Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Os participantes do Estudo Longitudinal de Saúde do Adulto (Elsa-Brasil) acompanhados entre 2008 e 2018 que apresentaram maior espessura das carótidas tiveram pior desempenho cognitivo, principalmente entre as pessoas brancas

Por Sebastião Moura, do Jornal da USP | Estudo da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP) avaliou a relação entre a espessura das paredes internas das artérias carótidas e a cognição. A medida indica acúmulo de gordura nos vasos que pode levar a infartos ou derrames, tendo como causa colesterol alto, tabagismo, diabete, hipertensão e até fatores genéticos. Os participantes foram acompanhados entre 2008 e 2018. Os resultados mostraram que aqueles com medida maior dessa espessura no início do estudo apresentaram mais perda cognitiva nos quatro domínios avaliados (memória, fluência verbal, função executiva e domínio global) ao longo dos oito anos de acompanhamento.

Essa relação já havia sido observada em outras pesquisas internacionais, mas a amostra do Elsa-Brasil pôde mostrar, devido à sua maior diversidade, algo inédito: essa associação é maior entre as pessoas brancas que participaram do estudo do que entre as pessoas negras. Ainda são necessários mais estudos para averiguar os motivos dessa diferença.

A pesquisa, conduzida pela pós-doutoranda da FMUSP, Naomi Vidal, usou os dados do Estudo Longitudinal de Saúde do Adulto (Elsa-Brasil), levantamento epidemiológico nacional de longo prazo que tem a maior amostra e tempo de avaliação da performance cognitiva no País. 

Os resultados estão sendo apresentados na Conferência Internacional da Associação de Alzheimer, que acontece entre 31 de julho e 4 de agosto, em San Diego, nos Estados Unidos.

Além de Naomi, o artigo Association between common carotid artery intima media thickness and cognitive decline differs by race também é assinado pelos pesquisadores Laiss Bertola, da Unifesp; Itamar Santos, Alessandra Goulart, Marcio Bittencourt e Isabela Judith Martins Bensenor, do Hospital Universitário da USP; Sandhi Maria Barreto e Luana Giatti, da UFMG; Paulo Caramelli, da UEMG; Paulo Lotufo, da Faculdade de Saúde Pública da USP, e Claudia Suemoto, da Faculdade de Medicina da USP.

Na conferência em San Diego, as pesquisadoras também vão apresentar um outro artigo que mostra a relação entre o consumo de ultraprocessados e o declínio cognitivo ao longo do tempo – leia a matéria completa aqui.

Futuros estudos e a importância do Elsa-Brasil

O Elsa-Brasil é um estudo epidemiológico nacional realizado desde 2008 em parceria com várias instituições como USP, UFES, Fiocruz, UFBA, UFMG e UFRGS que acompanha o estado de saúde de cerca de 15 mil funcionários. A ideia é investigar a incidência e fatores de risco para doenças crônicas, em particular, as cardiovasculares (acidente vascular cerebral, hipertensão, arteriosclerose, infarto) e outras associadas. Os participantes, com idades entre 35 e 74 anos, são de várias regiões do País. 

Cláudia Suemoto, médica graduada pela FMUSP e pesquisadora do Elsa-Brasil especializada em demências e suas associações com doenças cardiovasculares, diz ao Jornal da USP que todos os estudos do projeto devem ser replicados para o formato longitudinal, de forma que a evolução dos participantes possa ser acompanhada e analisada ao longo do tempo. Ela também cita que está nos planos do projeto começar fazer avaliações cognitivas mais detalhadas com os participantes que apresentarem resultados alarmantes que permitam diagnosticar casos de demência.

O acompanhamento longo é especialmente importante porque as principais demências, como a doença de Alzheimer, se desenvolvem ao longo do tempo, então quanto maior o período analisado, maior a nossa capacidade de isolar o efeito de uma variável que realmente aumenta o risco da doença”, afirma.

Além disso, ela conta que o grande número de participantes do Elsa permitiu estabelecer padrões cognitivos normais de acordo com idade e escolaridade que podem ser usados como referência em outros estudos. E fazer essa análise no Brasil, especificamente, é muito importante devido às particularidades da nossa população.

A amostra brasileira permite investigar como os fatores de risco interagem com baixos índices socioeconômicos e de escolaridade, por exemplo. Outra questão importante, como o estudo sobre a espessura das artérias ilustra, é a diversidade racial. Isso porque, apesar de existir literatura científica apontando para uma maior prevalência de demência entre pessoas negras (devido a questões relacionadas às desigualdades econômicas e vulnerabilidades sociais ligadas ao racismo estrutural), a maior parte dos estudos na área é feita com amostras majoritariamente brancas.

No próximo mês de agosto, os participantes do Elsa-Brasil serão novamente convocados para entrevistas e exames. 

Veja, neste link, outras pesquisas realizadas pelo Estudo Longitudinal de Saúde do Adulto (Elsa-Brasil).

Mais informações: Claudia Suemoto, em cksuemoto@usp.br, Naomi Vidal Ferreira, em naomivferreira@gmail.com, e Natália Gonçalves, em natalia.g@fm.usp.br

Este texto foi originalmente publicado pelo Jornal da USP de acordo com a licença Creative Commons CC-BY-NC-ND. Leia o original. Este artigo não necessariamente representa a opinião do Portal eCycle.