Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Entenda mais sobre os possíveis perigos das dietas restritivas sem acompanhamento nutricional

As dietas restritivas possuem diversas regras, mas a maioria gira em torno da restrição de calorias e do que comer. Diferentemente da maioria das dietas, elas não contam com um plano alimentar certo, ou com a priorização de padrões de alimentação saudável, como o consumo dos nutrientes essenciais e o que é essencialmente recomendado por nutricionistas e especialistas da área da saúde.  

Elas são comumente utilizadas como uma forma de perder peso e podem ser mais extremas que a maioria das dietas comuns. Sua popularidade foi um resultado dos anos consequentes à cultura da dieta, que prega o emagrecimento como algo essencial. 

Porém, as dietas restritivas, embora possam ajudar nesse processo, também podem oferecer diversos problemas de saúde e saúde mental. A restrição em si pode ser incrivelmente desgastante. A comida, muitas vezes vista como uma parte essencial da socialização (presente em festas, reuniões e datas comemorativas), vira um empecilho e problema para os usuários. 

Além disso, o emagrecimento não é um fator essencial para uma vida saudável. Na verdade, ele é uma resposta aos padrões impostos pela sociedade anos atrás. O importante é manter uma dieta saudável e variada, sem restrições e lembrar: corpos diferentes funcionam de jeitos diferentes e podem ser saudáveis independente de sua aparência. 

Riscos da dieta restritiva

As dietas restritivas podem aparecer convidativas primeiro, mostrando seus possíveis benefícios e a perda de peso fácil. Porém, ao manter esses padrões de alimentação, é possível observar todos os seus riscos. Conheça alguns deles: 

Metabolismo lento

O metabolismo lento não é exatamente um risco, mas é um empecilho durante o processo de emagrecimento. Muitas vezes, as pessoas desistem das dietas restritivas pela dificuldade de se alimentar. Entretanto, ao voltar aos seus padrões antigos, conseguem reconhecer a desaceleração de seu metabolismo, o que pode contribuir para o ganho de todo o peso perdido durante a restrição. Diversas pesquisas comprovaram que dietas de baixas calorias podem diminuir o número de calorias que o corpo queima em até 23% (veja aqui: 1, 2 e 3). 

Especialistas acreditam que um dos motivos para a desaceleração do metabolismo em dietas restritivas é causando perda de massa muscular. Isso ocorre porque a maioria dessas dietas são baixas em proteínas e sem acompanhamento de exercícios físicos. 

A regra é básica, quando comemos mais o nosso metabolismo aumenta e quando comemos pouco ele abaixa. 

Deficiência de nutrientes

Como já mencionado, a maioria das dietas restritivas não priorizam o consumo de nutrientes essenciais para a saúde humana. Desse modo, cortando alimentos e calorias, muitos desses nutrientes são potencialmente eliminados da dieta. 

Existem diversos tipos de deficiência de nutrientes, como deficiência em vitamina B, cálcio e ferro, e cada um possui uma ameaça diferente à saúde. 

Enfraquece os ossos

Além da deficiência de cálcio, o consumo de poucas calorias também pode enfraquecer os ossos. Isso acontece porque a restrição pode reduzir os níveis de estrogênio e testosterona do organismo — dois hormônios reprodutivos essenciais na formação dos ossos. 

Redução da fertilidade

Com menos níveis de estrogênio, o sistema reprodutivo também é impactado. A ovulação é essencial para a gravidez, porém, de acordo com algumas pesquisas, um dos hormônios necessários para a ovulação (hormônio luteinizante) depende do número de calorias disponíveis na dieta da pessoa. 

Causa fadiga

A problematização do consumo de carboidrato comum nas dietas restritivas pode impactar os níveis de energia do corpo. O carboidrato é, afinal, uma das maiores fontes de energia do organismo e o seu corte, em conjunto com outros nutrientes, pode causar a fadiga — porque o organismo tenta conservar o pouco de energia que ganhou de alimentos. 

Enfraquece a imunidade

Como nos alimentamos é um fator essencial para a saúde. A ingestão de alimentos benéficos pode fortalecer o sistema imunológico e nos ajudar a manter a saúde e o corpo em dia. 

Portanto, a restrição de calorias pode diminuir a imunidade. Pesquisas apontam que dietas restritivas em conjunto com atividades físicas podem prejudicar ainda mais o sistema imunológico. 

Como evitar a restrição 

A verdade é que as dietas restritivas não são necessárias para o emagrecimento e muito menos para a saúde. Para manter uma vida saudável e potencializar a perda de peso, diversos fatores são essenciais, como: 

  • Uma dieta saudável, reunindo os grupos alimentares em seu prato – como vegetais, frutas e grãos;
  • Exercícios físicos;
  • Boa rotina de sono; 
  • Restrição de consumo de álcool. 

Além disso, para emagrecer, talvez a dica mais importante seja a consulta com nutricionistas e profissionais da saúde. Essas pessoas poderão te orientar da melhor forma possível de como perder peso da forma ideal para o seu corpo, sem restrições e com saúde.