Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Laboratório da UFMG pesquisa dimensões dessa característica

Por UFMG O perfeccionismo não está necessariamente atrelado ao ser perfeito, mas ao empenho para alcançar padrões de desempenho extremamente elevados. Esse esforço pode acabar gerando consequências negativas, que comprometem os relacionamentos e a saúde mental. 

A psicóloga Marcela Mansur Alves, coordenadora do Laboratório de Avaliação e Intervenção na Saúde da UFMG (Lavis-UFMG), explica que o perfeccionismo é uma característica de personalidade extremamente complexa, que comporta múltiplos traços, como padrões de comportamento extremamente elevados, exagerados e inflexíveis – para si e, às vezes, para os outros –, preocupação excessiva com erros e a avaliação negativa por parte de outras pessoas, comportamento de esquiva e autocrítica severa. Tudo isso compromete os relacionamentos pessoais e a saúde mental.

O perfeccionismo passa a ser um problema quando a pessoa nunca se sente realizada com suas conquistas, está sempre estressada e se dedica com exagero, a ponto de nunca dispor de tempo livre, pois sempre está em busca de alcançar os altos padrões autoimpostos.

Caso a pessoa se identifique como perfeccionista, a psicóloga informa que é necessário descobrir a intensidade dessa condição. Para isso, Marcela Alves recomenda que se anotem pensamentos, comportamentos e sentimentos para entender quando o perfeccionismo aparece e quanto ele afeta a pessoa. É importante, também, reconhecer vitórias, fortalecer a autocompaixão e estar atento ao fato de que o perfeccionismo pode aparecer em diferentes aspectos na vida: nos estudos, no trabalho, nos cuidados com a casa e até na aparência. 

A terapeuta holística Laís Gulin teve sua saúde mental, sua vida profissional e seus relacionamentos afetivos prejudicados pelo perfeccionismo. Por não se sentir capaz e merecedora de suas conquistas, Laís não conseguia finalizar projetos, o que resultou em um quadro depressivo e ansioso. Ela sempre trocava de empregos e, por ser extremamente severa com a sua autoimagem, não chegou a construir relacionamentos amorosos duradouros. Depois de procurar ajuda profissional, a terapeuta notou que o perfeccionismo a impedia de se enxergar e entender o que desejava para sua vida. Ela agora reconhece suas conquistas e percebe o quanto evoluiu em diferentes aspectos de sua vida.

UFMG pesquisa dimensões do perfeccionismo

O Lavis-UFMG está recolhendo dados para a pesquisa Perfeccionismo: avaliação e evidências de sua relação com a personalidade e a saúde mental em diferentes amostras da população. O objetivo é avaliar as dimensões negativas do perfeccionismo. Para participar, é preciso preencher formulário específico e concordar com o termo de consentimento.

O Laboratório já publicou duas cartilhas com orientações sobre o perfeccionismo que estão disponíveis em seu site. Atualizações sobre as atividades do Lavis podem ser acompanhadas em seu perfil no Instagram.

Equipe: Amanda Gomes (produção), Marcia Botelho (edição de imagens) e Ruleandson do Carmo (edição de conteúdo)