O que é ansiedade e seus sintomas

eCycle

Entenda o que é ansiedade e conheça os principais sinais e sintomas de transtorno de ansiedade

ansiedade
Imagem de Finn no Unsplash

A ansiedade é uma resposta normal a eventos estressantes da vida, como mudança de emprego, problemas financeiros ou ambientais. Ela serve para antecipar perigos e proteger o organismo. No entanto, quando os sintomas de ansiedade se tornam mais nocivos do que os eventos que os desencadearam pode ser um sinal de transtorno de ansiedade. O transtorno de ansiedade pode ser incapacitante, mas possui tratamento.

Um dos sintomas mais comuns do transtorno de ansiedade é a preocupação excessiva. A preocupação de quem sofre de transtorno de ansiedade é desproporcional aos eventos que desencadeiam preocupação e normalmente ocorre em resposta a situações normais do dia a dia (confira aqui estudo a respeito: 1).

Para ser considerada um sinal de transtorno de ansiedade generalizada, a preocupação deve ocorrer na maioria dos dias por pelo menos seis meses e ser difícil de controlar (2). A preocupação também deve ser severa e intrusiva, dificultando a concentração e a realização das tarefas diárias.

Pessoas com menos de 65 anos correm o maior risco de desenvolver transtorno de ansiedade generalizada, especialmente os solteiros e quem tem um status socioeconômico mais baixo (3).

A ansiedade também sobrecarrega o sistema nervoso simpático. Isso desencadeia uma cascata de efeitos por todo o organismo, como pulso acelerado, suor nas palmas das mãos, mãos trêmulas e boca seca (4). Esses sintomas ocorrem porque o cérebro acredita em um perigo e está preparando o corpo para reagir à ameaça. Então o corpo desvia o sangue do sistema digestivo para os músculos, caso a pessoa precise correr ou lutar. Também aumenta sua frequência cardíaca e intensifica os sentidos (5).

Embora esses efeitos sejam úteis no caso de uma ameaça real, eles podem ser debilitantes se o medo for desproporcional ao perigo. Pesquisas sugerem que as pessoas com transtornos de ansiedade não são capazes de reduzir a agitação tão rapidamente quanto as pessoas sem transtornos de ansiedade, o que significa que podem sentir os efeitos da ansiedade por um longo período de tempo (6, 7).

Outro sintoma de ansiedade, é a inquietação, especialmente em crianças e adolescentes. Um estudo com 128 crianças diagnosticadas com transtornos de ansiedade descobriu que 74% relataram a inquietação como um de seus principais sintomas de ansiedade. Embora a inquietação não ocorra em todas as pessoas com ansiedade, é um dos sinais de alerta que os médicos frequentemente procuram ao fazer um diagnóstico.

Muitas pessoas com ansiedade relatam ter dificuldade de concentração. Um estudo realizado com 157 crianças e adolescentes com transtorno de ansiedade generalizada descobriu que mais de dois terços tinham dificuldade de concentração. Outro estudo realizado com 175 adultos com o mesmo transtorno descobriu que quase 90% relataram ter dificuldade de concentração. Quanto pior era sua ansiedade, mais problemas eles tinham.

A tensão muscular também está associada à ansiedade. Mas é possível que a própria tensão muscular aumente a ansiedade, e vice-versa.

Os distúrbios do sono também estão fortemente associados aos distúrbios de ansiedade (20, 21, 22, 23). Acordar no meio da noite ou ter problemas para dormir são os dois problemas mais comumente relatados (24). Algumas pesquisas sugerem que ter insônia durante a infância pode estar ligado ao desenvolvimento de ansiedade na vida adulta (25).

Existe um tipo de transtorno de ansiedade que está associado a ataques de pânico recorrentes, o transtorno do pânico. Os ataques de pânico produzem uma sensação intensa de medo que pode ser debilitante. É um medo extremo normalmente acompanhado por taquicardia, suor, tremores, falta de ar, aperto no peito, náuseas e medo de morrer ou perder o controle (30). Alguns sintomas incluem:

  • Sentir-se ansioso ou com medo das próximas situações sociais
  • Ficar preocupado com o julgamento dos outros
  • Sentir medo ou vergonha de ser humilhado na frente dos outros
  • Evitar certos eventos sociais por causa desses medos
  • Fobias de animais: medo de animais ou insetos específicos
  • Fobias de ambiente natural: medo de eventos naturais, como furacões ou inundações
  • Fobias de lesão por injeção de sangue : medo de sangue, injeções, agulhas ou ferimentos
  • Fobias situacionais: medo de certas situações, como um avião ou passeio de elevador

Sentir inquietação (necessidade de se movimentar frequentemente) na maioria dos dias por mais de seis meses pode ser um sinal de transtorno de ansiedade (9).

Ficar facilmente cansado é outro sintoma potencial de transtorno de ansiedade generalizada. Esse sintoma pode ser surpreendente, já que a ansiedade é comumente associada à hiperatividade ou à excitação. Mas, para algumas pessoas, a fadiga pode ocorrer após uma crise de ansiedade, enquanto para outras, a fadiga pode ser crônica.

