Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Estratégia mental inconsciente, paradoxo da carne diminui a culpa envolvida no consumo de animais sencientes

O paradoxo da carne é uma estratégia mental inconsciente que livra da culpa os consumidores de carne que dizem amar os animais. Algumas pessoas não têm empatia pelos animais; entretanto, muitos consumidores que dizem amá-los se alimentam de carne e outros derivados que envolvem sofrimento, como leite e queijo. Mas por que isso acontece?  

Uma nova revisão da literatura feita por pesquisadores do Reino Unido do Societies Research Hub da Anglia Ruskin University (ARU) e da Nottingham Trent University, liderada por Sarah Gradidge, explora esse “paradoxo da carne” – comer carne e “amar” os animais ao mesmo tempo.

Aproximadamente  90-97% da humanidade consome carne, e a tendência é que esse número aumente. No entanto, a maioria das pessoas está preocupada, pelo menos até certo ponto, com o bem-estar animal. Na verdade, pesquisas mostram que muitos tendem a ter mais empatia com os cães do que com outros adultos.

Os pesquisadores reconhecem dois processos psicológicos principais dentro do paradoxo da carne: gatilhos e estratégias restaurativas. Os gatilhos fazem com que os consumidores de carne se sintam desconfortáveis ​​com o próprio consumo. Isso pode se dar quando um consumidor de carne (carnista, na linguagem popular vegana) se lembra sobre o abate envolvido no processo do consumo de carne. No entanto, esses pensamentos podem ser contrariados por certas estratégias, de forma que a pessoa possa escapar do paradoxo e resolver sua sensação de desconforto. 

Os pesquisadores listaram as estratégias mais comuns para lidar com o paradoxo da carne, como quando uma pessoa considera os animais “comestíveis” de baixo status e, portanto, incapazes de pensar, sentir ou compreender. Alternativamente, algumas pessoas justificam o consumo de carne como “natural”, “necessário”, “bom” e “normal” (os “4Ns”). Outra abordagem comum é dissociar a carne dos animais usando descrições alternativas, como “gado” e “frango”. Alguns comportamentos, como conceber o vegetarianismo como ilógico, também são frequentemente usados ​​para justificar o consumo de carne.

Curiosamente, os pesquisadores também relataram que pessoas de diferentes regiões e atitudes utilizam diferentes estratégias para superar o paradoxo da carne. Um estudo identificou diferenças transculturais, segundo as quais os americanos dissociam mais a carne dos animais do que os equatorianos, talvez porque neste último país seja mais comum que a carne seja servida com a cabeça do animal inteira. Da mesma forma, outro estudo descobriu que os franceses eram mais propensos a negar que os animais têm sentimentos em comparação com os chineses.

As pessoas também podem justificar seu consumo de carne porque faz parte de suas tradições religiosas. Por exemplo, algumas pessoas ligaram isso à abundante provisão de alimentos de Deus, enquanto em um estudo separado outros apontaram a existência de massacres étnicos dentro do Islã.

A indiferença com os animais parece ser significativamente mais prevalente em homens do que em mulheres, concluiu a pesquisa. No entanto, os pesquisadores observam que isso provavelmente se deve às atitudes tradicionais de gênero. Homens e mulheres militares, por exemplo, pensam no consumo de carne como algo inerentemente masculino e o associam ao estereótipo de gênero “homem como caçador”. Por outro lado, aqueles que não acreditam tanto na masculinidade tradicional (incluindo os homens) demonstram maior empatia com os animais.

Na revisão, os autores afirmam que “esta pesquisa evidencia como os estereótipos de masculinidade exigem que os homens, e / ou aqueles que desejam ser ‘masculinos’, demonstram indiferença com os sentimentos dos animais, talvez explicando por que as mulheres se identificam como vegetarianas e veganas mais do que os homens.” Isso explicaria o fato do veganismo ser 63% feminino, em comparação com apenas 37% de homens.

Em termos de ideologias políticas, um maior conservadorismo parece estar ligado a ver o vegetarianismo e o veganismo de maneiras negativas e justificar o consumo de carne como “natural”, “necessário”, “bom” e “normal”, com indivíduos com crenças políticas de direita sendo mais dispostos a consumir carne. Por outro lado, os participantes de esquerda veem o vegetarianismo e o veganismo de forma mais positiva, inclusive no contexto ético e ambiental. 

A principal conclusão da revisão é que “algumas pessoas são mais propensas a se envolver com animais do que outras, incluindo: mulheres; aquelas que valorizam menos a masculinidade; têm atitudes de gênero menos tradicionais e homens que valorizam a ‘nova masculinidade’. Assim, esses grupos podem ter uma maior tendência em reduzir o consumo de carnes.

Sarah Gradidge, a autora principal do estudo, diz que “é empolgante apresentar a primeira revisão abrangente e estruturada da literatura do ‘paradoxo da carne’, e esperamos que ela informe tanto a literatura do ‘paradoxo da carne’ quanto o comportamento no mundo real, como redução de carne. O trabalho será de interesse não apenas para pesquisadores do “paradoxo da carne”, mas também para pessoas e organizações que buscam reduzir o consumo de carne e até mesmo para os próprios consumidores de carne que desejam compreender melhor sua relação psicológica com a carne.