Arara-azul: características e curiosidades

eCycle

A arara-azul é um animal que se destaca pela beleza, tamanho e comportamento

A arara-azul, também conhecida como arara-azul-grande, é uma ave que pertence à família dos psitacídeos e ao gênero Anodorhynchus. Trata-se de um animal que se destaca pela beleza, tamanho e comportamento. Atualmente, a arara-azul encontra-se ameaçada de extinção devido à caça, ao comércio clandestino (tráfico de animais) e à degradação de seu habitat em decorrência do desmatamento.

Por gerar grande visibilidade, a arara-azul é uma espécie-bandeira do Brasil. Para sobreviver, essa ave necessita da preservação de toda uma cadeia de espécies, além de grande extensões de área em bom estado de conservação.

Na América do Sul, além da arara-azul-grande, são conhecidas mais duas espécies de araras-azuis, também pertencentes ao gênero Anodorhynchus: a arara-azul-pequena (Anodorhynchus glaucus) e a arara-azul-de-lear (Anodorhynchus leari). Vale ressaltar que a arara-azul-de-lear também está ameaçada de extinção, enquanto a arara-azul-pequena é considerada extinta.

Família dos psitacídeos

A família dos psitacídeos é composta por araras, papagaios, periquitos, jandaias, maracanãs e tuins. Todas essas aves apresentam características e estruturas muito semelhantes, como cabeça larga, bico forte e curvo especializado em quebrar e descascar sementes, mandíbula de largura incomum e plumagens com cores extravagantes. Por isso, qualquer espécie de psitacídeo é facilmente reconhecida.

Os psitacídeos podem ser encontrados ao longo de diversas áreas tropicais do planeta, sendo o Brasil uma das regiões mais ricas em indivíduos dessa família. Ao todo, a família é constituída de 78 gêneros, nos quais estão distribuídas 332 espécies. Segundo o Comitê Brasileiro de Registros Ornitológicos (CBRO), cerca de 84 dessas espécies vivem no Brasil.

Arara-azul

Como o nome sugere, a arara-azul destaca-se por sua coloração predominantemente azul-cobalto, com regiões em amarelo ao redor dos olhos e na mandíbula inferior. Apesar de a grande maioria de suas penas serem azuis, a parte interna das asas dessa ave é preta. Além disso, a arara-azul apresenta a pele em volta da mandíbula na forma de fita e mede em torno de um metro.

Os hábitos peculiares da arara-azul chamam atenção. Ela é considerada uma ave social, sendo encontrada voando em pares ou em grupos. Nos finais de tarde, as araras-azuis se reúnem em árvores “dormitórios”, que funcionam como áreas de descanso. Por isso, as araras-azuis apresentam alta capacidade de socialização entre os membros do grupo.

Habitat da arara-azul

A arara-azul habita áreas abertas de regiões tropicais do Brasil, Paraguai e Bolívia. No Brasil, essas aves são encontradas principalmente no Pantanal, onde ocupam bordas de cordilheiras e locais afetados por ações antrópicas. A arara-azul também está presente em regiões de veredas no Cerrado. Além disso, elas podem ser encontradas em algumas áreas da Amazônia, ao longo de formações florestais e em matas secas.

Alimentação da arara-azul

A arara-azul apresenta um bico forte e curvo especializado em quebrar e descascar sementes. Por isso, sua dieta é restrita a frutos de palmeiras, tais como buriti, licuri e macaúba. Geralmente, a arara-azul é observada alimentando-se em bandos. Esse tipo de alimentação é uma forma importante de proteção contra predadores. Além disso, por conta dos ciclos de migração, as araras-azuis possuem um papel ecológico fundamental na dispersão de sementes.

Reprodução da arara-azul

A arara-azul começa a desenvolver sua família por volta dos sete anos. Uma característica interessante dessas aves é que elas apresentam comportamento monogâmico, com formação de casais que permanecem unidos até mesmo fora da estação reprodutiva. Esses pares dividem tarefas entre si, como o cuidado com os filhotes e com o ninho.

