Recebi minha composteira doméstica. E agora?

Saiba quais são os primeiros passos para colocar essa belezinha para funcionar e começar a fazer a compostagem

Aprenda como começar a fazer compostagem com a sua composteira novinha
Imagem: Spirulixo

Você se encantou pela compostagem doméstica, com suas diversas vantagens práticas e ambientais, e adquiriu uma composteira. Ótimo! Mas e agora? Como montá-la? Quais os primeiros passos? Onde colocar as minhocas? Pra que serve a torneirinha?

Calma... Ter uma composteira não é nenhum bicho de sete cabeças e esta matéria vai te dar um panorama legal de como fazer compostagem e iniciar seus trabalhos como um "cuidador de minhocas recicladoras de comida".

Como montar o sistema?

A montagem da composteira é fácil mas importante

Em geral, a montagem das composteiras existentes no mercado atual é muito simples. Elas geralmente são empilháveis - os modelos costumam dispor de três caixas. Veja as primeiras dicas:

  • Aconselhamos que você providencie com antecedência um apoio para a composteira se escorar (mesmo que na parede ou com alguma madeira, para que ela não corra risco de cair) e deixe-a no local definitivo onde pretenda instalá-la;
  • Empilhe as caixas. A caixa com a torneirinha (coletora) deve ser a base para as outras duas;
  • Na caixa intermediária (digestora), disponha o conteúdo do pacote (serragem e húmus), cobrindo todo o seu fundo;
  • Faça o mesmo com a caixa de cima (também é digestora) e tampe.

Esse conteúdo de serragem e húmus é chamado de "cama" e é muito importante para receber as minhocas. Mas por quê?

A importância da "cama"

A "cama" é o local onde as minhocas se sentem seguras e se reproduzem. E isso não acontece à toa: com essa camada de serragem e húmus, o ambiente fica estável, não tem alterações de umidade, de pH e de temperatura (saiba mais na matéria "Problemas na compostagem: identifique as causas e conheça soluções.) É o abrigo perfeito.

Se a caixa tiver problemas com os fatores pertinentes para o sucesso da compostagem, as minhocas simplesmente fogem dessa caixa para outra, onde encontram um ambiente estável, indicando assim ao usuário que há problemas no sistema.

Iniciando a compostagem

Já montou tudo direitinho? Então é hora de começar de verdade:

  • Separe previamente os resíduos orgânicos e o material de cobertura (material seco);
  • Primeiramente, você deve colocar os resíduos orgânicos (veja mais informações na matéria "Você sabe o que deve e o que não deve ir para a composteira doméstica?") amontoados em um canto da caixa, sem espalhar, e cobri-los completamente com o material seco;
  • Você pode ir colocando os resíduos no dia a dia - leva aproximadamente um mês para que a caixa superior fique cheia;
  • Quando isso acontecer, troque-a de lugar com a caixa intermediária, que já foi cuidada anteriormente com o conteúdo do pacote, fazendo a vez de "cama" para as minhocas.
  • Deixe a caixa cheia de resíduos descansando no lugar da intermediária enquanto a intermediária enche no lugar da superior. Ou seja, quando a caixa de cima ficar cheia, troque-a de posição com a caixa intermediária por cerca de um mês, de modo que a caixa que ficou em cima se encha e a que ficou no meio, descanse.
O material seco garante equilíbrio e ambiente agradável para as minhocas

Por que colocar material seco?

O material seco é muito importante para o processo da compostagem. Usado como material de cobertura, ele é fonte de carbono, e seu equilíbrio com o nitrogênio é um fator muito importante para o sucesso da compostagem.

"Poxa, e onde eu posso adquirir material seco"? Oras, basta olhar para o seu jardim. Dê uma varrida nele e há muita coisa que você pode aproveitar na composteira, como grama, folhas secas, palha ou serragem grossa.

Quanto à serragem, certifique-se que a mesma não esteja contaminada com cola ou verniz, pois se estiver, ela pode contaminar todo o sistema da composteira, inclusive o composto (o produto final).

Recomendamos que se use a serragem grossa, não a fina, a fim de manter a oxigenação no ambiente da composteira. A fina tende a se compactar, impossibilitado a circulação de ar no sistema, dificultando a decomposição dos resíduos orgânicos.

As folhas caídas do seu jardim são bons exemplos de material seco

O que fazer com o composto?

Depois de algum tempo (cerca de dois meses), todos os resíduos se tornarão fertilizantes naturais! Mas é preciso saber o que fazer com os dois tipos de composto: 

Líquido

O composto líquido na caixa coletora deve ser retirado pela torneirinha semanalmente. Este líquido provém do processo de decomposição dos resíduos orgânicos e é drenado pelo conteúdo da composteira. Ele pode ser chamado de fertilizante líquido, composto líquido ou chorume orgânico, pois é rico em nutrientes e livre de bactérias e pode ser utilizado para rega de plantas - diluído em 50 % de água.

Sólido

Este composto é a mistura do húmus das minhocas e a decomposição dos resíduos. Sua coloração é escura e ele é sólido e fonte de nutriente e de matéria orgânica estabilizada, que pode ser usada em solos - o que ajuda na melhora da qualidade e recuperação das plantas. Por isso, é recomendado que o composto seja aplicado assim que for preparado.

Para coletá-lo, coloque a caixa no sol para que as minhocas se escondam (elas são fotossensíveis). Tire o produto até deixar na caixa uns dois ou três dedos de terra, para servir de "cama" para as minhocas, na repetição do processo.

Que adquirir uma composteira doméstica? Clique aqui.


Veja também:


 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Saiba onde descartar seus resíduos

Encontre postos de reciclagem e doação mais próximos de você

Localização Minha localização
Não sabe seu CEP?

Newsletter

Receba nosso conteúdo em seu e-mail