Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Descubra o que é aborto espontâneo, as possíveis causas, sintomas e o que fazer para lidar com a experiência

Aborto espontâneo é a perda de um bebê antes da 20ª semana de gravidez. Até 50% de todas as gravidezes terminam em aborto espontâneo, geralmente durante as primeiras semanas – na maioria das vezes, antes que a mulher perca o período menstrual ou mesmo saiba que está grávida. Cerca de 15% a 25% das gestações reconhecidas terminam em aborto espontâneo.

Mais de 80% das mulheres sofrem um aborto espontâneo nos três primeiros meses de gravidez. Abortos espontâneos são menos prováveis ​​de acontecer após 20 semanas. O problema pode ocorrer por uma variedade de razões médicas, que podem estar fora do controle da mãe.

No entanto, se você passar por isso, conhecer os fatores de risco, os possíveis sinais e as causas do problema pode ser uma maneira de entender melhor o evento e buscar o suporte, o tratamento e o auxílio necessários para enfrentar a experiência dolorosa.

Possíveis sinais

Os sintomas variam, dependendo do estágio da gravidez. Em alguns casos, acontece tão rapidamente que você pode nem saber que está grávida antes de abortar. Confira alguns dos sinais:

  • Sangramento vaginal
  • Descarga de tecido ou fluido de sua vagina
  • Forte dor abdominal ou cólicas
  • Dor nas costas de leve a severa
  • Dor de barriga
  • Fraqueza
  • Febre, acompanhada de qualquer um desses sintomas
  • Perda de peso
  • Muco branco-rosado
  • Contrações

Causas e fatores de risco

A maioria dos abortos espontâneos acontece quando o feto possui anomalias genéticas fatais. Normalmente, esses problemas não estão relacionados à mãe. Outros fatores que podem aumentar o risco de aborto são:

  • Infecção
  • Condições médicas da mãe, como diabetes ou doenças da tireoide
  • Problemas hormonais
  • Respostas do sistema imunológico
  • Anormalidades uterinas
  • Tabagismo
  • Consumo de álcool e outras drogas
  • Idade avançada
  • Exposição à radiação ou substâncias tóxicas
  • A mãe ter experimentado três ou mais abortos espontâneos anteriormente
  • Insuficiência cervical 

Fatores que não causam aborto espontâneo:

  • Exercício, incluindo atividades de alta intensidade, como corrida e ciclismo
  • Relações sexuais
  • Trabalhar, desde que você não esteja exposto a estresse, produtos químicos nocivos ou radiação

Fatores de risco

Vários fatores aumentam o risco de abortar, incluindo:

Idade

Mulheres com mais de 35 anos têm maior risco de aborto espontâneo do que mulheres mais jovens. Aos 35 anos, você tem um risco de cerca de 20%. Aos 40 anos, o risco é de cerca de 40%. E aos 45 anos, é cerca de 80%.

Abortos anteriores

Mulheres que tiveram dois ou mais abortos espontâneos consecutivos têm maior risco de abortar novamente.

Condições crônicas

Mulheres com doenças crônicas, como diabetes não controlada, têm maior risco de aborto espontâneo.

Problemas uterinos ou cervicais

Certas anomalias uterinas ou tecidos cervicais fracos (colo do útero incompetente) também podem aumentar o risco.

Tabagismo, álcool e drogas ilícitas

Mulheres que fumam durante a gravidez têm maior risco de abortar do que as não fumantes. Além disso, o uso excessivo de álcool e drogas ilícitas também contribui para o aumento das chances.

Peso inadequado

Estar abaixo do peso ou acima do peso tem sido associado a um risco aumentado de aborto espontâneo.

Testes pré-natais invasivo

Alguns testes genéticos pré-natais invasivos, como biópsia de vilo corial e amniocentese, apresentam um pequeno risco de provocar aborto.

Complicações

Algumas mulheres que abortam desenvolvem uma infecção uterina, também chamada de aborto séptico. Os sinais e sintomas desta infecção incluem:

  • Febre
  • Arrepios
  • Sensibilidade abdominal inferior
  • Corrimento vaginal fétido

Prevenção

Normalmente, não há nada que as mulheres podem fazer para evitar um aborto espontâneo. Infelizmente, vários fatores externos, que estão fora do controle da mãe, podem causar o problema. Mas sempre é possível tentar prevenir. Confira algumas dicas para reduzir as chances de sofrer um aborto espontâneo.

  • Procure atendimento pré-natal regular.
  • Evite fatores de risco de aborto espontâneo, como fumar, beber álcool e usar drogas ilícitas.
  • Tome um multivitamínico diariamente.
  • Limite a ingestão de cafeína: um estudo descobriu que beber mais de duas bebidas com cafeína por dia parecia estar associado a um risco maior de aborto espontâneo.

O que acontece se você achar que está tendo um aborto espontâneo?

Se você tiver os sintomas de um aborto espontâneo, geralmente será encaminhado a um hospital para fazer exames. Na maioria dos casos, uma ultrassonografia pode determinar se você está tendo um aborto espontâneo.

Se for confirmado, você precisará conversar com seu médico ou parteira sobre as opções para o manejo do fim da gravidez. Às vezes, remédios para ajudar na passagem do tecido podem ser recomendados, ou você pode optar por fazer um pequeno procedimento cirúrgico para removê-lo, se não quiser esperar.

Após um aborto espontâneo

Um aborto espontâneo pode ser uma experiência emocional e fisicamente desgastante, causando sentimentos de culpa, choque e raiva na mãe. Se você passar por isso, considere seguir um acompanhamento psicológico e procure cercar-se de pessoas de confiança, que ofereçam suporte emocional para superar o período doloroso.

Você pode tentar engravidar novamente assim que seus sintomas tiverem passado e você estiver emocional e fisicamente pronto. Lembre-se de que passar por um aborto espontâneo não significa necessariamente que você terá outro, caso engravide de novo. A maioria das mulheres consegue ter uma gravidez saudável após um aborto espontâneo, mesmo em casos de abortos recorrentes.