Não está claro se essa fadiga se deve a outros sintomas comuns de ansiedade, como insônia ou tensão muscular, ou se pode estar relacionada aos efeitos hormonais da ansiedade crônica (10). No entanto, é importante observar que a fadiga também pode ser um sinal de depressão ou outras condições médicas, portanto, a fadiga por si só não é suficiente para diagnosticar um transtorno de ansiedade (11).

Outros estudos revelaram que a ansiedade pode afetar a memória de curto prazo, o que pode ajudar a explicar a redução no desempenho cognitivo (14, 15). No entanto, a dificuldade de concentração também pode ser um sintoma de outras condições médicas, como um transtorno de déficit de atenção ou depressão, portanto, não é evidência suficiente para diagnosticar um transtorno de ansiedade.

A maioria das pessoas com transtornos de ansiedade também apresenta irritabilidade excessiva. De acordo com um estudo realizado em mais de 6.000 adultos, mais de 90% das pessoas com transtorno de ansiedade generalizada relataram sentir-se altamente irritadas durante os períodos a ansiedade estava agravada.

Em comparação com as pessoas que apresentam preocupação no geral, os jovens adultos de meia-idade com transtorno de ansiedade generalizada relataram mais do que o dobro de irritabilidade em suas vidas diárias (17).

Dado que a ansiedade está associada a uma grande agitação e preocupação excessiva, não é de surpreender que a irritabilidade seja um sintoma comum.

Curiosamente, o tratamento da tensão muscular com terapia de relaxamento muscular demonstrou reduzir a preocupação em pessoas com transtorno de ansiedade generalizada. Alguns estudos até mostram que é tão eficaz quanto a terapia cognitivo-comportamental (18, 19).

Um estudo que acompanhou quase mil crianças ao longo de 20 anos descobriu que ter insônia na infância estava relacionado a um risco 60% maior de desenvolver um transtorno de ansiedade aos 26 anos. Embora a insônia e a ansiedade estejam fortemente relacionadas, não está claro se a insônia contribui para a ansiedade, se a ansiedade contribui para a insônia, ou ambos (27, 28). O que se sabe é que, quando o transtorno de ansiedade é tratado, a insônia também melhora (29).

Os ataques de pânico podem acontecer isoladamente, mas se ocorrerem com frequência e de forma inesperada, podem ser um sinal de transtorno do pânico.

Você também estar exibindo sinais de transtorno de ansiedade social se:

  • O transtorno de ansiedade social é muito comum. E a ansiedade social tende a se desenvolver cedo na vida. Na verdade, cerca de 50% daqueles que a têm são diagnosticados aos 11 anos, enquanto 80% são diagnosticados aos 20 anos (33).
  • Pessoas com ansiedade social podem parecer extremamente tímidas e quietas em grupos ou ao conhecer novas pessoas. Embora possam não aparentar estar angustiadas, elas sentem medo e ansiedade extremos.
  • Esse distanciamento às vezes pode fazer com que as pessoas com ansiedade social pareçam esnobes ou distantes, mas o transtorno está associado a baixa autoestima, alta autocrítica e depressão (34).
  • Medos extremos sobre coisas específicas, como aranhas, espaços fechados ou alturas, podem ser um sinal de fobia.
  • Uma fobia é definida como extrema ansiedade ou medo de um objeto ou situação específica. A sensação é forte o suficiente para interferir em sua capacidade de funcionar normalmente.

Algumas fobias comuns incluem:

  • Fobias de animais: medo de animais ou insetos específicos
  • Fobias de ambiente natural: medo de eventos naturais, como furacões ou inundações
  • Fobias de lesão por injeção: medo de sangue, injeções, agulhas ou ferimentos
  • Fobias situacionais: medo de certas situações, como estar em um avião ou andar de elevador

Agorafobia é outra fobia que envolve:

  • Medo de usar transporte público
  • Medo de estar em espaços abertos
  • Medo de estar em espaços fechados
  • Medo de ficar em fila ou no meio de uma multidão
  • Medo de estar fora de casa sozinho

De acordo o Ministério da Saúde, medicamentos receitados, psicoterapia ou a combinação de ambos podem melhorar os sintomas da ansiedade em algumas semanas. Mas também existem outras formas mais acessíveis que têm potencial de contribuir. Saiba mais sobre elas na matéria: "15 opções de remédio natural para ansiedade" e "Como controlar a ansiedade com 15 dicas".



Veja também:

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Saiba onde descartar seus resíduos

Encontre postos de reciclagem e doação mais próximos de você

Localização Minha localização
Não sabe seu CEP?

Newsletter

Receba nosso conteúdo em seu e-mail

Utilizamos cookies para oferecer uma melhor experiência de navegação. Ao navegar pelo site você concorda com o uso dos mesmos. Saiba mais ×