Algas marinhas: muitos benefícios além da famosa culinária japonesa

Elas nos dão grande parte do oxigênio do planeta, mas os benefícios não param por aí

As algas marinhas são famosas por serem parte de um dos mais reconhecidos ícones da culinária japonesa, o sushi. Mas elas têm um valor inestimável para a humanidade. Ao contrário do que diz o senso comum, as florestas não são os pulmões do mundo, mas sim as algas, que produzem cerca de 55% de todo o oxigênio do planeta. Mas seus benefícios não param por aí.

As algas também ajudam na prevenção do câncer e nos tratamentos de doenças de pele e capilar. Elas são ricas em nutrientes, como iodo, cálcio, fósforo, magnésio e ferro; e também contêm vitamina K, que é anti-hemorrágica e melhora a saúde do sistema gastrointestinal.

E não para por aí. Duas substâncias encontradas em várias espécies de macroalgas marinhas têm características antioxidantes e fotoprotetoras. São os carotenoides (pigmentos orgânicos) e as micosporinas (um tipo de aminoácido). Dessa forma, seria possível até produzir filtros solares e antioxidantes naturais (que servem para combater radicais livres que podem causar diversos problemas à saúde) com essas substâncias (veja mais aqui).

Principais tipos de algas comestíveis

Nori, meio arroxeada e que fica verde quando se seca é a alga mais conhecida, já que é usada para enrolar sushis e temakis. Kelp é encontrada no mercado em formato de flocos, com o pigmento castanho claro a verde escuro. Hijiki tem o sabor mais intenso. Kombu é mais usada em sopas, vendida em tiras e pequenas folhas. Arame, como diz o próprio nome, tem forma de arame e um gosto mais doce e ameno que a grande maioria das algas. Por fim, há a alga vermelha, chamada de ágar-ágar encontrada no nordeste brasileiro (muito usada em gelatinas).

Agricultura

Na agricultura também pode- se notar os benefícios das algas. Elas aumentam a resistência de estresse das plantas, como hortaliças (por exemplo, pimentões), legumes (tomates), frutíferas (maçãs, pêssegos e laranja lima), flores (cravo amarelo) e plantações de trigo, milho, feijão e cevada, além seus extratos contribuírem para a formação de sistema de raízes, aumento no conteúdo da clorofila, resistência ao estresse e diminuição do envelhecimento das células vegetais.

Portanto, seja produzindo o nosso oxigênio ou nos dando benefícios alimentares, as algas valem muito a pena.

Veja também:
-O uso de fertilizantes é um problema sem solução na agricultura?
-Produção sustentável: biomassa feita a partir do cultivo de algas tem testes promissores
-Designer desenvolve conceito de lâmpada abastecida com algas e CO2
-Algacultura: o futuro da alimentação


 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Saiba onde descartar seus resíduos

Encontre postos de reciclagem e doação mais próximos de você

Localização Minha localização
Não sabe seu CEP?

Newsletter

Receba nosso conteúdo em seu e-mail