Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

A conservação de florestas é crucial para a saúde humana e do planeta Terra

A conservação de florestas é um tema que vem ganhando relevância nas últimas décadas. Isso porque a perda de áreas florestais, provocada pelas mudanças climáticas e pela conversão de solo para uso agrícola e criação de gado, ameaça a biodiversidade terrestre e a sobrevivência das comunidades indígenas, silvicultoras e florestais. Além disso, ela coloca em perigo mais de um bilhão de pessoas que dependem das florestas para obter comida, medicamentos e energia, de acordo com a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO).

Todos os anos, entre seis e nove milhões de hectares são derrubados de forma permanente. Por isso, a conservação das florestas é importante.

Conservação ambiental

A conservação ambiental é uma das correntes ideológicas mais discutidas na esfera científica. Ela pode ser caracterizada como um conjunto de ações que buscam o uso racional e sustentável dos recursos naturais, de maneira a obter alta qualidade de vida humana causando o menor impacto possível ao meio ambiente.

Conservacionismo

A preocupação com o meio ambiente surgiu na metade do século XIX, sobretudo por causa das mudanças provocadas pela Revolução Industrial. Nesse cenário, pensadores criam uma corrente ideológica chamada de conservacionismo, que contempla o amor à natureza, mas aliado ao seu uso racional e manejo criterioso pela espécie humana.

O pensamento conservacionista caracteriza a maioria dos movimentos ambientalistas, e pode ser identificado como o meio-termo entre o preservacionismo e o desenvolvimentismo, Ele também se fundamenta nas políticas de desenvolvimento sustentável, que são aquelas que buscam um modelo de desenvolvimento que garanta a qualidade de vida, mas que não destrua os recursos necessários às gerações futuras.

Alguns princípios dessa corrente são a redução do uso de matérias-primas, uso de energias renováveis, redução do crescimento populacional, combate à fome, mudanças nos padrões de consumo, equidade social, respeito à biodiversidade e inclusão de políticas ambientais no processo de tomada de decisões econômicas. Além disso, ela propõe a criação de unidades de conservação em ecossistemas frágeis e com um grande número de espécies endêmicas ou em extinção.

Importância das florestas

floresta
Imagem de Lambert Yuri no Unsplash

O papel das florestas é extenso. Além de contribuírem para absorção de CO2, protegerem corpos d’água e serem essenciais para o clima, esses ecossistemas são grandes responsáveis pela saúde e bem-estar humanos. 

A dependência humana das florestas se estende na produção, alimentação e outras necessidades básicas diárias. Contudo, o ser humano age como se não dependesse desses ecossistemas. 

Queimadas para abertura de pastos e exploração de áreas verdes para extração de matéria-prima são alguns dos problemas que a humanidade trouxe para esses ambientes. A constante produção industrial derivada do capitalismo conta com a devastação florestal para que ela continue crescendo. 

E, embora a escassez de recursos naturais providos pelas florestas seja abordada constantemente, nenhuma mudança estrutural foi feita para acomodar essas preocupações. 

Além da inevitável falta de recursos essenciais para a vida humana, a degradação desses ecossistemas traz riscos graves para a população. De acordo com o relatório da WWF, as florestas têm um papel fundamental na saúde humana, providenciando apoio para evitar condições como câncer, diabetes, transtornos mentais e até mesmo uma nova pandemia.

Relatório Sofo

Além disso, segundo relatório Sofo, as florestas desempenham papéis importantes em sete áreas diferentes:

  1. A demanda global de alimentos crescerá 50% até 2050 e serão necessários mais cultivos para aumentar a segurança alimentar, gerando a necessidade de políticas agrárias ecológicas para evitar o desmatamento;
  2. As florestas geram 20% da renda familiar nas áreas rurais dos países em desenvolvimento. Além disso, alguns produtos florestais proporcionam sustento para uma de cada cinco pessoas no mundo;
  3. As florestas fornecem água potável para mais de 33% das maiores cidades do mundo. A qualidade desse recurso, primordial para a saúde e o desenvolvimento rural e urbano, está vinculada com a gestão florestal;
  4. As florestas propiciam 40% de toda a energia renovável do mundo. Portanto, será necessário conseguir combustível vegetal de forma mais sustentável para diminuir a deterioração da superfície florestal;
  5. Uma boa gestão florestal fortalece a resiliência e a adaptação às catástrofes naturais relacionadas com as mudanças climáticas;
  6. As florestas absorvem cerca de dois bilhões de toneladas anuais de CO2, atuando como sumidouro de carbono;
  7. O turismo de natureza é responsável por 20% da indústria turística mundial. Por outro lado, a taxa de obesidade infantil é até 19% mais baixa em lugares onde as crianças têm um fácil acesso a áreas verdes.

Portanto, a conservação de áreas florestais é crucial não apenas para a saúde do planeta, mas para a saúde humana. 

Estratégias de conservação de florestas

REDD

REDD, sigla para Redução das Emissões por Desmatamento e Degradação florestal ou, em inglês, Reducing Emissions from Deforestation and Forest Degradation, é um incentivo criado no âmbito da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima para recompensar financeiramente países em desenvolvimento por seus resultados de redução de emissões de gases do efeito estufa provenientes do desmatamento e da degradação florestal.

Criação de Unidades de Conservação

As Unidades de Conservação podem ser definidas como “espaços territoriais e seus recursos ambientais, incluindo as águas jurisdicionais, com características naturais relevantes, legalmente instituídos pelo Poder Público, com objetivos de conservação e limites definidos, sob regime especial de administração, ao qual se aplicam garantias adequadas de proteção da lei”, de acordo com o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza (SNUC), estabelecido pela Lei n° 9.985, de 18 de julho de 2000.

Elas possuem a função de assegurar a representatividade de porções significativas e ecologicamente viáveis das diferentes populações, habitats e ecossistemas do território nacional e das águas jurisdicionais, preservando o patrimônio biológico existente. Além disso, garantem às populações tradicionais o uso racional e sustentável dos recursos naturais, e ainda propiciam às comunidades do entorno o desenvolvimento de atividades econômicas sustentáveis.

Atitudes individuais

Atitudes individuais também podem contribuir para a conservação de florestas. Entre elas, estão:

  • Reduzir o consumo de carne vermelha;
  • Plantar árvores nativas;
  • Optar por produtos de madeira certificada;
  • Reciclar;
  • Priorizar alimentos orgânicos;
  • Comprar de pequenos produtores;
  • Apoiar organizações que protegem as florestas.