Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Alergia é comum e costuma ser inofensiva, mas incomoda! Aprenda a prevenir e aliviar os sintomas

Imagem de Mojca Jan em Pixabay

A alergia é uma resposta do sistema imunológico a uma substância estranha, como pólen, veneno de abelha, pelos de animais ou mesmo alimentos que não causam reação na maioria das pessoas. Esses elementos estranhos são chamados de alérgenos e podem causar uma série de reações diferentes, dependendo da alergia. Os mais comuns incluem espirros, inflamações, problemas de pele e inchaço em uma ou mais regiões do corpo.

O sistema imunológico normalmente se ajusta ao ambiente. Por exemplo, se você não tem alergia a pelos de animais, seu corpo reconhece que aquela substância é inofensiva. No entanto, em pessoas que apresentam esse tipo específico de alergia, o sistema imunológico percebe o pelo como um invasor externo, uma ameaça ao corpo, e trabalha para combatê-lo.

Assim, o corpo produz anticorpos que liberam uma série de substâncias químicas, como a histamina, e é aí que podem acontecer os sintomas típicos da alergia. Por isso, medicamentos conhecidos como anti-histamínicos são velhos conhecidos de quem é alérgico.

Embora seja um dos problemas de saúde crônicos mais comuns entre as pessoas, atingindo indivíduos de qualquer idade em todas as partes do mundo, a alergia pode comprometer muito o bem-estar e, às vezes, exige tratamentos específicos para minimizar os efeitos.

A gravidade das alergias varia de pessoa para pessoa e pode provocar desde uma pequena irritação até anafilaxia, uma emergência potencialmente fatal. Embora a maioria delas não possa ser curada, alguns hábitos podem ajudar a aliviar os sintomas.

Sintomas comuns

Os sintomas dependem da substância envolvida e podem afetar as vias respiratórias, os seios da face e as passagens nasais, a pele e o sistema digestivo. As reações alérgicas variam de leves a severas.

Uma das alergias mais comuns no Brasil, especialmente nas grandes cidades, que são particularmente afetadas pela poluição do ar, é a rinite alérgica, que causa espirros, comichão no nariz, olhos ou céu da boca, coriza e irritação nos olhos. Já alergias alimentares podem provocar formigamento na boca, inchaço nos lábios, língua, rosto e garganta e urticária.

Uma alergia a picada de inseto pode causar inchaço no local da picada, coceira, urticária, tosse aperto no peito, respiração ofegante ou falta de ar. Se seu organismo reage a medicamentos, os sintomas mais comuns serão urticária, comichão na pele, erupção cutânea e edema facial. Por sua vez, a dermatite atópica, uma doença alérgica da pele também conhecida como eczema, pode fazer com que a pele apresente coceira intensa, vermelhidão e formação de cascas.

Em casos graves, diversos tipos de alergia podem desencadear uma reação potencialmente fatal conhecida como anafilaxia. Se você notar um dos sintomas abaixo, procure imediatamente orientação médica:

  • Perda de consciência
  • Uma queda na pressão arterial
  • Grave falta de ar
  • Erupção cutânea
  • Tontura
  • Um pulso rápido e fraco
  • Náusea e vômito

Os principais causadores de alergia

  • Produtos de origem animal, incluindo pelos, resíduos de ácaros e baratas
  • Drogas, sobretudo a penicilina e a sulfa
  • Alimentos (trigo, nozes, leite, frutos do mar, glúten e ovo são gatilhos comuns)
  • Picadas de insetos, como abelhas, vespas, mosquitos e pernilongos
  • Mofo, provocado por esporos de fungos transportados pelo ar
  • Plantas, ervas daninhas e árvores, bem como resina de plantas, como a hera venenosa e o carvalho venenoso;
  • Látex e níquel

O pólen também causa alergias. Quem sofre com isso, em determinadas épocas do ano, chamadas de estação do pólen, sente a irritação se agravar. Com o passar dos anos, os alérgicos dessa categoria estão sofrendo cada vez mais. Cientistas investigaram a estação do pólen durante 30 anos e descobriram que certas espécies, como arbustos, adiantaram o início de suas estações de transporte de pólen devido às mudanças climáticas. Nesse cenário, ainda são necessárias pesquisas para entender como lidar com essas questões no futuro.

Além das mudanças climáticas, o aumento da urbanização também tem afetado gerações de acordo com a teoria da higiene. Essa teoria relaciona o aumento da susceptibilidade de doenças alérgicas a pessoas que não foram expostas durante a infância a agentes patogênicos, como os micro-organismos ou parasitas, deixando-as, então, propensas a desenvolverem alergias.

Nesse sentido, o aumento da urbanização tem impedido o importante contato com ambientes naturais. Durante a pandemia de COVID-19, por exemplo, o isolamento levantou preocupações por parte de especialistas, pois muitas crianças passaram muito tempo em confinamento, sem contato social e limitadas a algumas atividades. A hipótese é que tudo isso se reflita em um grupo de “jovens pandêmicos” que sofrerão com taxas acima da média de alergias e doenças auto-imunes.

Fatores de risco

Você pode ter maior probabilidade de desenvolver uma alergia se:

  • Tiver histórico familiar de alergias respiratórias, como asma e rinite, ou de pele, como urticária e eczema
  • For criança
  • Tiver asma ou outra condição alérgica

Prevenindo os sintomas

Não há como prevenir alergias, mas existem maneiras de evitar que os sintomas apareçam. A melhor maneira é ficar longe dos alérgenos que os desencadeiam.

Se você é alérgico à poeira, por exemplo, instalar filtros e purificadores de ar em casa pode ajudar, bem como faxinas regulares. Já se você é alérgico a determinados alimentos, verifique sempre o rótulo dos produtos que consome para garantir sua segurança. Para os alérgicos a glúten, uma boa opção pode ser a dieta sem glúten.

Testes adequados, como o de IgE específica, podem ajudá-lo a identificar melhor os seus gatilhos, tornando mais fácil evitar a reação alérgica.

Remédios naturais

Muitos remédios e suplementos naturais são comercializados como tratamento e até mesmo como forma de prevenir alergias. Mas é muito importante ter cautela e procurar orientação profissional antes de iniciar um tratamento natural, porque determinados produtos podem conter potenciais alérgenos e piorar os sintomas, em vez de aliviá-los. Chás e óleos essenciais, por exemplo, são feitos à base de plantas que podem desencadear sintomas de alergia.

Cada tipo de alergia tem uma série de remédios naturais que podem ajudar a acelerar a recuperação. Também existem opções naturais para as alergias infantis. Faça uma pesquisa aprofundada e consulte especialistas para ajudá-lo a escolher o tratamento ideal para a sua alergia.

Por fim, um estudo identificou novas respostas naturais para alergias. O processo é impulsionado por uma proteína do corpo chamada neuritina. De acordo com especialistas, a neuritina suprime a formação de células que produzem anticorpos prejudiciais. Isso pode ser mais do que um novo medicamento – pode ser uma abordagem completamente nova para tratar alergias.



Veja também: