Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Mel é vegano? Diversas pessoas entram em um dilema a respeito dessa questão, entenda se existe exploração animal na produção do mel

Mel é vegano? Essa é uma pergunta válida que tem sido feita com frequência. A comunidade vegana tem como principal objetivo não se alimentar de nenhum produto que provenha de exploração animal. O mel, apesar de não derivar dos animais mais comuns, como vacas e frangos, provém da produção de insetos, mais especificamente, a abelha.

Por isso, existe o grande dilema entre indivíduos veganos, a questão se o mel é vegano ou não. Algumas pessoas defendem que sim, enquanto outras defendem que não e preferem se abster do consumo. A opinião sobre o assunto costuma ser algo subjetivo, que depende do que o indivíduo acha correto ou errado. 

O que é mel e da onde ele vem?

Para entender melhor a questão se o mel é vegano, é preciso começar do básico. O mel é uma fonte de energia para as abelhas, produzida para que elas não passem fome. Esse produto gera os nutrientes necessários para o inseto em estações como o inverno.  

A abelha responsável por trazer o mel para a colmeia visita pelo menos 1500 flores, com o intuito de encher o estômago de néctar. As enzimas desse estômago trabalham para quebrar esse néctar e transformá-lo em mel. Ao retornarem à colmeia, as abelhas regurgitam a substância para as abelhas da casa terminarem o processo de produzir o mel. 

O processo de produção do mel utiliza a mão de obra de todas as abelhas da colmeia. Cada uma delas trabalha coletivamente para obter o produto final, o mel. Uma abelha produz apenas um décimo de uma colher de mel em toda sua vida. O que significa, que a produção dessa substância é essencial para a saúde da colmeia. 

É preciso lembrar que nem toda a abelha produz mel. Existem milhares de espécies desses insetos no mundo todo, e elas são responsáveis por polinizar diversos tipos de plantas. No entanto, são poucas as espécies que produzem mel. Desta forma, é essencial que as abelhas sejam preservadas, pois elas são um ponto crucial para a manutenção da flora terrestre. Por polinizar 70% da produção de  alimentos, sua extinção também coloca a sobrevivência humana em risco. 

Veganos consomem mel?

Essa é a grande dúvida. O mel é vegano? Se sim, como? E se não, porquê? Bom, na verdade, alguns veganos consomem mel e outros não. Aqueles que optam por não consumir afirmam que, mesmo que as abelhas não sejam sacrificadas para a produção de mel, existe certa exploração animal em sua indústria. 

Abuso animal contra abelhas 

Para saber se o mel é vegano, é preciso entender que as abelhas são criadas, compradas e vendidas para a produção do alimento. Um estudo realizado em 2016, mostrou que como impacto da migração comercial desses insetos, as abelhas adultas vivem menos e apresentam sinais de estresse psicológico. 

Sem falar nas diversas mortes que são causadas durante a extração de mel. Até mesmo o movimento mais calmo e gentil ao retirar o produto das colmeias pode acabar machucando ou matando uma abelha. Alguns apicultores chegam a matar a rainha ou colmeias inteiras depois que a época de mel passa e o inverno chega, isso porque é mais barato começar com uma colmeia nova do que manter uma durante todo o inverno. 

Distúrbio do colapso das colônias 

A humanidade começou a se preocupar com as abelhas quando elas passaram a desaparecer ou morrer em meados de 2006, na época, sem motivo aparente. Porém, alguns estudos mostraram que esses insetos estavam sumindo devido a sua imunidade, que estava baixando e causando mortes em massa.

Os responsáveis pelas mortes das abelhas eram ninguém menos que os humanos. Afinal, ao retirarem o mel da colmeia, os apicultores estavam substituindo o alimento com xarope de milho processado industrialmente. Apesar de ter certos nutrientes benéficos ao animal, o xarope não era tão completo quanto o mel. O que fez com que a imunidade dos insetos caísse, e surgisse o distúrbio do colapso das colônias.

É por isso que surge o debate a respeito se o mel é vegano ou não. Com o objetivo de evitar alimentos de exploração animal, uma pessoa vegana teoricamente não poderia consumir mel. Já que existe sim exploração das abelhas no processo de produção do alimento.

Desta forma, alguns indivíduos que optam pelo estilo de vida vegano acabam cortando completamente o mel de sua dieta. Porém, existe um pequeno grupo de pessoas que acredita que não faz sentido parar com o consumo de mel, sendo vegano. 

Isso acontece porque, esses indivíduos acreditam que se for preciso parar o consumo de mel seria também necessário cortar o de abacates, melão, kiwi e amêndoas. Já que a produção dessas frutas requer polinização de abelhas, geralmente em regiões que precisam de migração desses insetos. Fazendo com que os animais passem por exploração pelo trabalho em contato com agrotóxicos e as alterações genéticas praticadas neles.

Desta forma, existem veganos que optam por não excluir o mel da dieta. Já que excluí-lo também acarretaria em tirar outros alimentos importantes de suas refeições. 

Existe uma produção mais amigável?

A resposta é sim. O mel produzido em pequena escala, geralmente por pequenos produtores, é extraído da colmeia apenas na primavera. Essa é a época do ano em que as abelhas já se alimentaram de todo o mel que precisavam durante o inverno, e os produtores aproveitam apenas o que restou para a venda.

Essa pequena indústria de mel, feita geralmente por agricultores familiares, ajuda a manter a imunidade das abelhas. Já que mantém o mel intacto durante o inverno. Ao mesmo tempo, ela também reduz os casos de distúrbio do colapso das colônias e aumenta a biodiversidade.

Opções alternativas para o mel

A resposta para “mel é vegano?” é algo que depende da opinião pessoal. Levando em consideração o lado teórico, o mel não seria vegano. Porém, essa é uma decisão que deve ser tomada pelo consumidor e os seus ideais. Se você chegou até aqui e decidiu que prefere cortar o mel de sua dieta, então agora é preciso tomar decisões sobre como substituí-lo. Confira a seguir alguns bons substitutos para o alimento:

Néctar de Agave 

Um pouco mais doce do que o mel, o néctar de Agave vem da planta do agave azul. Ele proporciona uma doçura mais neutra, com 70% de frutose e 25% de glicose e é um ótimo realçador de sabor. 

Xarope orgânico de arroz integral

Esse produto é produzido a partir do arroz integral fermentado. Ele costuma servir como um substituto para o açúcar, para pessoas que pretendem ou querem diminuir o consumo. O xarope orgânico de arroz integral é considerado um adoçante natural pois contém baixo teor de frutose. 

Melaço

O melaço é produzido a partir da cana de açúcar e costuma ser muito usado na fruticultura. Ele surge da evaporação da água no processo de extração do açúcar, como um tipo de mel final da produção do adoçante. Ou seja, açúcares não cristalizados. O melaço é rico em potássio, cálcio, ferro, manganês, proteínas e outros nutrientes essenciais para o corpo humano. 

Xarope de Bordo ou Maple Syrup

O xarope de bordo, ou como é mais conhecido, maple syrup, é um adoçante natural feito a partir da seiva da árvore de bordo. Para a sua produção, a seiva da árvore é fervida e a água evaporada, deixando apenas um xarope espesso e açucarado. Ao final, ele é filtrado para remover impurezas. O xarope também tem uma grande variedade de nutrientes essenciais para a dieta humana.