Durante a reprodução, a fêmea passa a maior parte do tempo no ninho, cuidando da incubação dos ovos, enquanto o macho se responsabiliza por alimentá-la. Além disso, as araras-azuis constroem espaços para serem utilizados na reprodução. Normalmente, utilizam alguma cavidade iniciada por outras aves e aumentam o tamanho da área.

Nos primeiros meses após o nascimento, os filhotes são muito fracos e podem sofrer predação ou parasitismo. Por isso, eles permanecem no ninho por cerca de três meses, alçando voo somente após esse período. No entanto, o filhote só se separa dos pais após 12 meses. Estima-se que a expectativa de vida dessas araras seja de 50 anos.

A arara-azul está em extinção?

A arara-azul é uma espécie que não está extinta. No entanto, essa ave está classificada como vulnerável na Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas, da União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais (IUCN). Segundo a lista, a população de araras-azuis está em decréscimo. As principais ameaças contra a espécie são a caça para o comércio ilegal e a destruição de seu habitat.

Arara-azul-de-lear

Diferente da arara-azul-grande, a arara-azul-de-lear apresenta uma coloração azul-esverdeada na cabeça e no pescoço. Ao redor dos olhos, há um anel de cor amarelo-claro. As asas e a cauda, por sua vez, são azul-cobalto. Essa ave pode atingir cerca de 75 cm de comprimento. Por conta dos programas de conservação, o número de indivíduos dessa espécie vêm aumentando.

A arara-azul-de-lear viveu cercada de histórias e mistérios por mais de 250 anos. Na década de 1970, pesquisadores descobriram que essa ave habita regiões da Caatinga baiana e que se alimenta principalmente de licuri. Além disso, concluíram que a espécie apresentava um número baixo de indivíduos.

Por isso, foram iniciados programas de conservação dessa arara-azul. Atualmente, a população passa de mil indivíduos, com uma clara tendência de aumento. O fato demonstra que os esforços da sociedade, quando coordenados e executados de forma satisfatória, podem salvar espécies da extinção.

Arara-azul-pequena

A arara-azul-pequena foi a primeira ave a ser considerada extinta no Brasil. De acordo com pesquisas, essa ave habitava áreas savânicas entre o Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai. No Brasil, era encontrada no Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Ela apresentava uma coloração azul-esverdeada na cabeça e no pescoço, e possuía uma pele em volta da mandíbula com formato de gota. Além disso, a arara-azul-pequena media cerca de 70 cm.

Os registros históricos e os dados sobre sua antiga população são escassos. Sabe-se que poucos indivíduos foram capturados para zoológicos e museus e que o último exemplar conhecido morreu no zoológico de Londres em 1912. Desde então, não existe qualquer informação confiável sobre a arara-azul-pequena.

A principal causa para o desaparecimento da arara-azul-pequena foi a caça para alimentação das tropas envolvidas na guerra do Paraguai. Outro fator diz respeito à derrubada da principal fonte de alimento dessa arara para dar espaço a atividades agropastoris.

Projeto Arara-Azul

Além de promover a preservação da biodiversidade do Pantanal, o projeto Arara-Azul possui o objetivo de proteger todas as espécies de araras-azuis existentes no país. Organizado pela Instituição Arara-Azul, o projeto conta uma equipe em tempo integral para desenvolver as atividades de monitoramento, manejo e pesquisa nas áreas de atuação.

Os pesquisadores desse instituto também monitoram ninhos naturais e artificiais dessas aves. Desde 1999, o número de araras-azuis subiu de 1500 para 5000 no Pantanal. Faça a sua parte e ajude a salvar as araras-azuis ameaçadas de extinção.ar



Veja também:

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Saiba onde descartar seus resíduos

Encontre postos de reciclagem e doação mais próximos de você

Localização Minha localização
Não sabe seu CEP?

Newsletter

Receba nosso conteúdo em seu e-mail

Utilizamos cookies para oferecer uma melhor experiência de navegação. Ao navegar pelo site você concorda com o uso dos mesmos. Saiba mais ×