Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Pesquisadores da North Carolina State University desenvolveram um filtro de tecido capaz de remover o dióxido de carbono do ar a taxas promissoras. O filtro combina tecido de algodão e uma enzima chamada anidrase carbônica – encontrada naturalmente no ambiente.

O objetivo é que o tecido seja capaz de reduzir as emissões de de dióxido de carbono direto das principais fontes poluidoras como usinas de energia de biomassa, carvão ou gás natural. 

De acordo com o principal autor do estudo, Jialong Shen, a principal vantagem desse método, em comparação a soluções existentes, é que ele pode ser facilmente aplicado usando instalações tradicionais de fabricação têxtil.

A anidrase carbônica, que ocorre naturalmente, é a peça chave capaz de acelerar uma reação na qual o dióxido de carbono e a água se transformarão em bicarbonato de sódio. No corpo humano, a enzima ajuda a transportar o dióxido de carbono para que possa ser expelido.

“Pegamos emprestada essa enzima maravilhosa em nosso processo para acelerar a absorção de dióxido de carbono em uma solução aquosa”, diz Shen ao jornal Futurity.

Para criar o filtro têxtil, os pesquisadores anexaram a enzima a um tecido de algodão de duas camadas mergulhando o tecido em uma solução contendo um material chamado quitosana, que age como uma cola. A quitosana prende fisicamente a enzima, fazendo com que ela grude no tecido.

Em seguida, foram feitos testes simulando níveis de dióxido de carbono emitidos por usinas de energia. Quando o ar passava no filtro a uma taxa de 4 litros por minuto, era possível remover 52,3% do dióxido de carbono com um filtro de camada única e 81,7% com uma camada dupla. 

Em contrapartida, uma operação em grande escala precisaria processar mais de 10 milhões de litros de gás de combustão por minuto. Por isso os pesquisadores estão trabalhando com colaboradores para testar em maior escala e comparar sua tecnologia com outras tecnologias comparáveis ​​em estudo.

“É uma história ainda em andamento, mas obtivemos alguns resultados iniciais realmente empolgantes”, diz a coautora Sonja Salmon, professora associada de engenharia têxtil, química e ciência, ao Futurity. “Fizemos um progresso muito significativo.”

Além de testar as taxas de captura de carbono dos filtros, eles também testaram o desempenho do filtro após cinco ciclos de lavagem, secagem e armazenamento. Eles descobriram que poderia manter um alto nível de desempenho.

“A enzima pode ser mantida a uma temperatura mais baixa por muito tempo e será durável”, diz Shen. “O tecido fornece suporte físico e estrutura para ele, ao mesmo tempo em que fornece uma grande área de superfície para que ele reaja com o dióxido de carbono.”

Os cientistas também estão buscando uma solução para o rejeito do processo. A ideia é conseguir transformar o bicarbonato de sódio novamente em dióxido de carbono e armazená-lo ou utilizá-lo para outros fins comerciais.