Fazer limpeza com produtos químicos é tão nocivo quanto fumar 20 cigarros por dia, diz estudo

eCycle

Pesquisa analisou 6230 homens e mulheres ao longo de 20 anos e constatou danos pulmonares decorrentes do uso de produtos de limpeza

Produto de limpeza em spray faz mal ao pulmão

O uso de produtos de limpeza em spray representa um risco para a saúde e, no caso do pulmão, pode causar tanto dado quanto fumar 20 cigarros por dia ao longo de 10 a 20 anos. Essa foi a conclusão de uma pesquisa da Universidade de Bergen, na Noruega, divulgada esse mês.

Os pesquisadores, liderados pela professora Cecilie Svanes, acompanharam um grupo de 6230 pessoas ao longo de 20 anos, comparando os impactos à saúde provocados pelos sprays de limpeza aos danos de fumar diariamente. A maior parte do grupo (53%) era composto por mulheres e a média de idade no início do estudo era de 34 anos. 44% dos entrevistados eram não fumantes e a média de consumo dos fumantes era de 7 cigarros por dia.

Os resultados, publicados no periódico Society's American Journal of Respiratory and Critical Care Medicine, da Sociedade Americana do Tórax, mostram que o volume de ar que a pessoa é capaz de expirar em um segundo diminuiu 3.6 ml ao ano nas mulheres que faziam faxina em casa e 3.9 ml/ano nas que trabalhavam como faxineiras.

Além disso, o total de ar que a pessoa pode exalar fazendo força diminuiu 4.3 ml/ano nas participantes que faziam faxina em casa com frequência e 7.1 ml/ano nas que faziam limpeza profissionalmente.

Desta forma, os pesquisadores chegaram à conclusão que o uso prolongado desses itens durante a faxina leva à inalação de substâncias químicas que detonam o organismo tanto quanto fumar 20 cigarros por dia, ao longo de 10 a 20 anos, já que foi constatada uma perda muito rápida da função pulmonar.

"Foi visível a taxa de declínio da função pulmonar com o passar dos anos", disse a professora Cecile Svanes, do Instituto de Medicina da Universidade de Bergen e principal autora do estudo.

Entre os participantes, 1.512 homens disseram que nunca limparam a casa, enquanto apenas 197 mulheres responderam o mesmo. 1363 homens e 2808 mulheres limpavam a casa com frequência e 57 homens e 293 mulheres trabalhavam com serviços de limpeza e faxina. Por conta desses números, as conclusões do estudo foram mais relevantes dentro do grupo das mulheres.

Mas a pesquisa também mostrou que os homens que fazem faxina, tanto em casa quanto no trabalho, também apresentaram este declínio da capacidade pulmonar, ainda que os números sejam bem menores do que no grupo das mulheres.

Segundo os autores da pesquisa, as vias respiratórias acabam sendo prejudicadas por conta das partículas químicas transmitidas pelos produtos de limpeza. "Não é de se surpreender, já que essas pessoas estão inalando pequenas partículas de produtos que foram feitos para limpar o chão e não para limpar o pulmão", declarou Svanes.

A professora explica que já existem muitas evidências de que os produtos de limpeza podem provocar asma em um curto período de tempo, mas ainda faltam estudos sobre os potenciais danos a longo prazo. Segundo Svanes, muitos dos agentes químicos presentes nos produtos de limpeza tradicionais são desnecessários e os órgãos regulatórios de saúde pública deveriam encorajar os fabricantes a produzirem produtos com ingredientes que possam ser inalados.

Alternativas naturais

Existem várias fórmulas naturais capazes de substituir os produtos de limpeza comerciais - e que são tão eficientes quanto e muito mais econômicas. Produtos de limpeza caseiros podem ser feitos com itens como bicarbonato de sódio, vinagre, sal, limão e álcool, dentre outros. Saiba mais nas matérias:

Confira o vídeo do canal do Portal eCycle no YouTube em que ensinamos como fazer um produto de limpeza natural e caseiro, sem químicos nocivos e sem riscos para o seu pulmão:



Veja também:

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Saiba onde descartar seus resíduos

Encontre postos de reciclagem e doação mais próximos de você

Localização Minha localização
Não sabe seu CEP?

Newsletter

Receba nosso conteúdo em seu e-mail