Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Ciclo da água é originado pelo calor do sol e pela gravidade. Entenda

Imagem de Angel Santos em Unsplash

O ciclo da água, ou ciclo hidrológico, é o processo pelo qual a água se transporta pelo planeta. Esse transporte se dá de maneira contínua e depende basicamente da força da gravidade e da energia solar, que proporciona mudanças no estado físico da água.

Ciclo da água

A energia do sol é a grande propulsora do ciclo da água. Ao prover luz e calor ao planeta Terra, a energia solar aquece e evapora parte da água que está presente na superfície de rios, lagos, oceanos, folhagens das plantas e do corpo de pessoas e animais.

O vapor torna o ar úmido e este é menos denso que o ar seco, por isso sobe, levando as moléculas de água pelo vento.

As moléculas de água são carregadas pelos ventos para lugares cada vez mais altos e mais longes. Em grandes altitudes, as moléculas de água começam a se aglutinar, formando gotículas. Estas também se agrupam cada vez mais, formando nuvens. As nuvens se mantêm no céu até o momento em que as gotas começam a se tornar pesadas demais para se sustentar na atmosfera. Uma vez pesadas demais, as gotas começam a cair e, dependendo das condições do tempo, podem cair como pedras de gelo (granizo), cristais (neve) ou como gotas de chuva.

No ciclo da água, a chuva cai no mar ou na terra. Ao atingir o solo permeável, parte da água que se infiltra é absorvida pelas raízes das plantas. Outra parte da água continua escoando solo adentro alimentando os lençóis freáticos, dos quais também captamos água para nosso sustento. Para saber como captar água da chuva, acesse as matérias: “Captação de água da chuva: conheça as vantagens e e cuidados necessários para o uso da cisterna“, “Cisterna: entenda como funciona e quais seus benefícios” e “Sistema de captação de água de chuva prático, bonito e econômico“.

Os lençóis freáticos podem aflorar na superfície e dar origem a filetes de água, riachos e rios, formando o seu caminho para chegar ao mar. Ao cair sobre as cidades e outros locais com capacidade reduzida de absorver a água, ela acaba escorrendo pela superfície, podendo causar grandes enxurradas e inundações. Mas também alimentando córregos, ribeirões e rios.

O tempo todo, em todo lugar, esse movimento se repete indefinidamente, alimentado pela energia do sol, e se caracteriza como ciclo hidrológico. Para ver um resumo do ciclo da água assista ao vídeo da Agencia Nacional da Águas:

Ciclo hidrológico em detalhes

Não se sabe, ao certo, de onde surgiu a água presente no planeta Terra. Algumas teorias afirmam que a água teria se formado junto com a Terra ou em seu interior e depois foi expelida pelos vulcões em forma de vapor ao longo de bilhões de anos. Mas a explicação mais aceita atualmente defende que cometas e asteroides – que têm água na sua constituição – bombardearam nosso planeta e deixaram esse elemento na sua superfície. O acúmulo se configurou com o passar do tempo e após uma grande sequência desses episódios.

Praticamente 3/4 da superfície do planeta é coberto por água. Apenas 3% da água que existe na Terra é doce. Desses 3%, 79% está sob a forma de gelo. Ao que se sabe, não existe outro planeta capaz de armazenar água no estado líquido em grandes quantidades.

Entender como funciona o ciclo da água é importante para sabermos como fazer o uso inteligente desse recurso natural.

O ciclo da água é o ciclo mais ativo na superfície terrestre e o mais capaz de alterar a paisagem, seja pela modulação das rochas, alteração de percursos, entre outros. Os movimentos terrestres fazem com que algumas partes do planeta recebam mais energia solar que outras, o que também influência o ciclo hidrológico.

A água que cai da chuva infiltra e percola (passagem lenta de um líquido através de um meio) no solo ou nas rochas, podendo formar aquíferos, ressurgir na superfície na forma de nascentes, fontes, pântanos, ou alimentar rios e lagos. Mas ela também pode escoar pela superfície, nos casos em que a precipitação é maior do que a capacidade de absorção do solo.

A água pode evaporar retornando à atmosfera ou congelar formando as camadas de gelo nos cumes de montanha e geleiras.

Apesar de diferenciarmos água superficial, subterrânea e atmosférica, é importante salientar que, na realidade, a água é uma só, mudando apenas o seu estado físico. A água que precipita na forma de chuva, neve ou granizo, já esteve no subsolo, em icebergs, passou pelos rios, oceanos e talvez até mesmo dentro de nossos corpos.

Quando se fala em “crise hídrica” ou falta de água, é em relação à sua disponibilidade em sua forma potável e líquida, que pode variar. Para entender mais profundamente como o ciclo da água ocorre, assista ao vídeo do Stoodi:

Impactos humanos no ciclo da água

Um estudo realizado pela Brown University revelou que, embora os reservatórios gerenciados por humanos representem apenas uma pequena porcentagem de todos os corpos d’água, eles respondem por 57% do total das mudanças sazonais de armazenamento de água.

Assim, os dados obtidos mostram que os humanos são responsáveis ​​pela maior parte da variabilidade sazonal do armazenamento da água de superfície na Terra. Além disso, esse estudo forneceu uma linha de base crítica para rastrear o ciclo hidrológico global à medida que as mudanças climáticas e o crescimento populacional colocam novos estresses nos recursos de água doce.



Veja também: