Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Considerado um material nobre, couro gera impactos ambientais que vão muito além da crueldade animal

Imagem de Robbie Noble em Unsplash

O couro é frequentemente descrito como um subproduto da indústria da carne. Embora isso aconteça em muitos casos, o couro também ajuda a tornar o abate de animais mais viável economicamente, pois o couro (pele) representa cerca de 10% do valor da vaca.

Provavelmente o tecido mais antigo usado pelos humanos, esta matéria-prima representa uma indústria global multibilionária. A demanda por artigos de couro está crescendo, quase na mesma proporção em que crescem as críticas ao seu severo impacto ambiental, que está despertando um grande interesse em alternativas sustentáveis.

É verdade que aproveitar as peles de animais abatidos para a carne fará com que elas não sejam desperdiçadas. O couro de peixe também está crescendo em popularidade porque aproveita a pele de peixe que geralmente vai para o lixo e é uma alternativa ao couro de réptil, que pode ameaçar espécies em extinção.

No entanto, muitos dos tipos mais luxuosos e exóticos vêm de animais que foram massacrados especificamente para a obtenção da pele. Isso inclui cobras e crocodilos, e até fetos de bezerros removidos do útero antes do nascimento.

Portanto, nem todo couro é igual nesse aspecto, e vale a pena fazer uma pesquisa sobre marcas “éticas” que são transparentes sobre a origem do produto, caso você esteja pensando em adquirir uma peça de couro.

O problema é que, na realidade, a produção de couro envolve muito mais do que somente a questão da crueldade e da exploração animal – embora esse aspecto esteja no cerne da escolha de veganos e vegetarianos de evitar a compra e o uso de roupas, cintos, carteiras e demais artigos de couro.

O luxo sai caro – para o bolso e para o planeta

Couro é um tecido natural produzido a partir da pele curtida de um animal. As vacas fornecem a maior parte deste material considerado nobre, enquanto cabras, porcos e ovelhas complementam isso para atender à demanda básica.

Do couro das vacas, a maioria é retirada daqueles que são abatidos para obter sua carne ou de vacas leiteiras que não produzem mais leite suficiente para se manterem lucrativas. O material mais “luxuoso” (isto é, macio e fino), no entanto, é fornecido por bezerros de vitela recém-nascidos e, às vezes, até bezerros por nascer retirados prematuramente do útero de suas mães.

Apesar da maior parte do couro ser obtido de animais abatidos para a produção de carne ou após a produção de leite, é um equívoco presumir que o material seja simplesmente um subproduto dessas indústrias.

Há uma importante interdependência econômica entre a pecuária industrial e o comércio de couro e, portanto, os fazendeiros não vendem cada parte de cada animal para minimizar o desperdício, mas para maximizar a receita e o lucro.

Por esse motivo, o tecido pode ser considerado um produto de origem animal. Na verdade, o couro é responsável por aproximadamente 10% do valor total do animal, tornando-o a parte mais valiosa, quilo por quilo. Por ser um material durável e flexível, a maior parte do couro é usada por razões práticas.

Há uma demanda crescente do mercado de couro exótico e luxuoso para outras peles – e puramente por razões estéticas. Em países onde as leis de proteção animal são imprecisas ou inexistentes, os animais são regularmente mortos, apesar de seus corpos oferecerem pouca ou nenhuma carne, e às vezes até quando estão em perigo ou ameaçados de extinção. Isso ocorre apenas por causa da demanda do consumidor, que cria incentivos financeiros para a indústria.

Na China, Índia e vários outros países em desenvolvimento, animais selvagens são caçados (muitas vezes ilegalmente) para obter suas peles. Isso inclui crocodilos, elefantes, lagartos, avestruzes, cobras, zebras e muitos outros.

Além disso, na China, o maior exportador mundial de couro, estima-se que dois milhões de gatos e cães sejam mortos por causa de suas peles, o que não pode ser detectado pelos consumidores em razão da falta de rotulagem ou da rotulagem incorreta.

Impactos ambientais da indústria do couro

O processo de curtimento de couro resulta em grave poluição da água, que é tóxica para o ambiente natural e para as pessoas que dependem do abastecimento de água e do ecossistema. A água residual saturada de cromo, que é tóxica e cancerígena, é liberada nos cursos de água e envenena o ecossistema.

Além disso, o couro muitas vezes é feito de pele de gado, e a indústria pecuária é responsável por cerca de 10 a 15% das emissões dos gases de efeito estufa provenientes da atividade humana. Para que o gado circule, as florestas são desmatadas.

Remover nossas árvores tem consequências significativas para o planeta, uma vez que muita terra é devastada para dar espaço para o gado circular livremente. Estima-se que cerca de 80% do desmatamento global se deva à agricultura, o que significa que muitos habitats de animais são destruídos.

