Entenda como funciona uma cadeia alimentar

eCycle

O termo cadeia alimentar refere-se à sequência em que os seres vivos de uma comunidade se alimentam

Cadeia alimentar
Imagem de Sheri Hooley em Unsplash

A cadeia alimentar pode ser entendida como uma sequência de seres vivos na qual um serve de alimento para o outro. Por meio dela, ocorre a transferência de matéria e energia no ecossistema. Cada organismo ocupa uma posição dentro da cadeia alimentar, que é determinada pelo tipo de alimento e pela forma como ele se alimenta.

No ecossistema, seres vivos podem ser classificados como produtores, consumidores e decompositores, de acordo com a forma de obtenção do alimento. Impactos causados sobre o meio ambiente podem desencadear alterações na cadeia alimentar e, consequentemente, desequilíbrio ambiental.

Vale ressaltar que a transferência de matéria e energia ao longo de uma cadeia alimentar sempre se inicia por um produtor e finaliza-se em um decompositor, sendo essa transferência unidirecional.

Nível trófico

Nível trófico é a posição ocupada pelos organismos dentro da cadeia alimentar, que é determinada pelo tipo de alimento ingerido. Em cada nível trófico existe um grupo de seres vivos com as mesmas características alimentares. Os consumidores primários, por exemplo, se alimentam somente de vegetais, enquanto que os consumidores secundários e terciários são carnívoros.

Dessa maneira, as cadeias alimentares são compostas por organismos que podem ser enquadrados dentro de três níveis tróficos diferentes. O primeiro deles é composto por produtores, organismos que conseguem produzir moléculas orgânicas a partir de processos como a fotossíntese e a quimiossíntese, ou seja, autotróficos. Algas e plantas podem ser citadas como exemplos de seres vivos que ocupam o primeiro nível trófico de uma cadeia alimentar.

O segundo nível trófico é composto por consumidores, organismos que obtêm energia alimentando-se de outros organismos. Quando se alimentam de seres vivos produtores, isto é, de algas ou plantas, eles ocupam o nível dos consumidores primários; quando se alimentam de consumidores primários, eles ocupam o nível dos consumidores secundários, e assim sucessivamente.

No último nível trófico estão os decompositores, organismos que decompõem os restos de seres vivos mortos e devolvem os minerais para o solo, atuando como recicladores de matéria orgânica.

Exemplos de cadeias alimentares

As cadeias alimentares podem ser terrestres ou aquáticas. Um exemplo de cadeia alimentar terrestre é composta por uma planta, um rato, uma cobra e um gavião. A planta é o produtor dessa sequência, visto que é capaz de produzir seu próprio alimento por meio da fotossíntese. Ela serve de alimento para o rato, o qual se comporta como um consumidor primário. A cobra, que se alimenta do consumidor primário, é um consumidor secundário. Por fim, o gavião comporta-se como consumidor terciário. Nessa cadeia alimentar, os decompositores não foram representados.

Um exemplo de cadeia alimentar aquática é composta por um fitoplâncton, um krill, um pinguim e uma foca. O fitoplâncton, que é formado por organismos fotossintetizantes, é o produtor. O fitoplâncton serve de alimento para o krill, que se comporta como consumidor primário. O krill, por sua vez, serve de alimento para o pinguim, que pode ser classificado como consumidor secundário. Por fim, a foca alimenta-se do pinguim, se comportando como um consumidor terciário. Nessa cadeia alimentar também não há a presença de decompositores.

Impactos da extinção de espécies na cadeia alimentar

A cadeia alimentar representa as relações de alimentação existentes em um ecossistema, ou seja, analisando a cadeia alimentar, vemos qual ser vivo serve de alimento para outro. A extinção de espécies afeta negativamente a cadeia alimentar, já que aquele ser vivo que serviria de alimento para outro, agora não existe mais.

Imagine que a cobra do exemplo da cadeia alimentar terrestre citado anteriormente, entrasse em extinção. Isso causaria um grande impacto na cadeia, uma vez que os ratos aumentariam sua população, causando a redução das plantas, e os gaviões, sem alimento, também teriam sua população reduzida.

Com o tempo, a população de ratos causaria um decréscimo exagerado no número de plantas, o que provocaria uma redução no alimento, desencadeando a redução da população de ratos. Com isso, percebe-se que todos os seres vivos são importantes e sua extinção impacta negativamente o ecossistema.

Cadeia ou teia alimentar?

As cadeias alimentares são lineares e, por isso, não mostram a verdadeira complexidade de um ecossistema. Isso se deve ao fato de que em um dado ambiente, um animal pode ser um consumidor secundário e terciário. Os animais onívoros, por exemplo, ao alimentarem-se de vegetais, são classificados como consumidores primários e, ao alimentarem-se de herbívoros, como consumidores secundários.

Sendo assim, a representação mais adequada para mostrar a complexidade de um ecossistema é a teia alimentar. Elas mostram várias cadeias alimentares interligadas e ocorrendo ao mesmo tempo. Dessa maneira, ela pode ser considerada mais complexa do que a cadeia, retratando a transferência de matéria e energia em diferentes direções.



Veja também:

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Saiba onde descartar seus resíduos

Encontre postos de reciclagem e doação mais próximos de você

Localização Minha localização
Não sabe seu CEP?

Newsletter

Receba nosso conteúdo em seu e-mail

Utilizamos cookies para oferecer uma melhor experiência de navegação. Ao navegar pelo site você concorda com o uso dos mesmos. Saiba mais ×