Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Erisipela é uma infecção cutânea muito comum que se desenvolve a partir da entrada de bactérias na pele

A erisipela é uma doença infecciosa aguda caracterizada por uma inflamação da camada superficial da pele. Ela provoca feridas vermelhas, inflamadas e doloridas e se desenvolve principalmente nas pernas, rosto ou braços.

O problema é causado por uma bactéria, geralmente o estreptococos, que entra em contato com a pele por meio de algum ferimento (furúnculo, frieira, micose ou até picada de mosquito). Então, ele se dissemina pelos vasos linfáticos e atinge o tecido subcutâneo e gorduroso, abrindo espaço para a infecção.

Segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia, pessoas com baixa condição imunológica, obesas, diabéticas e com má circulação são as mais suscetíveis ao problema. Mas vale lembrar que qualquer um de nós pode ser acometido pela doença. A erisipela não é contagiosa, mas a bactéria que a causa, chamada Streptococcus pyogenes, também pode causar uma forma mais grave da doença, a erisipela bolhosa, que provoca feridas mais profundas na pele com bolhas.

Sintomas da erisipela

Os sintomas geralmente aparecem de forma repentina e podem durar até oito dias. Na região afetada pela erisipela, inicialmente, a pele fica quente, vermelha, brilhosa e com um leve inchaço. Com o tempo, passa para um inchaço maior, deixando a região dolorida e, em alguns casos, surgem na pele bolhas ou feridas. Este é um sinal da necrose dos tecidos, que exige cuidados. Os sintomas mais comuns são:

  • Febre alta e calafrios;
  • Dor de cabeça;
  • Náuseas e vômito;
  • Feridas vermelhas na pele, inflamadas e doloridas;
  • Sensação de queimação na região afetada;
  • Manchas vermelhas com bordas elevadas.

Diante destes sintomas, procure imediatamente por auxílio médico para que a doença possa ser identificada e tratada, evitando complicações. Casos de erisipela não tratados podem evoluir para trombose, elefantíase, linfedema ou infecções mais graves. Não faça automedicação e procure descobrir o tratamento mais adequado para o seu caso.

Como prevenir a erisipela

A melhor forma de evitar o desenvolvimento da erisipela é tratar corretamente os ferimentos na pele e mantê-los protegidos, para que não possam ser infectados pela bactéria causadora da doença. Siga algumas recomendações:

  • Quando lavar os pés, enxugue bem entre os dedos para evitar frieiras, que são portas de entrada para a bactéria;
  • Tente manter seu peso corporal dentro dos limites recomendados;
  • Proteja com curativos quaisquer ferimentos, especialmente nos membros inferiores;
  • Depois de sofrer uma lesão, lave o local com água;
  • Use hidratante nos pés para evitar o ressecamento da pele;
  • Trate qualquer doença de pele que tiver;
  • Evite calçados apertados para evitar bolhas;
  • Troque de meias todos os dias e prefira as de algodão.

Tratamento

É por meio do exame clínico que a médica ou médico faz o diagnóstico da erisipela. Quanto mais rápido é iniciado o tratamento, menores as chances de ocorrerem complicações. Na fase inicial da doença, antibióticos orais, repouso e evitar a elevação do membro afetado por pelo menos duas semanas costumam ser suficientes para a regressão do processo infeccioso, isso se a pessoa estiver em condições físicas favoráveis.

Como a erisipela pode vir a ressurgir, o uso de antibióticos precisa ser mais extenso em alguns casos. O consumo de álcool deve ser cortado durante o tratamento, uma vez que a substância intensifica o quadro. Beber bastante líquido e manter uma alimentação mais saudável também é essencial.

Pacientes diabéticos, portadores de patologias cardíacas ou que tenham insuficiência renal precisam receber cuidados mais específicos. Idosos e crianças devem ter atenção redobrada com a recuperação, já que a imunidade dessas pessoas geralmente é mais baixa.

Diante de qualquer espécie de ferida, mancha ou lesão, não deixe de consultar um profissional. Somente ele poderá avaliar corretamente o seu caso e indicar o tratamento mais adequado. Siga rigorosamente o tratamento prescrito para evitar as crises de repetição de erisipela. Como já dito, se não for feito o tratamento correto, a erisipela pode ter consequências graves.