A fabricação do couro exige muita água, sendo considerada uma das indústrias mais dependentes da água. Para se ter uma ideia, mais de 15.000 litros de água são necessários para obter apenas mil gramas de couro.

Criar animais para alimentação e couro requer grandes quantidades de ração, pastagens, água e combustíveis fósseis. Animais em fazendas industriais produzem 130 vezes mais excrementos do que toda a população humana, sem o benefício de estações de tratamento de dejetos.

A Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos (EPA) reconheceu até que a poluição do gado é a maior ameaça aos nossos cursos de água.

Embora alguns fabricantes de couro enganosamente promovam seus produtos como “ecológicos”, transformar a pele em couro também requer grandes quantidades de energia e produtos químicos perigosos, incluindo sais minerais, formaldeído, derivados de alcatrão de carvão e vários óleos, tintas e acabamentos, alguns deles à base de cianeto.

A maior parte do couro produzido nos EUA é curtido ao cromo e todos os resíduos que contêm cromo são considerados perigosos pela EPA.

O efluente do curtume também contém grandes quantidades de poluentes, como sal, lama de cal, sulfetos e ácidos. O processo de curtimento estabiliza as fibras de colágeno ou proteína da pele para que elas realmente parem de se biodegradar – caso contrário, o couro apodreceria dentro do seu armário.

As pessoas que trabalham e vivem perto de curtumes também sofrem. Muitos morrem de câncer possivelmente causado pela exposição a produtos químicos tóxicos usados ​​para processar e tingir o tecido. O Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos descobriu que a incidência de leucemia entre os residentes em uma área próxima a um curtume em Kentucky era cinco vezes maior que a média do país.

O arsênico, um produto químico comum em curtumes, há muito tempo é associado ao câncer de pulmão em trabalhadores expostos a ele regularmente. Estudos com trabalhadores de curtumes na Suécia e na Itália encontraram riscos de câncer “entre 20% e 50% acima do esperado”.

Além disso, a criação de animais cuja pele acaba se transformando em couro requer grandes quantidades de água e grandes extensões de pastagens, que devem ser limpas de árvores. Na verdade, na última metade do século, 70% da floresta amazônica foi desmatada para dar lugar a pastagens ou ao cultivo de rações, segundo a organização PETA.

Este desmatamento em massa causa a perda de habitat para milhões de espécies, elimina a copa das árvores da Terra e impulsiona a mudança climática. A pecuária e seus produtos, ricos em metano e óxido nitroso, são os principais contribuintes para as mudanças climáticas. Globalmente, a pecuária é responsável por mais gases de efeito estufa do que todos os sistemas de transporte do mundo juntos.

O escoamento de confinamentos e fazendas leiteiras também cria uma importante fonte de poluição da água. O couro tem o maior impacto na eutrofização, um sério problema ecológico em que os resíduos do escoamento criam um crescimento excessivo da vida das plantas nos sistemas de água, que sufoca os animais ao esgotar os níveis de oxigênio na água e é a principal causa de zonas de hipóxia, também conhecidas como “mortos zonas. ” A EPA confirma que as fazendas industriais são responsáveis ​​por 70% da poluição da água nos EUA.

Existe um tipo de couro “melhor”?

Você pode ser mais ético comprando peças em brechós ou mesmo couro reciclado. Se você deseja adquirir artigos genuínos, procure por marcas que buscam reduzir a contaminação química causada durante o processo de curtume e com certificação Fairtrade, que contribuem para melhores condições para os trabalhadores.

Outra alternativa são os tecidos que imitam o couro, popularmente chamados de couro vegano, ecológico ou sintético. Os tecidos de couro vegano são semelhantes em aparência e propriedades ao couro animal. Esses tecidos costumam ser feitos de microfibras, poliuretano (PU), cloreto de polivinila (PVC) e outros materiais sintéticos.

O Greenpeace classifica o PVC como um dos materiais mais prejudiciais ao meio ambiente entre todos os plásticos – então, pode ser melhor evitar esse tipo de peça. A boa notícia é que produtos semelhantes ao couro feitos de fibras sustentáveis já ​​começaram a entrar em cena.

Algumas das imitações de couro veganas mais sustentáveis e promissoras incluem piñatex (feito de fibras de folhas de abacaxi);  algodão orgânico encerado; couro folha; cortiça; cacto; sobras da produção de vinho; borracha reciclada; cogumelo; coco e maçã. Para saber mais, confira a matéria O que é couro ecológico?.


Fontes: One Green Planet, Science Direct, PETA, Common Objetive, Faunalytics Tortoise and Lady Grey 


Veja também: