Como compostar as fezes do cachorro

eCycle

Adubo rico em nutrientes só pode ser utilizado em plantas ornamentais

compostar fezes do cachorro
Imagem editada e redimensionada de Simone Dalmeri, está disponível no Unsplash

Um cão de estimação traz muitas alegrias para a família e, como todos os animais, ele tem necessidades fisiológicas. O que fazer com o cocô do seu cachorro? Bom, muita gente acaba colocando em sacos plásticos e jogando ao lixo, mas essa opção não é a mais ecofriendly.

Uma solução muito boa é fazer a compostagem, mas de um jeito bem diferente do tradicional - para isso, deve ser feita separadamente. A compostagem de fezes de cachorro não vai formar adubo para sua horta, mas pode ser utilizada em plantas ornamentais e vai fazer de você um amigo dos cães e da natureza.

Deixadas a céu aberto, as fezes podem poluir as águas subterrâneas e de superfície, atrair moscas e pragas, causar odor desagradável e ainda criar condições de insalubridade para os cães, sendo veículo de transmissão de parasitas e doenças infecciosas. A compostagem das fezes caninas é um método simples e barato que elimina os agentes infecciosos e reduz a quantidade de resíduos depositados em aterros sanitários (um cão médio excreta cerca de 125 quilos de fezes por ano).

Os benefícios da compostagem

A compostagem elimina o lixo bruto do ambiente, onde pode poluir as águas subterrâneas e os córregos. Uma boa compostagem destrói os patógenos e produz um rico húmus para o solo.

Ao compostar as fezes do seu cão, você diminui a necessidade de transporte de resíduos para aterros e lixões. Isso economiza tempo, dinheiro, energia e espaço de aterro. Uma boa compostagem produz um adubo de qualidade que melhora tanto a condição física quanto a fertilidade do solo.

Usos do composto feito a partir das fezes do cachorro

O composto feito a partir das fezes do cão é uma excelente fonte de matéria orgânica para adicionar ao seu jardim ou às plantas em vasos. Ele ajuda a melhorar a estrutura do solo, o que contribui para uma boa aeração e capacidade de retenção de umidade. O composto também é uma fonte de nutrientes para as plantas e pode ser usado como um material de cobertura.

O adubo para cães pode ser usado como um aditivo de solo para revegetação, estabelecimento de gramados e canteiros de plantio. Mas não deve ser utilizado em culturas cultivadas para consumo humano. Quando usado em vasos ou canteiros de flores, recomenda-se uma mistura de 25% composto e 75% de solo. O composto tem uma salinidade relativamente alta e não é recomendado para germinar mudas.

O que é compostagem?

A compostagem é a decomposição ou degradação controlada de material orgânico em um produto conhecido como húmus. A compostagem de resíduos de cães é um processo natural que requer ar, água, matéria orgânica, micróbios e um pouco de intervenção humana.

O que é necessário

A compostagem requer um suprimento de materiais ricos em nitrogênio (às vezes chamados de materiais verdes ou úmidos e materiais ricos em carbono (materiais secos ou marrons). Os materiais ricos em nitrogênio (úmidos) incluem fezes de cães e grama verde. Enquanto os materiais ricos em carbono (secos) incluem: serragem, palha picada e folhas secas.

Um termômetro de haste longa é necessário para monitorar a temperatura do composto. Também serão necessários uma pá ou garfo para movimentar o composto e um cesto para coletar o material a ser compostado. É possível compostar em um buraco no chão, mas será difícil alcançar as altas temperaturas necessárias para destruir os patógenos e o processo levará mais tempo em comparação à compostagem realizada em um recipiente fechado. Uma composteira melhora a aeração e facilitam a fácil rotação do composto. Você precisará de pelo menos duas caixas, uma para coletar o lixo enquanto a outra estará compostando ativamente. Você também precisará de água não muito fria para regar o material a ser compostado.

Pequenas partículas têm maior área de superfície de contato do que partículas grandes. Quanto menor for o material inseridos na compostagem, mais quente será seu composto e mais rápido ele progredirá. A melhor fonte de carbono é a serragem, facilmente encontrada em canteiros de obras e casas de marcenaria.

Passo a passo

Há dois métodos que você pode usar para construir a pilha de compostagem. O primeiro é coletar os materiais separadamente e depois misturá-los todos de uma vez. A vantagem desse método é que os materiais não começarão a se decompor até serem misturados.Você obterá temperaturas mais altas mais rápido quando misturar as fezes do cachorro, carbono, água e ar ao mesmo tempo.

O segundo método é adicionar a fonte de carbono ao resíduo do cão conforme você o coleta e o coloca na composteira. Esse método é mais fácil e, desde que a pilha permaneça seca, muito pouca decomposição deve acontecer até que o material seja revolvido e umedecido com água.

Como a pilha de resíduos mistos de fezes e carbono tem um odor mais suave do que se os materiais forem coletados separadamente, muitas pessoas preferem esse método.

  • Para começar, escolha um local seco perto da área do cão para colocar a sua composteira. O local não deve estar perto de cachorras prenhas ou que estejam amamentando e nenhum tipo de fluido deve escoar para o local onde o cachorro habita;
  • Para cada duas pás cheias de fezes de cães, adicione uma pá cheia de serragem ou outra fonte de carbono. Misture bem após cada adição;
  • Adicione água em pequenas quantidades até que a mistura de composto fique tão úmida quanto uma esponja espremida;
  • Continue adicionando material até que o composto esteja a dois a três pés de profundidade. Quando uma caixa estiver cheia, não continue adicionando materiais novos;
  • Coloque uma cobertura na mistura de compostagem. Os micro-organismos começarão a quebrar a matéria orgânica, liberando calor, o que aumenta significativamente a temperatura;
  • Insira o termômetro de compostagem diariamente e registre a temperatura interna (no centro do composto). Quando a temperatura começa a diminuir - geralmente em duas semanas - é hora de revolver o composto;
  • Revolva toda a pilha de compostagem - de fora para dentro - para garantir que todo o material atinja as altas temperaturas necessárias para matar os patógenos. Repita o processo toda vez que a temperatura interna do composto cair. Após vários ciclos, o composto não aquecerá. Isso indica que o processo de compostagem está completo;
  • Deixe seu composto repousando por vários meses ou até um ano antes de usá-lo. Isso irá estabilizar o pH e garantir que o processo de decomposição esteja completo.

A temperatura é importante

A temperatura da mistura do composto é muito importante, pois ela reflete o nível da atividade dos micro-organismos. O centro da mistura do compostagem é o mais quente, então insira o termômetro em direção a ele. Repita isso em vários lugares e anote a temperatura registrada no termômetro. As temperaturas nas misturas de composto fresco sobem rapidamente - cerca de 70°C - e depois diminuem lentamente até a temperatura do composto se aproximar da temperatura do ambiente. Se esse aumento rápido e o declínio gradual das temperaturas internas não acontecerem, talvez seja necessário ajustar a receita do composto. Um termômetro e uma boa manutenção de registros são essenciais para o sucesso.

Para eliminar completamente os patógenos o composto deve permanecer na temperatura entre 60C° e 70°C por vários dias. A temperatura em declínio indicam que é hora de virar o composto. Tome cuidado para misturar os materiais externos em direção ao centro. Levará várias aparições durante um período de seis semanas ou mais para o composto estar maduro.

As temperaturas do composto podem ficar muito altas. Não mergulhe a mão no centro de uma pilha de compostagem ativa. Em casos muito raros, temperaturas extremamente altas podem causar focos de incêndio. Adicione água a uma pilha de composto muito quente para baixar rapidamente a temperatura.

Use caixas de plástico rígido

Diferente de caixas de madeira que tendem a se desfazer com o tempo, as caixas de plástico rígido duram bastante. Além disso, elas tendem a ficar mais quentes no clima frio e úmido, o que pode estender a temporada de compostagem para os meses de outono.

Você pode usar caixas uma em cima da outra e ir trocando conforme elas enchem e o composto descansa, de modo semelhante à composteira doméstica convencional, mas sem furos e nem terceira caixa coletora de chorume.

Preocupações com a saúde

Todo composto contém esporos de mofo e fungos que podem causar uma reação alérgica em pessoas sensíveis. Mantenha os animais, principalmente filhotes e fêmeas prenhas, longe da área de compostagem para evitar a transmissão de qualquer doença a outros cães, animais domésticos e selvagens. As crianças podem estar em maior risco porque frequentemente colocam as mãos e outros itens em suas bocas. A melhor maneira de diminuir os riscos à saúde associados à compostagem das fezes de cães é ter cães saudáveis.

Siga um cronograma de desparasitação desenvolvido por um veterinário familiarizado com as condições locais. Os riscos para a saúde variam dependendo do clima, por isso, peça a um veterinário para recomendar um programa de controle de parasitas adequado para sua área.

Embora existam muitos patógenos potenciais, os agentes primários para a doença são os ovos de lombriga. Eles são muito pequenos para ver com o olho humano. Os cães se infectam com lombrigas engolindo os ovos no solo onde outros cães defecaram e passam para seus filhotes. Os ovos da lombriga eclodem no intestino do cão, migram pelo fígado e pelos pulmões e voltam a amadurecer no intestino. A lombriga adulta põe ovos que são passados ​​para o solo, completando assim o ciclo de vida. Se os seres humanos ingerem esses ovos, eles eclodem no intestino e migram para outros tecidos do corpo, como pulmões, fígado e medula espinhal. As larvas podem até atacar as retinas do olho. Em certas áreas geográficas, outros parasitas podem ser um problema. Uma tênia (Enchinococcus sp.) Encontrada em regiões remotas pode produzir cistos fatais se ingerida. Não composte resíduos de cães que aparentam estar doentes.

Leve em consideração

O volume real de resíduos caninos depende do tamanho do cão e da sua dieta. Cães que praticam exercícios e têm uma dieta rica em proteínas produzirão menos resíduos do que os menos ativos que são alimentados com ração menos concentrada. Este estudo incluiu apenas resíduos de cães.

Fezes de gato e outros resíduos de animais não foram estudados. Os gatos podem transportar parasitas que são prejudiciais aos fetos humanos. Não é recomendado adicionar fezes de gatos ou outro tipo de reśiduo felino no seu composto.



Veja também:


 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Saiba onde descartar seus resíduos

Encontre postos de reciclagem e doação mais próximos de você

Localização Minha localização
Não sabe seu CEP?

Newsletter

Receba nosso conteúdo em seu e-mail