Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

O ar-condicionado, uma tecnologia que muitos consideram garantida nas nações mais ricas do mundo, é uma ferramenta que salva vidas durante as ondas de calor extremas

De acordo com estudo realizado na Universidade de Harvard, em um mundo mais quente, o ar-condicionado não é mais um item de luxo, e sim um salva-vidas.  Um país mal preparado para temperaturas escaldantes, como o Reino Unido, onde o uso do ar-condicionado é raro, pode haver milhares de mortes no contexto de mudanças climáticas. Entretanto, devido ao impacto ambiental gerado por este aparelho, é necessário que a humanidade se adapte ao novo contexto com tecnologias de refrigeração mais amigáveis ao clima. 

À medida que ondas de calor extremas devastam os Estados Unidos, a Europa e a África, matando milhares de pessoas, os cientistas alertam que o pior ainda está por vir. Com os países continuando a emitir gases de efeito estufa na atmosfera, as temperaturas extenuantes deste verão no hemisfério norte podem parecer amenas em 30 anos.

O ar-condicionado, uma tecnologia que muitos consideram garantida nas nações mais ricas do mundo, é uma ferramenta que salva vidas durante as ondas de calor extremas. No entanto, apenas cerca de 8% dos 2,8 bilhões de pessoas que vivem nas partes mais quentes – e muitas vezes mais pobres – do mundo atualmente têm esse aparelho em suas casas.

Em um artigo recente, uma equipe de pesquisadores do Harvard China Project, sediado na Harvard John A. Paulson School of Engineering and Applied Sciences (SEAS), modelou a demanda futura por ar-condicionado conforme o calor extremo aumenta globalmente. A equipe encontrou uma enorme lacuna entre a capacidade o acesso atual ao uso de ar-condicionado e o que será necessário até 2050 para salvar vidas, especialmente em países de baixa renda e em desenvolvimento.

Os pesquisadores estimam que, em média, pelo menos 70% da população de vários países necessitará de ar-condicionado até 2050 se a taxa de emissões continuar aumentando, sendo esse número ainda maior em países equatoriais como Índia e Indonésia. Mesmo que o mundo cumpra os limites de emissões estabelecidos nos Acordos Climáticos de Paris – o que não está em vias de ocorrer – uma média de 40% a 50% da população em muitos dos países mais quentes do mundo ainda precisará de ar-condicionado.

“Independente das trajetórias de emissão, é preciso haver uma escala massiva de distribuição de ar-condicionado ou outras opções de refrigeração para bilhões de pessoas, para que não fiquem sujeitas a essas temperaturas extremas pelo resto de suas vidas”, disse Peter Sherman, pós-doutorando no Harvard China Project e primeiro autor do artigo.

Sherman, com o colega de pós-doutorado Haiyang Lin, e Michael McElroy, Professor Gilbert Butler de Ciências Ambientais da SEAS, analisaram especificamente os dias em que a combinação de calor e umidade, medida pela chamada temperatura simplificada de bulbo úmido, poderia matar até mesmo os jovens, pessoas saudáveis ​​em questão de horas. Esses eventos extremos podem ocorrer quando as temperaturas são suficientemente altas ou quando a umidade é alta o suficiente para impedir que a transpiração resfrie o corpo.

“Enquanto nos concentramos nos dias em que a temperatura simplificada do bulbo úmido excedeu um limite além do qual as temperaturas são fatais para a maioria das pessoas, as temperaturas do bulbo úmido abaixo desse limite ainda podem ser realmente desconfortáveis ​​e perigosas o suficiente para exigir o uso de ar-condicionado, especialmente para populações vulneráveis. “, disse Sherman. “Então, isso é provavelmente uma subestimação de quanto as pessoas precisarão de ar-condicionado no futuro.”

A equipe analisou dois futuros – um em que a emissão de gases de efeito estufa aumenta significativamente em relação à média de hoje e um futuro no meio do caminho, em que as emissões são reduzidas, mas não cortadas completamente.

No cenário com altas emissões, a equipe de pesquisa estimou que 99% da população urbana na Índia e na Indonésia necessitarão de ar-condicionado. Na Alemanha, um país com clima historicamente temperado, os pesquisadores estimaram que até 92% da população necessitará de ar-condicionado para eventos de calor extremo. Nos EUA, cerca de 96% da população precisará da tecnologia de resfriamento.

Países de alta renda, como os EUA, estão mais bem preparados até para o futuro mais difícil. Atualmente, cerca de 90% da população nos EUA tem acesso a ar-condicionado, em comparação com 9% na Indonésia e apenas 5% na Índia.

Mesmo que as emissões sejam reduzidas, a Índia e a Indonésia ainda precisarão implantar ar-condicionado para 92% e 96% de suas populações urbanas, respectivamente.

Mas, a maior demanda pelo uso de ar-condicionado exigirá mais energia. Ondas de calor extremas já estão sobrecarregando as redes elétricas em todo o mundo e o aumento maciço da demanda por ar-condicionado pode levar os sistemas atuais ao ponto de ruptura. Nos EUA, por exemplo, o ar-condicionado já responde por mais de 70% do pico de demanda residencial de eletricidade em dias extremamente quentes em alguns estados.

“Se você aumentar a demanda por ar-condicionado, isso também terá um grande impacto na rede elétrica”, disse Sherman. “Isso sobrecarrega a rede porque todo mundo vai usar o aparelho ao mesmo tempo, afetando o pico de demanda de eletricidade.”

“Ao planejar futuros sistemas de energia, fica claro que você não pode simplesmente aumentar a demanda atual, especialmente para países como Índia e Indonésia”, disse McElroy. “Tecnologias como a energia solar podem ser particularmente úteis para lidar com esses desafios, pois a curva de oferta correspondente deve se correlacionar bem com esses períodos de pico de demanda no verão”.

Outras estratégias para moderar o aumento da demanda de eletricidade incluem desumidificadores, que usam significativamente menos energia do que o ar-condicionado. Qualquer que seja a solução, está claro que o calor extremo não é apenas um problema para as gerações futuras.

“Este é um problema atual”, disse Sherman.