito ou até 12 horas, oferecendo mais tempo de proteção e conforto. Dependendo da adaptação ao uso, ele pode ser mais seguro que os absorventes convencionais em relação a vazamentos. Se o coletor estiver aberto e posicionado no lugar correto, irá vedar toda a passagem de fluxo.

Absorventes tradicionais podem causar uma série de alergias, seja pelas diversas substâncias químicas que possuem, pelo abafamento da região ou pelo contato direto com a pele. Já os coletores menstruais não geram esses problemas por serem atóxicos e não alterarem as condições fisiológicas da região, como umidade, pH, flora vaginal e ventilação.

Um modelo comum de coletor menstrual é o feito com silicone medicinal. O material tem sido amplamente usado na área da saúde por não causar reações no corpo, ser biocompatível e de fácil higienização. O silicone não funciona como um meio de cultura para bactérias como os absorventes internos, não irrita a pele como os externos e nenhuma substância se desprende do coletor e passa para o corpo, além de ter uma durabilidade muito grande. A validade do produto depende de fatores como: frequência e modo de higienização, pH vaginal e produtos de limpeza utilizados.

Como usar coletor menstrual

O método de como colocar o coletor menstrual é muito diferente dos demais absorventes e por isso requer paciência na adaptação. É natural demorar até quatro ciclos para se adaptar, então, de início, enquanto você ainda não sabe muito bem como usar o coletor menstrual, você pode utilizar um absorvente externo em conjunto para se sentir mais segura. Se depois desse tempo você descobrir que não é para você, não tem problema. Outra opção menos invasiva, que também é reutilizável, é o absorvente de pano.

Culturalmente, mulheres não são estimuladas a conhecer o próprio corpo. Para inserir o coletor, a mulher é obrigada a conhecer sua anatomia e a se tocar. De inicio, isso pode gerar desconforto e estranhamento para muitas mulheres, mas é preciso entender que a menstruação faz parte de um processo natural e não é nojenta. Contrário do que possa se pensar, o coletor menstrual é mais higiênico do que absorventes comuns, por não expor o sangue ao contato com o oxigênio, que é o que gera odores.

O coletor precisa estar inserido na altura correta, abrir-se completamente e, assim, gerar o vácuo que irá vedar a passagem de sangue. Para inseri-lo na cavidade, podem ser realizadas diferentes dobras e a ideal será a que você melhor se adaptar. Se você tem o ciclo bem regulado poderá colocar o coletor antes mesmo de menstruar.

Como colocar o coletor menstrual

Antes de colocar o coletor, é muito importante lavar as mãos com sabão e garantir que o coletor esteja bem limpinho. Lembre-se de enxaguar muito bem, porque sabão no canal vaginal pode causar infecções.

É normal ficar nervosa na primeira vez que for testar o coletor menstrual, mas é importante tentar se manter relaxada e não tensionar os músculos da pélvis. Caso perceba que está fazendo isso, é melhor relaxar e tentar um pouco depois. Inserir com tensão pode acabar sendo doloroso e dificultar todo o processo. Procure uma posição confortável, na qual você se sinta relaxada. Pode ser em pé, agachada, sentada no vaso sanitário, etc. Faça a dobra e insira o coletor dobrado. Após colocar, enfie o dedo e sinta a borda do copinho, tentando perceber se ele está completamente aberto. Se ele não estiver aberto, você pode tentar abrir o coletor manualmente.

Modo de aplicação do coletor menstrual

Alguns coletores menstruais possuem uma espécie de cabinho, outros uma bolinha ou argola, para facilitar o manuseio e a retirada. Em caso de incômodo, essas partes podem (e devem) ser cortadas para que o copinho se adapte melhor ao corpo feminino.

Confira no vídeo o jeito certo de colocar e retirar seu coletor menstrual:

Como retirar e limpar

O vácuo deve ser removido para esvaziar o coletor menstrual, pois caso contrário a retirada pode ser um pouco dolorosa. Utilize a força da musculatura vaginal para empurrar o coletor para baixo e depois aperte o copinho para eliminar a pressão. Se você tiver posicionado o coletor mais perto do colo do útero, pode ser difícil removê-lo. É importante relaxar, procurar instruções no manual e tentar retirá-lo com calma para não se machucar.

Esvazie o conteúdo no vaso sanitário, lave com água e sabão neutro e insira novamente. Esse processo deve ser feito de acordo com a intensidade de seu fluxo menstrual, mas em média de faz necessário de duas a três vezes ao dia. Se você tiver que esvaziá-lo em um banheiro público, pode limpar apenas com papel higiênico, lenços umedecidos ou com o auxilio de uma garrafinha com água. Nesses casos, na troca seguinte, faça uma higiene mais cuidadosa com água e sabão.

Ao final de cada ciclo, é recomendado fervê-lo por cinco minutos. Não se deve usar panelas de alumínio ou teflon, pois elas soltam substâncias metálicas que podem danificar o silicone. Você pode utilizar uma panelinha de ágata ou higienizá-lo no micro-ondas usando recipientes para esterilizar chupetas e mamadeiras no vapor. Não use produtos que podem danificar ou aumentar o risco de irritação, como vinagre, desinfetante, sabão de máquina de lavar louça, álcool, etc.

Alguns fabricantes recomendam que o coletor menstrual seja trocado a cada dois ou três anos, mas cada consumidora pode decidir quando trocar seu coletor de acordo com seu estado. Basta conferir se não há sinais de deterioração como alteração da cor, se está pegajoso, se tem odor ou partes quebradiças. Ele pode durar até 10 anos se for bem cuidado e higienizado.

Como escolher o tamanho

Escolher o tamanho de coletor adequado é fundamental para prevenir vazamentos. Nem o peso, nem a quantidade de fluxo interferem na escolha do modelo. Mulheres com fluxo intenso provavelmente farão a limpeza com intervalo menor. A escolha do tamanho é feita de acordo com a tonicidade do assoalho pélvico. A tonicidade e elasticidade naturalmente diminui com a idade e após a gestação. Mulheres que já fizeram cirurgia íntima ou que têm os músculos extremamente fortalecidos por causa de exercícios de kegel, comuns nas atividades físicas como ioga, pilates e pompoarismo, podem ter maior tonicidade independente da idade.

As marcas em geral possuem coletores menstruais confeccionado em diferentes tamanhos. Os modelos com o diâmetro maior normalmente são recomendados para mulheres acima de 30 anos ou que tiveram filhos (independente do tipo de parto). Contudo, mulheres com essas características também podem se adaptar aos modelos menores, por possuírem maior tonicidade devido a exercícios ou cirurgia. De forma geral, quanto mais tonicidade, menor o coletor. Mas essa é uma questão muito particular e varia de mulher para mulher.

Colocando na ponta do lápis, o coletor menstrual se torna econômico também para o bolso. Você deixa de gastar todos os meses com absorventes descartáveis e poupa o meio ambiente. Nem todas as mulheres se adaptam ao coletor, algumas sentem cólicas por conta da pressão e outras não conseguem colocá-lo corretamente, sofrendo com eventuais vazamentos. Embora de inicio a adaptação seja complicada, com o tempo você fará o processo em segundos. Pela economia financeira, pelo aspecto ecológico, ou para evitar substâncias químicas alergênicas, com certeza vale vencer o preconceito e testar o coletor menstrual.

Gostou? Quer adquiri-lo? Então acesse a loja eCycle.


Fontes: InCiclo, Doutíssima, Brasil Post

Veja também:


 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Saiba onde descartar seus resíduos

Encontre postos de reciclagem e doação mais próximos de você

Localização Minha localização
Não sabe seu CEP?

Newsletter

Receba nosso conteúdo em seu e-mail