Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

“Guia de Observação de Aves do Engenho dos Erasmos” inclui fotos e características das espécies mais vistas no local; duas delas em risco de extinção

Reunindo informações de dez anos de observação, pesquisadores da USP lançam um guia de aves que vivem na região do Monumento Nacional Ruínas Engenho São Jorge dos Erasmos. A publicação traz informações sobre 43 das espécies mais vistas entre as 87 já observadas no local e pode ser consultada on-line ou baixada gratuitamente neste link.

O guia digital é bilíngue (português e inglês) e composto de um mapa de visualização e escuta de cada espécie, de acordo com a frequência em cada diferente local do engenho. Duas das aves descritas e fotografadas – o tucano-de-bico-preto e o saíra-sapucaia – são espécies consideradas “vulneráveis”, na categoria de classificação da União Internacional para Conservação da Natureza. Significa que há risco alto de extinção em médio prazo.

O Guia de Observação de Aves do Engenho dos Erasmos marca a importância da observação de aves como prática educativa, social e de conservação, ajudando a difundir conhecimentos ligados aos recursos naturais regionais. Atualmente, o local é uma das doze áreas com maior diversidade da cidade de Santos, além de estar situado em região preservada da Mata Atlântica.

Para a diretora do Engenho dos Erasmos, Beatriz Pacheco Jordão, professora do Instituto de Biociências (IB) da USP, “o Guia de Observação de Aves do Engenho dos Erasmos consolida os esforços institucionais existentes na cidade em torno da importância da observação de aves como prática conservacionista, educativa e social, difundindo conhecimentos ligados aos recursos naturais regionais”. A publicação envolveu diversos especialistas, como o professor Luís Fábio Silveira, do Museu de Zoologia (MZ) da USP, o ornitólogo e fotógrafo Edson Endrigo e a ornitóloga Sandra Regina Pardini Pivelli, além da própria equipe do Engenho dos Erasmos, coordenada pelo biólogo André Mueller.

O projeto foi realizado com recursos do 4º Edital Santander/USP/FUSP de Fomento às Iniciativas de Cultura e Extensão e envolveu servidores e docentes do Monumento Nacional Ruínas Engenho São Jorge dos Erasmos, órgão da Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária da USP, do Museu de Zoologia (MZ), do Instituto de Biociências (IB), ambos também da USP, e da Secretaria de Meio Ambiente da Prefeitura Municipal de Santos.


Fonte: Jornal USP

Veja também: