Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Apontados pela ONU como possível solução para fome global, insetos na alimentação podem trazer vários benefícios

Imagem editada e redimensionada de Takoradee, disponível no Wikimedia e licenciada sob CC-BY 3.0

Você já pensou em incluir insetos na alimentação? Se a ideia parece um pouco absurda, saiba que, em 2013, um relatório publicado pela Organização das Nações Unidas para Agricultura a Alimentação (FAO) sugeriu justamente os insetos para consumo humano como alternativa de proteína para combater a fome no mundo. Além disso, o consumo de insetos é muito popular e apreciado em várias partes do globo – e, sim, o hábito pode ser muito saudável!

No Brasil, os insetos comestíveis já fazem parte da rotina. Um prato muito popular em áreas do interior de Minas Gerais e no Nordeste, por exemplo, é a farofa preparada com formiga tanajura. Aliás, a própria Vigilância Sanitária (Anvisa) estabelece um limite para fragmentos de insetos (bem como pelos de ratos) em produtos alimentícios. Na verdade, os insetos na alimentação humana são muito mais comuns do que você pode imaginar.

Incluir insetos na alimentação é seguro?

Uma pesquisa publicada na revista Food Chemistry aposta que grilos e outros insetos podem ser a chave para a alimentação de cerca de 9,7 bilhões de pessoas na Terra em 2050. Segundo a autora principal da pesquisa, Michelle Colgrave, da Universidade Edith Cowan, na Austrália, mais 2 bilhões de pessoas no mundo incluem insetos na alimentação diariamente. Para ela, esses animais são uma solução sustentável para o problema da fome global, fornecendo proteínas que complementam as fontes tradicionais do nutriente.

Além disso, muitos estudos têm mostrado que comer insetos traz benefícios para a saúde, equilibrando a flora intestinal, reduzindo a pressão arterial e contribuindo com o fornecimento de antioxidantes importantes no combate aos radicais livres.

No entanto, embora a criação de insetos voltada para a produção de alimento seja promissora e de alto potencial, as propriedades alergênicas do consumo desses animais ainda preocupa os pesquisadores. O estudo mostrou também que os insetos, assim como vários frutos do mar, podem causar reações graves em algumas pessoas.

De acordo com a professora, a alergia ao marisco afeta até 3% das pessoas em todo o mundo, mas varia de acordo com a idade e a região, e há uma boa chance de que as pessoas alérgicas a mariscos também reajam a insetos. Por isso, é importante que alimentos à base de insetos sejam testados e rotulados corretamente, para garantir que as pessoas com alergias não os consumam por acidente.

Insetos para consumo humano mais populares

Conheça os tipos de insetos mais comuns na alimentação das pessoas ao redor do mundo e confira as propriedades nutricionais de cada um deles.

Grilos

Os grilos adultos podem ser uma boa fonte de ferro, proteína e vitamina B12. Eles estão preparados de várias maneiras. Nos Estados Unidos, eles moídos e adicionados a shakes de proteína e farinhas. Os grilos constituem uma alternativa eco-friendly e muito saudável de inseto para consumo humano.

Gafanhotos

Ricas em proteínas, essas criaturas são populares em todo o mundo, especialmente no México, América Latina e partes da África e da Ásia. A demanda deles em Uganda é tão alta que o quilo de gafanhoto na região é mais caro do que a carne bovina. No México, eles são normalmente servidos torrados em óleo, com alho, limão e sal.

Cupins

Eles podem ser mais conhecidos por mastigar madeira, mas na África e em outras partes do mundo são conhecidos como comida. Ricos em proteínas, ácidos graxos e outros micronutrientes, os cupins também possuem ferro e cálcio. Podem ser servidos fritos, defumados ou secos ao sol.

Formigas

Certos tipos, especialmente as larvas e pupas da formiga tecelã, são muito procurados na Ásia. As formigas são consideradas iguarias em partes da América do Sul, inclusive aqui no Brasil, onde alguns dos chefs de cozinha mais renomados costumam usá-las para compor pratos sofisticados. São uma boa fonte de proteína e, geralmente, apresentam um sabor cítrico.

Abelhas

A larva é a forma da abelha normalmente usada como alimento. Ricas em aminoácidos, vitaminas B e outros nutrientes, as abelhas têm sido descritas como tendo uma textura gordurosa e amanteigada. São comuns na Tailândia. Aborígenes australianos usam abelhas sem ferrão como fonte de açúcar.

Besouros

O mais popular dos insetos que você pode comer, o adulto H. parallela é rico em proteínas e várias vitaminas e minerais. Eles podem ser torrados a seco ou usados em receitas (sem cabeça, braços e pernas).

Larva-da-farinha

Esses insetos contêm muitos ácidos graxos ômega-3, proteínas, vitaminas e minerais como cobre, sódio, potássio, ferro, zinco e selênio. Eles podem ser comidos crus, mas geralmente são servidos torrados ou moídos e adicionados à farinha. No México, às vezes são usados dessa forma na preparação de tortillas.

Moscas

Certos tipos de moscas, que são ricos em proteínas, são triturados e usados nos países do leste da África para enriquecer produtos de panificação como biscoitos e bolinhos, bem como produtos de carne como linguiça e bolo de carne. Elas também podem ser consumidas assadas.

Lagartas

Em algumas regiões da África, quase 9,5 bilhões de lagartas são consumidas a cada ano. Isso ocorre em parte porque elas são uma fonte importante de proteína, especialmente durante a estação chuvosa. As lagartas também são populares na Ásia e no México, onde uma das formas mais comuns de servi-las é frita ou refogada, temperada com molho picante e envolvida em uma tortilla. Também podem ser encontradas no fundo de uma garrafa de tequila mescal.


Fontes: BBC, FAO, Phys.org e Science Direct


Veja também: