Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Entenda por que existem cogumelos venenosos, os sintomas causados pelo consumo acidental e algumas das espécies mais perigosas para a saúde

Cogumelos venenosos existem pela mesma razão que as plantas venenosas: proteção. Afinal, a impossibilidade de ingeri-los permite que eles se reproduzam. Já os cogumelos comestíveis usam a estratégia oposta: eles precisam de animais para comê-los para espalhar os esporos através das fezes. 

Embora o consumo de cogumelos ainda seja baixo no Brasil em comparação com outros países, sobretudo os asiáticos, o risco de intoxicação existe e não deve ser negligenciado. Em algumas espécies de fungos, a concentração de toxinas é tão grande que é suficiente para matar uma pessoa após a ingestão. 

De 2005 a 2019, o Centro de Informação Toxicológica do Rio Grande do Sul (CIT/RS) registrou 111 casos envolvendo o consumo de cogumelos venenosos. O cogumelo mágico (Psilocybe cubensis) foi responsável por 41 deles, enquanto o cogumelo de esporos verdes (Chlorophyllum molybdites) e a amanita (Amanita muscaria) estavam envolvidos em, respectivamente, 10 e 7 do total de ocorrências. 

Por que existem cogumelos venenosos?

Como os cogumelos não duram muito, é importante que eles espalhem seus esporos rapidamente para se reproduzir. E é justamente aqui que os venenos e as toxinas podem entrar.

Os cogumelos são muito saborosos para os caracóis, alguns insetos, besouros, esquilos, esquilos, veados e, é claro, pessoas. Se um animal come um cogumelo, geralmente seus esporos são perdidos – a menos que a espécie seja envolta em uma cobertura protetora destinada a ser transportada para uma nova vizinhança através das fezes.

Cientistas descobriram que os insetos e os caracóis evitam comer cogumelos que contêm veneno. Alguns venenos de cogumelos podem deixar sua “vítima” doente apenas o bastante para evitar a ingestão daquela espécie no futuro, mas outros podem ser fatais.

Cogumelos venenosos são minoria, mas seu poder não deve ser subestimado

Existem muitos venenos de cogumelos diferentes. Um tipo pertence a um grupo de cogumelos muito bonitos, as amanitas, também chamados de “anjos destruidores”, porque são bonitos e mortais. Amanitas costumam ser confundidas com cogumelos comestíveis, causando várias mortes em todo o mundo a cada ano.

Alguns venenos de cogumelos podem ser usados para fins medicinais. O veneno do fungo ergotina, por exemplo, foi desenvolvido em um medicamento usado para prevenir enxaquecas.

Não existem muitas espécies de cogumelos venenosos no mundo: somente cerca de 1% a 2% deles contêm veneno. Infelizmente, no entanto, não há uma maneira fácil de distinguir um cogumelo venenoso de outras espécies comestíveis. Portanto, não é uma boa ideia comer cogumelos que você encontra por aí, porque é difícil ter certeza se eles são venenosos ou não.

Embora apenas algumas das 70 a 80 espécies de cogumelos venenosos sejam realmente fatais quando ingeridos, muitos desses fungos mortais apresentam uma lamentável semelhança com espécies comestíveis e, por isso, são especialmente perigosos. 

Confira os cogumelos venenosos mais conhecidos

Amanita 

O gênero Amanita contém várias espécies potencialmente venenosas para humanos. A Amanita muscaria é um alucinógeno considerado venenoso. Outras espécies, como Amanita verna e Amanita virosa, representam cerca de 90% dos casos fatais de envenenamentos por cogumelos.

No entanto, a espécie mais mortal de todas é a Amanita phalloides, encontrada em toda a Europa e muito parecida com espécies comestíveis bastante populares. Suas amatoxinas estáveis ​​ao calor resistem às temperaturas de cozimento e danificam rapidamente as células do corpo. 

