Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Entenda o que significa capacitismo, os impactos desse tipo de discriminação e como evitar atitudes capacitistas

Imagem de Maria Oswalt em Unsplash

O capacitismo é a forma de discriminação ideológica e material dirigida contra as pessoas com alguma deficiência. Ou seja, o capacitismo se refere aos preconceitos e estereótipos que levam ao desprezo das pessoas com diversidade funcional, mas também se expressa em leis e estruturas materiais (arquitetônicas, urbanísticas, etc.) que representam uma barreira para esse grupo.

No livro Capacitismo: o mito da capacidade (2020, Editora Letramento), o ator e roteirista Victor di Marco descreve o capacitismo como “a opressão e o preconceito contra pessoas que possuem algum tipo de deficiência, o tecido de conceitos que envolvem todos que compõem o corpo social. Ele parte da premissa da capacidade, da sujeição dos corpos deficientes e sem razão dos sem deficiência”.

Em outras palavras, o capacitismo é uma ferramenta ideológica e institucional que expressa marginaliza pessoas vistas como “diferentes” não só por meio do pensamento, mas também por meio de imagens, narrativas, linguagens e formas de organização social fixas e legitimadas.

Essa discriminação é a base da normalização de um tratamento desigual dispensado a pessoas com diversidade funcional, muitas vezes estigmatizadas e tratadas com preconceito por serem consideradas deficientes. No entanto, a pessoa é muito mais do que aquele impedimento físico, mental, intelectual ou sensorial que ela adquiriu ao longo da vida ou que veio junto dela no nascimento.

O paradigma da diversidade funcional

A ideia de capacitismo nasce de uma nova perspectiva que desmistifica a crença de que pessoas com deficiência são social e politicamente acomodadas. Esse novo paradigma é baseado no conceito de diversidade funcional, que é usado como um substituto para a “deficiência”.

E o que é diversidade funcional? É uma ideia utilizada para evitar a estigmatização das pessoas com deficiência. Estes, ao invés de serem vistos como “quebrados”, incompletos ou, em suma, “corpos equivocados”, são considerados representantes de outro tipo de funcionalidade, nem melhor nem pior do que aquela que havia sido socialmente considerada “normal”.

Assim, o capacitismo aponta para o problema fundamental da suposição generalizada de que pessoas com diversidade funcional são um desvio da normalidade e que, ao mesmo tempo, não têm os mesmos direitos que outros seres humanos.

Como criar uma sociedade mais inclusiva

Para coibir o capacitismo, profissionais de saúde mental de todas as áreas (inclusive psicologia clínica) enfatizam a necessidade de não atribuir à sua individualidade todos os problemas da pessoa com deficiência, como se fosse uma experiência dolorosa que deveria ser vivida em silêncio. Como alternativa, é proposta uma abordagem biopsicossocial que leva em consideração a importância do contexto.

Por exemplo, a tetraplegia não gera tantos problemas se a sociedade se adaptar a ela, criando acesso para cadeiras de rodas e evitando barreiras arquitetônicas. Às vezes, o conceito de deficiência pode ser usado como uma desculpa para trazer ao particular problemas individuais que devem ser tratados coletivamente.

Assim, o cuidado à pessoa com deficiência não é apenas tratamento voltado para o indivíduo, mas também educação social e networking para que o contexto também seja adaptado ao indivíduo, e não o inverso. A eliminação do empoderamento implica uma mudança de consciência e também a ação coordenada de várias pessoas que pretendem mudar as instituições públicas e privadas.

Há uma consciência crescente sobre os diferentes tipos de discriminação que certos grupos e minorias enfrentam no dia a dia. Por exemplo, racismo e machismo são exemplos de formas de pensar que resultam no tratamento desigual de certas pessoas por serem como são.

Mas existem outros conceitos que se referem às formas como é discriminado atualmente. Por exemplo, o capacitismo, referia-se ao tratamento desigual que as pessoas com diversidade funcional recebem, muitas vezes estigmatizadas e tratadas a partir dos preconceitos para serem consideradas deficientes.

Exemplos comuns de capacitismo

  • Não fornecer texto alternativo, uma descrição de imagem ou legendas de voz ao postar nas redes sociais.
  • Perguntar a alguém: “O que aconteceu?” ou “Você está realmente incapacitado?” para uma pessoa com deficiência. Todas as perguntas invasivas devem ser evitadas, especialmente ao encontrar alguém pela primeira vez.
  • Escolher um local inacessível para a realização de um evento ou reunião.
  • Ignorar a inacessibilidade quando se depara com ela.
  • Sentir pena de uma pessoa com deficiência que vive seu dia a dia normalmente.
  • Nas artes, selecionar um elenco de talentos sem deficiência para retratar personagens com deficiência.
  • Estacionar em local específico para deficientes físicos.
  • Usar o banheiro acessível por qualquer motivo que seja.
  • Apoiar-se ou descansar o braço ou perna na cadeira de rodas de alguém.
  • Utilizar termos ou expressões capacitistas, como inválido, incapaz, louco, mongol, aleijado ou retardado.
  • Falar com uma pessoa com deficiência como se fosse uma criança ou falar sobre ela em vez de diretamente para ela.

Estou sendo capacitista?

É muito fácil ser capacitista sem nem se dar conta disso, uma vez que estamos inseridos em uma sociedade que naturaliza esse tipo de preconceito. Como a linguagem capacista foi normalizada, incluindo palavras como “cego”, “surdo”, “burro”, “idiota”, “insano”, “coxo”, “maluco” e “bipolar”, pode ser difícil de reconhecer se você está de alguma forma contribuindo para uma narrativa opressora.

No entanto, o melhor lugar para começar é sendo mais cuidadoso com a linguagem que você usa. Se você estiver usando negativamente os descritores de uma deficiência para descrever alguém que não tem essa deficiência, isso é um sinal de alerta claro para parar e pensar em uma palavra mais apropriada para usar.

Aprendendo a ser mais inclusivo

Uma maneira prática de eliminar o capacitismo no local de trabalho, escola ou círculo social é reconhecer como você pode ser mais inclusivo. A inclusão não é apenas um conjunto de políticas para garantir que todos os cidadãos sejam vistos e ouvidos com segurança; é também fazer o dever de casa para reverter seus próprios conceitos errôneos sobre deficiência.

Ao normalizar a deficiência, você pode começar a reverter quaisquer conceitos errôneos (conscientes ou inconscientes) que possa ter. Isso significa entender que há muito mais pessoas com deficiência do que você imagina e se esforçar para se conter antes de dizer ou fazer algo involuntariamente capaz.


Fontes: Yes, Therapy Helps, Access Living, Idealist e Capacitismo: o mito da capacidade


Veja também: