Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Risco de extinção da espécie no Brasil é grave; população da Mata Atlântica é a que corre mais perigo de desaparecer nos próximos anos

Pesando entre 60 e 160 quilos, a onça-pintada é o maior felino das Américas e terceiro maior do mundo. Ela está atrás apenas do tigre e do leão. Ela é uma das espécies-símbolo do Brasil, ilustrando a cédula de 50 reais. Entretanto, também é uma das mais ameaçadas. Por isso, ao celebrar o Dia Nacional da Onça-Pintada, no dia 29 de novembro, é preciso destacar as medidas para a sua preservação.

A ameaça da espécie

Não existem números oficiais sobre a quantidade de onças-pintadas no Brasil. Segundo o biólogo e membro da Rede de Especialistas em Conservação da Natureza (RECN), o que há são estimativas. De acordo com o pesquisador, nos biomas Mata Atlântica, Cerrado e Caatinga, estima-se menos de 300 onças. No Pantanal, esse número sobe para mil, e, na Amazônia, 10 mil.

No Brasil, a onça-pintada já está ameaçada na categoria vulnerável, com perspectivas de agravamento da situação. Na Mata Atlântica, por exemplo, a espécie é classificada como criticamente em perigo. Isso porque boa parte de seu habitat foi perdido. Dados da Fundação SOS Mata Atlântica e do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) revelam que o desmatamento no bioma cresceu 27,2% entre 2018 e 2019 na comparação com o período entre 2017 e 2018.

Na Caatinga, por sua vez, a onça-pintada também está criticamente em perigo. No Cerrado, está classificada como em perigo. Já no Pantanal e Amazônia, onde existem as maiores populações, se encontram em situação vulnerável. Esse fato se dá pela perda de indivíduos por retaliação e caça ilegal, além do avanço da agropecuária.

Características

Originalmente, a onça-pintada podia ser encontrada desde o sudoeste dos Estados Unidos até o centro-sul da Argentina e Uruguai. A espécie habitava diferentes ambientes, de florestas tropicais e subtropicais a regiões semidesérticas, de preferência ambientes próximos de curso d’água.

Contudo, a perda de habitat por fatores antrópicos levou a extinção da espécie nos EUA. Assim, se restringiu às planícies costeiras do México, países da América Central (com exceção de El Salvador) e na América do Sul (exceto Uruguai). No Brasil, ela originalmente ocupava todos os biomas, porém não existem mais relatos da espécie na região do Pampa.

O animal geralmente evita regiões com atividades humanas. Apesar disso, em áreas rurais, próximas de seu ambiente natural, elas podem atacar o rebanho doméstico. Isso pode levar à conflitos com os proprietários.

A espécie tem a mordida mais forte entre todos os felinos do mundo. O corpo é revestido por pintas negras, formando rosetas com diferentes tamanhos. As rosetas são geralmente grandes, com um ou mais pontos negros no seu interior. As onças-pretas (melânicas), que também são encontradas, possuem rosetas que podem ser vistas em contraste com a luz.

As onças têm hábito solitário, podendo ser ativas durante o dia e à noite. É um animal terrestre, mas escala árvores e nada muito bem. A onça se alimenta de vertebrados de médio e grande porte, como anta, porco-do-mato, veado, tamanduá, capivara, jacaré, quati, entre outros.

Machos e fêmeas encontram-se apenas no período reprodutivo; geram em média dois filhotes que permanecem com a fêmea até os dois anos de idade. Os machos possuem territórios maiores que podem se sobrepor os de várias fêmeas. Assim como outros grandes felinos, a onça-pintada requer uma grande área para sobreviver. Sua presença em grande densidade, portanto, serve como um indicador da qualidade de conservação daquele ecossistema.

Ações de conservação

Onça-pintada. Imagem de Nelson Brazys Nelson por Pixabay 

Em razão do declínio populacional das onças-pintadas, cada vez mais têm surgido projetos que buscam a conservação do animal. O desaparecimento da espécie pode levar ao desequilíbrio ecossistêmico, alterando toda a cadeia alimentar. Isso porque as onças-pintadas são predadores, portanto estão no topo da cadeia.

A sua extinção provocaria um efeito denominado cascata trófica, em que os demais níveis da cadeia são alterados, promovendo o desequilíbrio. Os efeitos dessa condição são a perda de biodiversidade e das condições do solo, além do aumento de espécies exóticas. Outro efeito é o aumento na presença de patógenos, o que pode desencadear riscos de saúde para as pessoas.

Programas de conservação

O monitoramento das populações desses animais é importante para a criação de uma base de dados sólida. Para isso, o Instituto de Pesquisas Cananéia (IPeC) e Instituto Manacá, com apoio da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza, WWF-Brasil e banco ABN AMRO, criaram o Programa Grandes Mamíferos da Serra do Mar.

O programa busca justamente o monitoramento da espécie na Mata Atlântica. Seu objetivo é a criação de uma base de dados sobre a espécie e sua relação com os ecossistemas. Dessa forma, torna-se mais fácil o subsídio de ações de conservação mais eficazes.

Além dessa iniciativa, muitas outras ações têm ajudado na conservação das onças-pintadas no Brasil. Confira a lista de algumas delas: