Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Banheiro seco conta com um vaso sanitário que não utiliza água e disponibiliza os resíduos para fertilizar e compostar

Banheiro seco é uma versão de vaso sanitário que funciona sem o uso de descarga de água. Esse modelo de vaso é mais sustentável do que a privada comum, pois reduz o gasto de água e energia, além de possibilitar o aproveitamento dos dejetos como adubo para as plantas ornamentais.

Existem dois tipos de banheiro seco, um deles é feito com um vaso em que os resíduos vão diretamente para um buraco no solo. No outro, há um vaso sanitário de compostagem, onde os resíduos vão para um recipiente selado ou uma cavidade instalada no solo – este também é chamado de banheiro seco compostável.

Por que o banheiro comum pode ser um problema?

Banheiro. Imagem de Barry D por Pixabay 

No banheiro convencional, é comum encontrar muitos itens descartáveis feitos com plásticos e substâncias prejudiciais ao meio ambiente. Esses materiais, além de poluírem o solo e a água, se tornam lixo, e muitas vezes não são descartados corretamente. Uma forma de minimizar os impactos ambientais desses produtos é substituí-los por opções sustentáveis, como por exemplo:

Para além dos produtos de higiene pessoal, a estrutura de um banheiro comum costuma ser impactante para o meio ambiente. Isso porque há gastos de energia e grande desperdício de água. De acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), cada pessoa precisa de 3,3 mil litros de água por mês, totalizando cerca de 110 litros de água por dia para atender às necessidades de consumo e higiene.

Contudo, no Brasil, o consumo por pessoa pode chegar a mais de 200 litros de água por dia. Boa parte desse gasto acontece em banhos e descargas. Um banho de ducha com duração de 15 minutos consome 135 litros de água. Ao optar por fechar o registro para ensaboar e reduzir o tempo do banho para cinco minutos, o consumo cai para 45 litros.

Já o vaso sanitário com válvula e tempo de acionamento de seis segundos gasta cerca de 12 litros. Se a válvula estiver com defeito, pode chegar a gastar até 30 litros. A partir da descarga, muitas vezes o esgoto é lançado na água, contribuindo com a poluição da água e a escassez de água potável. Como alternativa ao uso da descarga, há o banheiro seco que, além de ser mais eco-friendly, pode permitir a reutilização da urina e das fezes.

Como funciona um banheiro seco?

O banheiro seco pode mandar os resíduos diretamente para o solo, envolvendo o processo de cavar um buraco. Uma desvantagem desse sistema é a possibilidade de contaminar os lençóis freáticos. Nesse caso, o banheiro precisa ser implantado em locais em que o nível do lençol freático não seja alto.

Por outro lado, existem outros modelos de banheiro secos que podem ter um lugar de armazenamento de resíduos. Alguns banheiros usam eletricidade e sistemas elétricos para exaurir o ar e aumentar a atividade microbiana. Entretanto, isso pode resultar em um maior gasto de energia, se tornando uma opção não tão sustentável. 

Outra opção seria o uso de um tambor giratório, de uso manual, inserido dentro do vaso sanitário. Esse tambor é girado, de forma a promover a ação da decomposição aeróbia dos resíduos.

Projetos

Um exemplo de banheiro compostável é o Kildwick, um projeto que busca minimizar o uso de produtos nocivos ao ambiente nos banheiros. Ele tem um sistema de separação de urina e fezes que reduz o mau cheiro gerado por essa combinação, e seu sistema de separação impede que as bactérias e a amônia entrem em contato, mantendo o ambiente agradável.

A partir disso, é possível realizar o peecycling, nome dado ao processo de reciclagem de urina. Entre várias utilidades, a urina humana pode servir como fertilizante. Isso porque está repleta de nutrientes importantes para o desenvolvimento das plantas, como nitrogênio, potássio e fósforo.

Apesar dos benefícios dessa prática, a urina contém substâncias nocivas, como medicamentos e anticoncepcionais. Com isso, pesquisadores da Universidade de Michigan descobriram que a prática de “envelhecer” a urina pode resolver esse problema. 

De acordo com o estudo, a urina deve ser coletada em recipientes lacrados e armazenada por alguns meses. Essa prática leva a desativação de 99% de genes resistentes a antibióticos que poderiam estar presentes na urina. 

Outro projeto foi elaborado pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Ele tem como objetivo a implementação desse modelo para a construção de dois banheiros. A proposta conta não só com o vaso sanitário seco, como também um sistema de tratamento de resíduos.

Cada um dos banheiros tem dois vasos sanitários, que fazem uma espécie de rotação de uso, com um intervalo de seis meses. Enquanto um está com a capacidade do reservatório cheia, o outro é usado até que o processo de decomposição seja finalizado. Além disso, o projeto conta com um sistema de ventilação, realizado por chaminés de convecção que auxiliam na compostagem.

Vantagens do uso

O banheiro seco pode ser uma boa opção para lugares com déficit de saneamento básico e pouco acesso à água, reduzindo problemas decorrentes da desigualdade social. Ainda, os dejetos coletados por ele podem ser utilizados por organizações agrícolas como fertilizantes. Dessa forma, evita o uso de pesticidas e outras substâncias nocivas ao meio ambiente e à saúde humana.