Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Conheça as propriedades medicinais do jenipapo e descubra alguns benefícios da fruta para a saúde

jenipapo é o fruto de uma árvore nativa das Américas, o jenipapeiro (Genipa americana), que pode ser de pequeno ou médio porte. Tem de 8 a 20 m de altura, mas árvores de até 30 metros também podem ser encontradas. Na maior parte da Bacia Amazônica, as árvores de jenipapo florescem de maio a setembro e dão frutos entre setembro e abril. A maturação dos frutos demora até um ano.

O jenipapo está amplamente distribuído nos trópicos da América do Sul e em regiões subtropicais da América Latina. As áreas onde a árvore cresce naturalmente ou onde foi introduzida vão do México à Argentina e incluem também o Caribe. A árvore pode ter se originado na Amazônia, onde cresce naturalmente. A ocorrência se estende à floresta aberta e à zona de transição para savana. Também é comum em florestas secundárias, em locais abandonados pela agricultura itinerante.

Na maioria das árvores, as abelhas polinizam as flores. O jenipapo é um fruto grande e arredondado, com 9 a 15 cm de comprimento, 7 a 9 cm de largura, e pesa entre 200 e 400 gramas. Ele é comestível apenas quando maduro e macio ao toque, e o sabor, doce e ácido, se assemelha ao de maçãs secas.

Consumo e propriedades nutricionais

O consumo de jenipapo pode ser muito benéfico para a saúde. Seu principal uso é como suco, feito com a polpa de frutas maduras. Pode ser cozido com açúcar para produzir um xarope, utilizado em sobremesas e bebidas.

O jenipapo tem poucas calorias e é fonte de vitaminas do complexo B, além de fibras, minerais e antioxidantes. Também é rico em ferro e, por isso, é indicado como um remédio natural para auxiliar na cura de uma série de problemas, como anemia. A polpa aromática, o fruto do jenipapeiro e o suco do jenipapo são consumidos em diversas regiões do mundo para promover benefícios à saúde.

Propriedades medicinais do jenipapo

Jenipapo
Imagem editada e redimensionada de Alejandro Bayer Tamayo, está disponível no Wikimedia e licenciada sob CC by 2.0

O jenipapo pode ser utilizado como um auxiliar no tratamento de diversas condições de saúde e na prevenção de uma série de doenças. A fruta é muito utilizada no tratamento de resfriados, infecções no peito, asma e problemas respiratórios. O consumo também pode auxiliar na cura de dores de garganta.

Os extratos da planta ajudam a proteger a pele das queimaduras solares causadas pelos raios ultravioleta. A polpa esmagada da fruta pode ser aplicada na pele para curar a faringite, um distúrbio causado por infecção viral por bactérias na garganta, que provoca inflamação e feridas na região.

O jenipapo ainda é conhecido por suas propriedades bactericidas, fungicidas, antissépticas e antibióticas. A temperatura elevada e a febre também podem ser tratadas com a ajuda do jenipapo. Os chás feitos com extratos de jenipapo são usados ​​para curar bronquite.

Confira mais alguns benefícios do jenipapo:

  • É diurético
  • Pode atuar como laxante
  • Em algumas regiões, é utilizado como vermífugo
  • Pode ser usado no tratamento de anemia e problemas hepáticos
  • Ajuda a combater sintomas de resfriado
  • Pode ser utilizado como remédio para icterícia
  • Possui propriedades antibióticas e antissépticas
  • A casca do jenipapeiro pode ser usada para tratar diarreia e úlceras
  • Uma goma da casca do jenipapeiro pode ser diluída e usada como colírio
  • Pode ser usado no tratamento contra gonorreia

Composição química do jenipapo

Análises feitas nas Filipinas mostram os seguintes valores para a porção comestível da fruta: proteína: 0,51%; carboidratos: 11,21%; açúcar: 4,30%; e ácido málico: 0,63%. Além disso, 100 gramas da fruta fornecem 40 mg de cálcio, 58 mg de fósforo e 33 mg de vitamina C. As sementes do jenipapo contêm cafeína.

Outras substâncias presentes no jenipapo incluem: caterina, gardenosídeo, genamesídeos A-D, ácido genípico, genipina, genipina-gentiobiosídeo, ácido genipínico, geniposídeo, ácido geniposídico, glicerídeos, hidantoína, manitol, éteres de metila, ácido tânico e taninos. O fitoquímico geniposídeo demonstrou em testes de laboratório ser um anti-inflamatório eficaz e uma potencial terapia antiasma.