Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Você já se perguntou o que é emoção? Descubra a definição, os diferentes tipos de emoções e como identificar as suas 

Imagem de frank mckenna, está disponível no Unsplash

Diferentes tipos de emoções parecem governar a nossa vida. Tomamos decisões com base no fato de estarmos felizes, com raiva, tristes, entediados ou frustrados. Praticamente tudo o que fazemos no dia a dia é orientado pela maneira como nos sentimos. Mas, afinal, o que é emoção?

O sentimento emocional é uma fase da atividade neurobiológica, o componente-chave das emoções e das interações emoção-cognição. Os esquemas emocionais, experiências emocionais que ocorrem com mais frequência, são interações dinâmicas entre emoção e cognição, que podem consistir em respostas momentâneas e situacionais ou em traços de personalidade duradouros que surgem ao longo do tempo.

As emoções desempenham um papel crítico na evolução da consciência e nas operações de todos os processos mentais. Os tipos de emoção se relacionam diferentemente com os tipos ou níveis de consciência. A imaginação desenfreada e a capacidade de regulação simpática da empatia podem representar tanto ganhos quanto perdas potenciais da evolução e da ontogenia dos processos emocionais e da consciência.

Segundo o artigo Teoria e pesquisa das emoções: destaques, perguntas não respondidas e questões emergentes, do psicólogo Carroll Izard, psicólogo norte-americano conhecido por suas contribuições à teoria das emoções diferenciais, não há consenso na literatura especializada sobre uma definição da palavra emoção.

O termo é entendido como autoexplicativo e, na maioria das vezes, a emoção é definida com referência a um conjunto de sentimentos, como raiva, nojo, medo, alegria, tristeza e surpresa. No entanto, ao longo da história, muitos pesquisadores, estudiosos, psicólogos e filósofos se propuseram a explicá-la.

Aristóteles, um dos mais conhecidos pensadores da Antiguidade, descreve, na obra Retórica, as emoções como “todos aqueles sentimentos que mudam os homens a ponto de afetar seus julgamentos, e que também são acompanhados de dor ou prazer. Esses são raiva, pena, medo e assim por diante, com seus opostos”.

De acordo com o livro Discovering Psychology, de Don Hockenbury e Sandra E. Hockenbury, uma emoção é um estado psicológico complexo que envolve três componentes distintos: uma experiência subjetiva, uma resposta fisiológica e uma resposta comportamental ou expressiva.

Em 1972, o psicólogo Paul Eckman sugeriu que existem seis emoções básicas que são universais em todas as culturas humanas: medo, nojo, raiva, surpresa, felicidade e tristeza. Em 1999, Eckman expandiu sua lista para incluir uma série de outras emoções básicas, incluindo constrangimento, excitação, desprezo, vergonha, orgulho, satisfação e diversão.

Já na década de 1980, Robert Plutchik introduziu outro sistema de classificação de emoções conhecido como “roda das emoções”. Este modelo demonstrou como diferentes emoções podem ser combinadas ou misturadas, da mesma forma que um artista mistura cores primárias para criar outras cores.

Plutchik propôs oito dimensões emocionais primárias: felicidade versus tristeza, raiva versus medo, confiança versus repulsa e surpresa versus antecipação. Essas emoções podem então ser combinadas para criar outras (como felicidade + antecipação = excitação).

Qual é a diferença entre emoções primárias e secundárias?

Pense nisso da seguinte maneira: a emoção primária vem em primeiro lugar e a secundária, obviamente, em segundo. A partir daí, o campo psicológico tende a diferir sobre o que são exatamente as emoções primárias e as secundárias. Por exemplo, existem os modelos Ekman e Plutchick.

Paul Ekman identificou seis emoções primárias (raiva, nojo, medo, felicidade, tristeza e surpresa) e Robert Plutchik identificou oito, que agrupou em quatro pares de polos opostos (alegria-tristeza, raiva-medo, confiança-desconfiança, surpresa-antecipação).

Alguns especialistas acreditam que essas emoções são programadas, inatas e universais, automáticas e rápidas, e desencadeiam um comportamento com um alto valor de sobrevivência. Já as emoções secundárias, como apreensão, interesse e confiança, são hipotetizadas como provenientes de uma combinação das emoções primárias

Em outras palavras, as emoções primárias estão associadas ao instinto e à sobrevivência, sendo inerentes aos seres humanos, independentemente da cultura, do contexto histórico e das vivências individuais.

As emoções secundárias, por outro lado, são mais complexas, porque envolvem o raciocínio e fatores socioculturais. Elas são aprendidas e relacionadas a memórias. Alguns exemplos são ciúmes, orgulho, simpatia, admiração e culpa.

Elementos-chave das emoções

Para entender melhor o que são as emoções, vamos nos concentrar em seus três elementos-chave, conhecidos como experiência subjetiva, resposta fisiológica e resposta comportamental.

A experiência subjetiva

Embora os especialistas acreditem que há uma série de emoções universais básicas que são vivenciadas por pessoas em todo o mundo, independentemente da origem ou cultura, os pesquisadores também acreditam que experimentar emoções pode ser altamente subjetivo.

Cada pessoa experimenta as emoções, mesmo as primárias, de maneiras diferentes, a depender de fatores como nível de inteligência emocional e vivências anteriores. Embora tenhamos rótulos amplos para emoções como “zangado”, “triste” ou “feliz”, sua própria experiência com essas emoções pode ser muito mais multidimensional e, portanto, subjetiva.

Também nem sempre experimentamos formas puras de cada emoção. Emoções confusas sobre diferentes eventos ou situações em nossas vidas são comuns. Ao começar um novo emprego, você pode se sentir animado e nervoso.

Casar-se e ter um filho, por sua vez, podem marcar uma grande variedade de emoções, desde alegria até ansiedade. Essas emoções podem ocorrer simultaneamente ou você pode senti-las uma após a outra.

A resposta física

Se você já sentiu o estômago embrulhar de ansiedade ou o coração palpitar de medo, então percebeu que as emoções também causam fortes reações físicas. Muitas das respostas fisiológicas que você experimenta durante uma emoção, como palmas das mãos suadas ou batimentos cardíacos acelerados, são reguladas pelo sistema nervoso simpático, um ramo do sistema nervoso autônomo.

O sistema nervoso autônomo controla as respostas involuntárias do corpo, como o fluxo sanguíneo e a digestão. O sistema nervoso simpático é encarregado de controlar as reações de luta ou fuga do corpo. Ao enfrentar uma ameaça, essas respostas preparam automaticamente seu corpo para fugir do perigo ou enfrentar a ameaça de frente.

Enquanto os primeiros estudos da fisiologia da emoção tendiam a se concentrar nessas respostas autonômicas, pesquisas mais recentes deram enfoque ao papel do cérebro nas emoções. As varreduras do cérebro mostraram que a amígdala, parte do sistema límbico, desempenha um papel importante na emoção e no medo em particular.

A amígdala em si é uma estrutura minúscula em forma de amêndoa que foi associada a estados motivacionais como fome e sede, bem como memória e emoção. Os pesquisadores usaram imagens cerebrais para mostrar que, quando as pessoas veem imagens ameaçadoras, a amígdala é ativada. Danos à amígdala também mostraram prejudicar a resposta ao medo.

Como posso interpretar minhas emoções?

Existem muitas maneiras de obter clareza sobre seus sentimentos. Aqui estão algumas de nossas sugestões.

1. Procure ajuda profissional

Seja um psiquiatra, psicólogo, terapeuta, assistente social ou outro profissional de saúde mental, muitas vezes obter uma visão sobre suas próprias emoções significa trazer alguma ajuda externa. Ter uma visão geral pode ser impossível quando você está preso dentro do caos giratório de tudo. Mas, quando uma terceira parte neutra se manifesta, a verdade pode se desvendar com bastante rapidez, caso você esteja aberto a ela.

2. Mantenha um diário

Você ficaria surpreso com a eficácia de registrar os sentimentos no papel. Experimente passar dez minutos todos os dias escrevendo de graça. Anote qualquer pensamento que vier a você por um determinado período de tempo, sem se preocupar em fazer sentido, e você ficará surpreso com o que vem à superfície.

3. Pratique meditação

A prática budista de 2 mil anos tem sido uma forma comprovada de melhorar a consciência em torno do momento presente e do eu. Embora a meditação possa parecer elevada e desconhecida, existem muitas maneiras de trazer a prática antiga para sua vida. Comece com uma sessão rápida de dez minutos com a ajuda de algum aplicativo, vídeo no YouTube ou com o nosso guia Como meditar: guia básico para meditação.

Opiniões e atitudes podem durar mais quando são baseadas na emoção

Dependendo do assunto, as atitudes das pessoas podem mudar de momento a momento ou durar a vida toda. Os fatores que tornam uma opinião duradoura e outra efêmera, porém, nem sempre são claros.

Estudos anteriores demonstraram que as opiniões baseadas em fatos e dados reais podem permanecer constantes ao longo do tempo, mas uma nova pesquisa publicada na revista Psychological Science revela que atitudes baseadas em sentimentos e emoções também podem resistir ao teste do tempo. Essa pesquisa tem implicações tanto para prever quais atitudes são fixas ou passageiras como para incitar as pessoas a formarem opiniões mais duradouras.

Como parte do estudo, os pesquisadores perguntaram a mais de mil pessoas até que ponto elas acreditavam que atitudes baseadas em sentimentos ou reações emocionais eram mais estáveis ​​ao longo do tempo do que aquelas baseadas em pensamento e análise racional. Apenas 15% expressaram qualquer crença de que as atitudes baseadas na emoção seriam mais estáveis ​​ao longo do tempo.

Para testar o papel que a emoção desempenha na formação de atitudes duradouras, os pesquisadores conduziram sete estudos independentes envolvendo mais de 20 mil participantes em uma variedade de situações do mundo real.

De acordo com Andrew Luttrell, autor principal do artigo, a emocionalidade é um indicador pouco apreciado de atitudes duradouras. Para ele, suas descobertas são importantes para entender por que algumas opiniões são tão difíceis de mudar ou se fixar de maneira prolongada.

Renda mais alta afeta emoções secundárias, como medo, orgulho e confiança

Pessoas com rendas mais altas tendem a se sentir mais orgulhosas, mais confiantes e com menos medo do que as pessoas com rendas mais baixas, mas elas não necessariamente mais compassivas ou amorosas, de acordo com uma pesquisa publicada pela American Psychological Association.

Em um estudo de dados de 162 países, os pesquisadores encontraram evidências consistentes de que ter uma renda mais alta ajuda a predizer se as pessoas sentem “emoções de autoestima” mais positivas, incluindo confiança, orgulho e determinação. A renda mais baixa teve o efeito oposto, e previu emoções negativas de autoestima, como tristeza, medo e vergonha. A pesquisa foi publicada online na revista Emotion.


Fontes: Medical Xpress (1), Medical Xpress (2), Very Well Mind, BritannicaAnnual Review of Psychology e Pure Now


Veja também: