Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Ter um purificador de água ou um filtro em casa pode nos ajudar a cuidar do meio ambiente e garantir água de qualidade para toda a família, removendo micro-organismos nocivos para a saúde.

O purificador também poupa os custos – financeiros e ambientais – envolvidos na compra de garrafas de água de plástico. Além disso, é muito menos trabalhoso do que repor e transportar garrafas de água para casa periodicamente.

O interesse por purificadores e filtros é crescente, não apenas por razões de saúde e higiene, mas porque as pessoas cada vez mais têm conhecimento dos efeitos de poluentes e substâncias tóxicas que a água pode conter.

Além disso, a preocupação com problemas ambientais aumentou, e a escolha da água que consumimos pode impactar as mudanças climáticas e a poluição por plásticos nos oceanos. Um estudo conduzido pela organização Orb Media revelou que havia microplásticos em 83% de todas as amostras de água da torneira coletadas em centenas de residências, no mundo todo.

Os purificadores têm o potencial de retenção de partículas partículas prejudiciais à saúde com o uso de diferentes agentes neutralizantes, como carvão ativado ou luz ultravioleta. Eles também nos permitem saber a origem da água que consumimos e que tipo de tratamento ela recebeu. Com o aparelho ideal, a água da torneira pode ser a alternativa mais saudável – e saborosa! – para matar a sede e manter a hidratação.

No entanto, é importante verificar as opções que existem no mercado e escolher aquela que seja mais adequada para você. Existe uma grande variedade de purificadores de água disponíveis, elétricos ou não.

Consumo de energia

Uma das preocupações das pessoas na hora de optar por um purificador de água é o consumo de energia. Modelos que fornecem água gelada de boa qualidade geralmente precisam de energia elétrica para funcionar – o que é um ponto positivo para o filtro comum (aquele de barro, por exemplo).

No entanto, existem aparelhos purificadores que não necessitam de energia elétrica. Além disso, o consumo de energia dos purificadores elétricos é relativamente baixo em comparação com outros eletrodomésticos, como a geladeira e o ar-condicionado. O ideal é fazer uma pesquisa sobre as opções disponíveis no mercado e analisar os prós e contras de cada uma.

Quando trocar o refil do purificador?

Todo purificador de água conta com um elemento fundamental: o refil, ou elemento filtrante, que é o responsável por filtrar a água e eliminar todas as impurezas. A vida útil de um refil dura de 6 meses a 1 ano ou de 3 a 4 mil litros de água filtrada.

Alguns modelos mais modernos contam um led que vai avisá-lo se o refil deve ser trocado. No geral, os refis costumam durar de seis meses a um ano, mas alguns duram apenas três meses.

O consumo diário de água também influencia na vida útil do refil. Por isso, é importante consultar o fabricante e tirar todas as suas dúvidas antes de adquirir um purificador de água.

A diferença entre filtrar e purificar

A água que vem de fontes naturais não é totalmente pura e pode conter elementos inerentes à fonte, como sais, minerais, matéria orgânica e outros. O processo de purificação busca eliminar da água todos esses elementos “indesejáveis”, que podem não ser bons para a saúde.

A maioria dos sistemas de purificação usa carvão ativado para absorver partículas poluentes. Já os purificadores que utilizam a luz ultravioleta são responsáveis também pela eliminação de microrganismos.

O processo de filtragem utiliza um elemento de filtro para reter as partículas sólidas da água. Os dois sistemas mais comuns são os filtros de sedimentos e os filtros de membrana. Ambos costumam ser combinados.

A principal diferença entre esses dois métodos é que, enquanto a purificação remove elementos naturais ou adicionados à água, a filtragem enfoca apenas sedimentos ou impurezas sólidas. Os dois podem ser utilizados para melhorar a qualidade da água em casa.

Diferenças entre purificador de água e filtros

Purificador

O filtro purificador é acoplado ao encanamento da residência. O elemento filtrante retém impurezas e elimina odores do cloro e resíduos químicos. Esse filtro de água tem uma bomba interna que aumenta a pressão da água e força a saída dela através do elemento filtrante. Existem vários modelos de filtro purificador, que é indicado para locais em que o tratamento de água não é tão adequado.

Filtro de barro

O filtro de água de barro é destaque nesta seleção por ter o melhor custo-benefício! Tipicamente brasileiro, o filtro de barro foi eleito pelo livro The Driking Water Book, com base em pesquisas norte-americanas, como o melhor sistema de purificação de água do mundo!

Ele é capaz de remover impurezas com eficiência, mantém a água fresca o tempo todo e elimina pesticidas, alumínio, chumbo, cloro e outras substâncias tóxicas. O bom funcionamento do filtro de barro depende de manutenção e higiene adequadas, e as velas devem ser trocadas com regularidade.

A filtragem é feita por gravidade, através de uma vela de cerâmica com carvão ativado e nitrito de prata. Porém, o filtro de barro é uma opção menos danosa ao meio ambiente do que filtros de plástico, mas é importante lembrar que é um produto de difícil reciclagem, por ser composto de cerâmica.

Filtro Soma

O filtro Soma é um produto inovador, que pode amenizar o problema do desperdício de plástico. O Soma se parece com um filtro de café, mas, na verdade, é um filtro de água 100% compostável e orgânico!

O produto foi desenhado por David Beeman, que tem 35 anos de experiência em criar filtros de água para marcas reconhecidas mundialmente. A maioria dos filtros de água é feita com 60% de plástico, incluindo a resina do produto e o seu revestimento.

O filtro Soma, no entanto, é feito a partir de um composto plástico conhecido como PLA, produzido a partir de certos alimentos, como casca de coco. Esse filtro remove o cloro, os metais pesados e outros contaminantes que a água da torneira contém, além de deixá-la refrescante. É possível adquirir esse filtro de água no site da marca.

Filtro de osmose inversa

É um tipo de filtro de água que não requer grandes investimentos e é um dos mais utilizados pela sua facilidade de instalação. Geralmente é instalado embaixo da pia, para que a água que sai dos canos chegue já purificada na torneira da cozinha.

Filtro de luz ultravioleta

Esse sistema de filtragem utiliza luz ultravioleta para remover microrganismos e partículas indesejáveis da água. Os raios neutralizam as bactérias e tornam a água potável. Embora o uso desse filtro de água seja comum, não é um dos mais recomendados, pois não elimina partículas sólidas.

Filtro de carbono

É o tipo de filtro de água mais recomendado em residências, pois remove bactérias, partículas sólidas e outras substâncias prejudiciais à saúde. O carvão, quando ativado, inicia um processo de purificação que quebra as partículas que causam a sujeira na água.

Filtro ozonizador

O filtro de água ozonizador purifica a água a partir do gás ozônio, que combate bactérias, vírus, amebas, protozoários, algas, fungos e microrganismos. O tempo mínimo de contato entre o gás e água nesse método de filtragem é de 10 a 15 minutos. Depois do processo de filtragem, é necessário aguardar cerca de 10 minutos para consumir a água.

Filtro central

O filtro central deve ser conectado ao hidrômetro e instalado na entrada de água da casa ou apartamento. Esse método de filtragem prevê que toda a água da residência – chuveiro, torneira e máquinas de lavar – seja filtrada.

Ele mantém a caixa d’água limpa por mais tempo e retém também bactérias, iodo e algas. O preço do filtro de água central costuma ser mais elevado em comparação com as demais opções.

Como fazer um purificador de água em casa

Caso prefira, você também pode fazer o seu próprio purificador em casa! Confira:

Purificador solar

Primeiro, encontre um espaço que receba bastante luz solar. Escolha um recipiente adequado para alimentos, como uma garrafa de vidro. Em seguida, coloque a água no recipiente em local seguro. Cubra-o com uma tela ou rede, para evitar que novos contaminantes entrem na água e deixe-o exposto ao sol.

Assim que a água for purificada pelo sol, ela estará pronta para o consumo. Dependendo da qualidade da água e da incidência de sol, você pode mantê-la no filtro por duas horas ou dois dias. Quanto mais pura estiver a água e mais ensolarado o dia estiver, mais rápido você poderá consumir a bebida filtrada.

Este método é utilizado também para fazer água alcalina, que é comprovadamente benéfica para a saúde. Um estudo mostrou que o consumo de água alcalina ionizada reduz a pressão arterial e os níveis de açúcar e gordura no sangue. Assim, ela pode ser utilizada como um método terapêutico secundário para a hipertensão arterial, diabetes mellitus e hiperlipidemia (distúrbio nos níveis de gordura).

Purificador de carvão artesanal

Para fazer esse purificador artesanal, você precisará de areia, carvão, garrafas PET de dois litros e um pano. Primeiro, remova o fundo da garrafa de plástico com um objeto cortante. Então, comece a montagem: vire a garrafa de cabeça para baixo para que funcione como um funil, com a extremidade larga para virada para cima e a estreita para baixo. Em seguida, adicione o filtro: forre a parte superior antiga (a parte inferior nova) com o pano.

Faça a primeira camada: adicione o carvão através da abertura recém-criada. Então, faça a segunda camada: insira areia por cima do carvão. Depois de passar a água por esse filtro, você terá removido sedimentos e outras substâncias prejudiciais. No entanto, você terá uma água turva, que precisará ser fervida antes do consumo. Agora, adicione água no filtro. A areia filtra detritos e contaminantes maiores. O carvão refina ainda mais a água à medida que ela passa, removendo partículas menores. Por fim, o pano ajuda a evitar que a areia e o carvão passem durante o processo de filtragem.

Técnica sueca promete remover poluentes da água de maneira sustentável

Um estudo realizado na Suécia relatou uma maneira mais ecológica de remover metais pesados, corantes e outros poluentes da água. A resposta está em filtrar as águas residuais com um material de gel retirado da celulose vegetal e pontilhado com pequenos pontos de carbono produzidos em um forno de micro-ondas.

Pesquisadores do KTH Royal Institute of Technology, em colaboração com o Politecnico di Torino, desenvolveram uma técnica mais sustentável para a produção de compostos de hidrogel, um tipo de material amplamente estudado para a descontaminação de águas residuais.

Minna Hakkarainen, que lidera a Divisão de Tecnologia de Polímeros do KTH Royal Institute of Technology, afirma que os hidrogéis removem contaminantes como íons de metais pesados, corantes e outros poluentes comuns.

Um ingrediente é a goma de celulose (carboximetilcelulose, ou CMC), um espessante e emulsão derivado comumente de polpa de madeira ou subprodutos de processamento de algodão e usado em vários produtos alimentícios, incluindo sorvete.

Adicionados ao hidrogel estão pontos de carbono semelhantes ao óxido de grafeno, sintetizados a partir da biomassa com a ajuda do calor de microondas. Os compostos de hidrogel são então curados com luz ultravioleta, um processo suave que ocorre em água em temperatura ambiente.

Os hidrogéis consistem em uma rede de cadeias poliméricas que não apenas absorvem água, mas também coletam moléculas e íons por meio de interações eletrostáticas – um processo conhecido como adsorção. Hakkarainen diz que o novo processo também reforça a estabilidade dos compostos de hidrogel para que eles possam durar mais que os hidrogéis comuns em ciclos repetidos de purificação de água.

O óxido de grafeno tornou-se o aditivo preferido para essa mistura, devido à sua alta capacidade de adsorção, mas o custo ambiental da produção do óxido de grafeno é alto.

O grafeno é derivado da grafite, uma forma cristalina de carbono que a maioria das pessoas reconheceria como a “liderança” nos lápis. Na forma oxidada, pode ser usado em hidrogéis, mas o processo de oxidação requer produtos químicos e condições agressivas.

Em contraste, os pesquisadores da KTH descobriram uma maneira de carbonizar biomassa em temperaturas muito mais baixas. Eles reduziram o lignossulfato de sódio, um subproduto da polpação da madeira, em flocos de carbono, aquecendo-o em água em um forno de micro-ondas. A temperatura da água chega a 240 ° C e é mantida nessa temperatura por duas horas.

Em última análise, após um processo de oxidação, eles produziram pontos de carbono de cerca de 10 a 80 nanômetros de diâmetro, que são então misturados com o CMC metacrilado e tratados com luz ultravioleta para formar o hidrogel.