Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Pesquisadores sugerem que as mudanças globais no uso da terra podem estar ocorrendo em uma taxa muito maior do que imaginávamos

Por Ruben Valbuena e Thomas Lovejoy – O mundo está em uma encruzilhada: enquanto a humanidade tenta mitigar as mudanças climáticas e impedir a perda de biodiversidade, também é preciso empregar esforços para garantir o suprimento de alimentos para todos. Mas um estudo recente publicado na revista científica Nature Communications revela que as demandas globais por commodities, especialmente em conexão com o desenvolvimento agrícola, são os principais impulsionadores das mudanças no uso da terra no sul global.

Uma mudança no uso da terra é definida como uma conversão permanente ou de longo prazo no tipo de cobertura de uma área de terra, por exemplo, de floresta para uso urbano, culturas agrícolas ou savana, ou vice-versa. Os pesquisadores uma usaram tecnologia de satélite moderna, capaz de detectar mudanças como o desmatamento quase em tempo real, para avaliar as tendências globais.

Eles sugerem que as mudanças globais no uso da terra podem estar ocorrendo em uma taxa muito maior do que se pensava anteriormente. Os autores descobriram que 17% da superfície terrestre da Terra sofreu alterações pelo menos uma vez desde 1960, o que corresponde a uma área do tamanho da Alemanha a cada ano. Nesse período, houve uma perda líquida de floresta de 0,8 milhão de km², enquanto as lavouras agrícolas aumentaram em 1 milhão de km2 e as pastagens e pastagens em 0,9 milhão de km². Não é à toa que a conversão de florestas em agricultura foi sinalizada pelo Acordo de Paris sobre mudanças climáticas e seu equivalente em conservação, a Convenção sobre Diversidade Biológica, como uma das principais causas do desmatamento.

Para deter a destruição de habitats naturais, precisamos urgentemente incorporar nosso “capital natural” – neste caso, os benefícios ambientais das florestas e de outros ecossistemas importantes – na economia global e nacional. Isso estaria de acordo com as recomendações da Dasgupta Review on The Economics of Biodiversity, encomendada pelo Tesouro do Reino Unido.

A criação e manutenção de florestas, pântanos e outros ecossistemas importantes devem se tornar mais rentáveis ​​economicamente do que atividades como agricultura ou mineração, ou produção de combustíveis fósseis, plásticos ou cimento. Essas atividades prejudicam nosso planeta, mas ainda recebem 5 trilhões de dólares em subsídios e outros incentivos econômicos a cada ano, de acordo com o recente relatório do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma), Making Peace with Nature (ou “Fazendo as Pazes com a Natureza”).

Na prática, isso significaria que os governos subsidiam as comunidades locais diretamente para manter os habitats naturais ao seu redor, incluindo a prevenção de incêndios florestais, o uso sustentável de produtos florestais, o turismo ambiental administrado, para citar alguns exemplos. Isso manteria as comunidades locais e as incentivaria a preservar os ecossistemas, em vez de destruí-los para o cultivo.

Os incentivos à restauração florestal já estão dando frutos na China, e o novo estudo mostra que a maré do desmatamento está mudando na maior parte dos EUA, Europa e Austrália. No entanto, a tendência no sul global é oposta e sua evolução ao longo do tempo mostra conexões claras com o comércio global e as demandas por commodities como carne bovina, cana-de-açúcar, soja, dendê e cacau.

Embora a taxa de mudança no uso da terra tenha diminuído em todo o mundo desde 2005, a produção e a exportação de safras de commodities se expandiram no sul global nesse período. Um gráfico disponibilizado no novo estudo revela que diminuições na mudança do uso da terra ocorreram durante recessões econômicas, como as de 2007-2009 e também durante as crises de energia dos anos 1970.

Existem ligações claras entre as mudanças no uso da terra e as demandas do mercado global. Em longo prazo, a tendência geral tem sido um aumento da produção econômica, principalmente associado à destruição ambiental. Mesmo momentos de despertar ambiental, como as principais convenções em 1992, não conseguiram impedir a destruição, à medida que a população continuava a crescer e o consumo aumentava, ignorando as restrições de frugalidade aprendidas na Grande Depressão e então reforçadas pelo racionamento na segunda guerra mundial. Como mostra o novo estudo, nas últimas décadas, o crescimento econômico no hemisfério norte dependeu em grande parte da destruição de recursos no mundo em desenvolvimento.

Será necessário fazer muito mais para reverter o desmatamento no sul global, e subsídios nacionais e medidas de conservação não são suficientes. Precisamos de um sistema que realmente neutralize os mercados globais. Estamos convencidos de que a solução está em como cada nação calcula sua renda global, que hoje em dia é feita apenas com base no cálculo do produto interno bruto, ou PIB.

A revisão Dasgupta estabeleceu a base para a contabilização da renda nacional de ativos naturais, focalizando principalmente os serviços ecossistêmicos – polinização natural, fornecimento de ar e água limpos e assim por diante. Iríamos mais longe e adicionaríamos a própria biodiversidade – a extensão de habitats primitivos, ou espécies e riqueza genética, por exemplo. Se a contabilização de tais ativos naturais se tornar rotina, acreditamos que o sistema econômico global prestaria tanta atenção a eles quanto ao PIB mais convencional. Tal movimento ajudaria muito a respeitar e conservar a biodiversidade e os ecossistemas do planeta.

Do contrário, continuaremos minando-os e diminuindo a capacidade do planeta de sustentar o inseparável: o bem-estar humano entrelaçado e o resto da vida na Terra.