Dentro de 6 a 12 horas após o consumo, aparecem violentas dores abdominais, vômitos e diarreia com sangue, causando rápida perda de líquido dos tecidos e sede intensa. Logo se seguem sinais de comprometimento grave do fígado, rins e sistema nervoso central, incluindo diminuição do débito urinário e diminuição do açúcar no sangue. Essa condição leva ao coma e à morte em mais de metade dos casos. 

Conocybe filaris

Conocybe filaris é um cogumelo de grama de aparência inocente que é especialmente comum no noroeste do Pacífico. Apresentando as mesmas micotoxinas da amanita, é potencialmente fatal se ingerido. 

Os primeiros sintomas gastrointestinais geralmente aparecem de 6 a 24 horas após o consumo dos cogumelos, frequentemente levando a um diagnóstico inicial incorreto de intoxicação alimentar ou algum problema estomacal comum. Pode causar insuficiência hepática e renal, levando à morte.

Cortinarius rubellus e Cortinarus orellanus

Cortinarius é um gênero de cogumelos que abrange diversas espécies. Duas delas, Cortinarius rubellus e Cortinarius orellanus, são muito semelhantes entre si e também a várias outras espécies comestíveis – e é aí que mora o perigo.

Esses cogumelos apresentam um veneno conhecido como orelanina, que inicialmente causa sintomas semelhantes aos da gripe comum. A orelanina tem um período de latência insidiosamente longo e pode levar de 2 dias a 3 semanas para causar sintomas, geralmente levando a um diagnóstico incorreto. 

A toxina acaba causando insuficiência renal e morte se não tratada. Em 2008, o escritor inglês Nicholas Evans por engano coletou e serviu esse tipo de fungo em uma refeição para seus parentes, resultando na hospitalização de quatro deles. Ele, sua esposa e seu cunhado precisaram de transplantes renais por causa do envenenamento.

Galerina marginata

Comum em todo o hemisfério norte e em partes da Austrália, Galerina marginata é um cogumelo com as mesmas amatoxinas da amanita. Sua ingestão causa diarreia, vômito, hipotermia e danos ao fígado e pode resultar em morte, caso a intoxicação não seja tratada. 

Embora não seja especialmente semelhante às espécies comestíveis, várias mortes e envenenamentos foram atribuídos a coletores que confundiram a calota craniana de outono com cogumelos alucinógenos Psilocybe.

Lepiota brunneoincarnata

Amplamente distribuído pela Europa e partes da Ásia, este cogumelo é bastante inócuo e tem sido confundido com variedades comestíveis, embora envenenamentos não sejam muito comuns. O consumo acidental leva à toxicidade hepática grave e pode ter consequências letais se o tratamento imediato não for recebido.

Efeitos mais comuns de cogumelos venenosos

Os três principais efeitos dos cogumelos venenosos são:

Alucinações

Algumas espécies de cogumelos contêm toxinas que causam alucinações. Esses tipos psicotrópicos são comumente chamados de “cogumelos mágicos”. Uma das espécies mais conhecidas é Psilocybe subaeruginosa. Além das alucinações, outros efeitos incluem confusão, fraqueza muscular, agitação, aumento da frequência cardíaca e dor de cabeça. 

Doença gastrointestinal 

Muitos cogumelos venenosos causam doenças gastrointestinais, como náuseas, vômitos, cólicas estomacais e diarreia.

Insuficiência hepática e morte

Cerca de 9 em cada 10 mortes relacionadas com fungos são atribuíveis ao cogumelo Amanita phalloides. Os sintomas ocorrem 6 a 24 horas após as refeições e incluem náuseas, cólicas estomacais, vômitos e diarreia. A toxina pode causar danos fatais ao fígado e aos rins e a morte pode ocorrer em 48 horas. Outros cogumelos que têm um efeito semelhante ao limite da morte incluem algumas espécies de Galerina, Lepiota e Conocybe.