Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Combustíveis fósseis são fontes de energia formadas há milhares de anos a partir de restos de animais e vegetais

Combustíveis fósseis” é a denominação dada a um grande grupo de combustíveis não renováveis e que foram formados há milhares de anos a partir de restos de animais e vegetais. Esses recursos têm um papel importante na sociedade, já que representam mais de 75% da demanda energética mundial, sendo utilizados em veículos, indústrias e residências. Estão incluídos nessas fontes o carvão mineral, gás natural, petróleo e seus derivados, como óleo diesel e gasolina.

Tipos de combustíveis fósseis

Petróleo

O petróleo é uma mistura de moléculas de carbono e hidrogênio que tem origem na decomposição de matéria orgânica, formada por meio da ação de bactérias em ambientes com pouco oxigênio. Ao longo de milhões de anos, esse material se acumulou no fundo de oceanos, mares e lagos e, ao ser pressionado pelos movimentos da crosta terrestre, deu origem à substância que chamamos de petróleo.

Esse material é encontrado em bacias sedimentares específicas, formadas por camadas ou lençóis porosos de areia, arenitos ou calcários. O petróleo é o combustível fóssil mais utilizado porque o seu refinamento origina várias frações ou misturas de compostos orgânicos com quantidades próximas de carbono, compondo os derivados do petróleo.

Gás natural

O gás natural é um combustível fóssil constituído principalmente por metano. As principais fontes desse tipo de recurso são jazidas de petróleo. Ele serve de matéria-prima para fabricação de plásticos, síntese de compostos orgânicos, além de ser utilizado como combustível.

A queima de gás natural, se comparada com a de outros combustíveis fósseis, provoca menos danos à atmosfera. No entanto, esse recurso apresenta problemas para ser transportado e estocado.

Carvão

Existem dois tipos de carvão, o mineral e o natural. Ambos são originados a partir da fossilização da madeira, sendo formados por substâncias ricas em carbono. O carvão mineral pode ser dividido em quatro categorias principais, porém o mais utilizado é a hulha – formada por 80% de carbono.

A hulha é usada como combustível e na iluminação de ruas. Além disso, é matéria-prima para fabricação de compostos aromáticos, empregados na fabricação de plásticos, produtos de limpeza, tintas e medicamentos.

Combustíveis fósseis no Brasil

Combustíveis fósseis
Imagem de Grant Durr no Unsplash

Apesar de ser considerada uma das mais renováveis do mundo, a matriz energética brasileira ainda utiliza grande quantidade de combustíveis fósseis, como o petróleo e o carvão mineral. Por possuir uma das maiores reservas de petróleo do mundo – o pré-sal -, o país se tornou um dos maiores exportadores do combustível e atraiu diversos investidores para esse setor.

Segundo dados da Brown to Green, o Brasil superou a média dos países que pertencem ao G20 de subsídios destinados ao uso de combustíveis fósseis. Só no ano de 2016, foram designados cerca de US$ 16,2 bilhões a essa fonte de energia. Além disso, o governo brasileiro também manteve fixos os valores de importância e revenda da gasolina, do diesel, da querosene e do gás natural.

Impactos causados pelos combustíveis fósseis

A queima de combustíveis fósseis pode causar graves danos ao meio ambiente e à saúde humana. Ela está relacionada a diversos problemas respiratórios causados pela emissão de poluentes atmosféricos, como o monóxido de carbono. Além disso, o processo de combustão de combustíveis fósseis também leva à emissão de dióxido de enxofre e de óxidos de nitrogênio, contribuintes da chuva ácida.

Outro impacto negativo do uso de combustíveis fósseis para o meio ambiente é a intensificação do efeito estufa e, consequentemente, do aquecimento global. Isso acontece devido à emissão de gases do efeito estufa na atmosfera, como dióxido de carbono. Além dos poluentes primários, o consumo desses recursos pode dar origem a poluentes secundários, que se formam a partir de reações dos poluentes primários.

Um exemplo de poluente secundário é o ozônio. Ele ocorre naturalmente na estratosfera, camada da atmosfera localizada entre 15 e 50 km de altitude, onde a camada de ozônio desempenha a função de impedir a passagem de parte da radiação ultravioleta. O ozônio também pode surgir na troposfera, a camada mais baixa da atmosfera, através de reações químicas entre o dióxido de nitrogênio e compostos orgânicos voláteis sob a ação de radiação solar. Uma das origens dos poluentes que formam o ozônio troposférico é a queima de combustíveis fósseis. O ozônio troposférico pode causar problemas respiratórios e cardiovasculares.

Acordos internacionais

Um estudo realizado por pesquisadores da Universidade Harvard mostrou que a poluição do ar decorrente de combustíveis fósseis foi responsável por mais de oito milhões de mortes em todo o mundo em 2018. Nesse sentido, os impactos causados pela queima de combustíveis fósseis têm sido alvo de discussões em diversas conferências ambientais. Com isso, inúmeros acordos já foram estabelecidos para diminuir as emissões de poluentes atmosféricos, como o Protocolo de Kyoto e o Acordo de Paris. Assim, é preciso que haja a substituição dos combustíveis fósseis por fontes de energia limpas e renováveis.

Fechamento de usinas de combustíveis fósseis

A descarbonização da produção de eletricidade dos Estados Unidos exige a construção de fontes de energia renováveis e a retirada de usinas que continuam operando com combustíveis fósseis.

Um modelo de nível de gerador descrito em uma edição da revista Science sugere que a maioria das usinas de combustível fóssil poderia completar a expectativa de vida normal e ainda fechar em 2035 porque muitas instalações estão chegando ao fim de suas vidas operacionais.

No entanto, um estudo realizado pelo Instituto de Tecnologia da Geórgia afirma que cumprir o prazo de 2035 para descarbonizar a produção de eletricidade dos Estados Unidos, conforme proposto pela nova administração presidencial do país, eliminaria apenas 15% dos anos de capacidade restantes em usinas movidas a combustíveis fósseis.

Como a expectativa de vida típica é média, alguns geradores operam por mais tempo do que o esperado. Permitir que as instalações funcionem até a aposentadoria é provavelmente insuficiente para o prazo de descarbonização de 2035, observa o artigo.

Por isso, deve-se usar o prazo de descarbonização de 2035 para orientar um planejamento explícito e baseado na comunidade sobre o que fazer a seguir, mesmo sem muito apoio financeiro.

O planejamento com antecedência também ajudará a evitar a criação de novos investimentos de capital onde eles podem não ser necessários a longo prazo. Dessa maneira, pesquisadores concluem que não se deve construir novas usinas de combustível fóssil que ainda sejam jovens em 2035, mas sim ter planos explícitos de fechamento tanto para garantir que o sistema continue funcionando quanto para limitar a interrupção das comunidades anfitriãs.

Políticas subjacentes que regem a aposentadoria de instalações movidas a combustíveis fósseis é o conceito de uma “transição justa” que garante bem-estar material e justiça distributiva para indivíduos e comunidades afetadas por uma substituição de sistemas de eletricidade fósseis para não fósseis.