Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

A amônia está naturalmente presente nos organismos vivos e meio ambiente, mas seu uso excessivo em produtos agrícolas, industriais e domésticos pode gerar problemas

A amônia (NH3) é um gás incolor, formado por um átomo de nitrogênio e três átomos de hidrogênio. Ela está presente naturalmente no meio ambiente e em organismos, mas também é produzida artificialmente e  utilizada na composição de fertilizantes e produtos de limpeza. Uma vez no ambiente, essa substância pode gerar problemas ambientais, como a morte de peixes e eutrofização, além de problemas de saúde em seres humanos, como irritação na pele, olhos e garganta.

Sobre a amônia (NH3)

O NH3 é uma molécula de caráter alcalino formada a partir do ciclo do nitrogênio, pela ação da decomposição de matéria orgânica por micro-organismos. Ela está presente em todos os ambientes e seres vivos, e tem um importante papel ecossistêmico. 

A amônia também pode ser produzida artificialmente, graças ao processo de síntese da amônia, ou Síntese de Haber-Bosch. Esse processo foi desenvolvido em 1990, pelos cientistas Carl Bosch e Fritz Haber. Ele consiste na ativação de átomos de hidrogênio e nitrogênio a partir de um catalisador, o ósmio.

Usos e fontes da produção de amônia

Com a Síntese de Haber-Bosch, a amônia passou a ser introduzida na composição de produtos de limpeza e na produção de fertilizantes de nitrogênio. A fabricação de fertilizantes para a produção agropecuária representa a maior fonte de amônia. Essa substância também pode ser usada na fabricação de plástico, borracha, ácido nítrico e outros produtos. Além disso, ela é uma opção para a substituição do uso de gases CFCs (clorofluorcarbonetos) para a refrigeração em indústrias

Problemas ambientais

A amônia pode atuar em diversos processos prejudiciais para o meio ambiente. A oxidação da amônia, por exemplo, contribui para a produção de gases do efeito estufa e para a lixiviação de nutrientes nos ecossistemas. Esse processo consiste na transformação de NH3 em NO2 (nitrito), pela ação de micro-organismos presentes no meio ambiente.   Além disso, altas concentrações de amônia em ambientes aquáticos podem gerar a morte ou problemas no desenvolvimento de peixes. Em espécies de plantas, a alta taxa nutritiva de solos com a presença de NH3 pode levar ao processo de eutrofização. A eutrofização gera um aumento na quantidade de algas nos corpos hídricos e a redução da fotossíntese.

“Processo de eutrofização em um rio” Imagem de Here and now, unfortunately, ends my journey on Pixabay por Pixabay 

Outro problema da presença desse componente no ambiente se dá por conta do seu caráter alcalino. Com isso, as moléculas de amônia reagem com componentes de caráter ácido, como o dióxido de enxofre (SO2), e formam aerossóis atmosféricos. Esses aerossóis contribuem para a poluição atmosférica e prejudicam a qualidade do ar. Um exemplo são os materiais particulados, como o MP2.5, que contribuem para o fenômeno da chuva ácida.

Problemas de saúde

Apesar dos benefícios para a produção industrial, o contato excessivo com a amônia pode gerar problemas para a saúde. Sintomas como irritação ou queimação na pele, nos olhos e na garganta; ou problemas pulmonares são alguns dos riscos que trabalhadores que são expostos a essa substância podem sofrer. Uma forma de minimizar os riscos à saúde é o uso de equipamentos de proteção pessoal ou individual. O último é o mais efetivo, já que atua com medidas preventivas anteriores ao contato com o trabalhador.