Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Se preferir, vá direto ao ponto Esconder

O que mudou nesse período?

Quarenta anos se passaram desde a primeira grande iniciativa em favor da reciclagem no pós-guerra. Desde então, o símbolo acima, com as três flechas, começou a se popularizar. Nos EUA, praticamente um terço de todo o lixo é reciclado. É um grande avanço, mas ainda falta muito se pensarmos que 60% de todo lixo doméstico pode ser reciclado. No Brasil, o caso ainda é mais preocupante: apenas 11% do que vai parar nas lixeiras é reciclado.

Sara Brown, da Presidio Graduate School, culpa os altos gastos atrelados ao desenvolvimento tecnológico dos processos e a falta de coleta seletiva nos domicílios. Segundo ela o “lixo comum, por outro lado, não precisa ser discriminado porque tudo vai para um lugar só, o aterro”.

A disponibilidade de programas de reciclagem também influencia a quantidade de lixo reciclado. Apenas Curitiba (PR), Santos (SP), Santo André (SP), Diadema(SP), Itabira (MG), Londrina (PR) e Goiânia (GO) fornecem o serviço de coleta seletiva em 100% dos seus domicílios. Por outro lado, São Paulo recicla apenas 1% das suas 15 mil toneladas de lixo produzidas diariamente.

O avanço é grande, mas ainda precisa aumentar muito. Que tal contribuir com a mudança desses números? Visite nossa seção Recicle Tudo!

Veja também:
IPT realiza testes para melhorar índice de reciclagem de livros didáticos
Casa produzida com papel reciclado é inaugurada na Alemanha
Levi’s lança coleção de jeans feita com pelo menos 20% de material reciclado