Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

O relatório estima que os riscos ambientais e profissionais estão por trás de cerca de 10% dos casos de câncer na Europa

Um estudo publicado na terça-feira (28) pela Agência Europeia do Meio Ambiente (AEMA) revelou que a exposição a poluentes comuns como fumo passivo, radônio, amianto e outros produtos químicos, bem como radiação ultravioleta (raios UV) contribui para quase 2,7 milhões de novos diagnósticos de câncer da União Europeia (UE) a cada ano.

É a primeira vez que a AEMA encontrou ligações entre o câncer e o meio ambiente. O relatório, intitulado “Vencendo o câncer – o papel do meio ambiente na Europa”, estima que os riscos ambientais e profissionais estão por trás de cerca de 10% dos casos de câncer na Europa.

Causando 1,3 milhões de mortes por ano em toda a União Europeia, além dos custos sociais, foram gastos 178 bilhões de euros somente em 2018.

A boa notícia é que o relatório também diz que esses riscos são evitáveis ​​– se a UE tomar medidas urgentes.

“Reduzir a poluição por meio do Plano de Ação de Poluição Zero da UE e da Estratégia Química para Sustentabilidade, bem como uma forte implementação de outras políticas existentes da UE, ajudaria muito a reduzir os casos e mortes por câncer. Este seria um investimento eficaz no bem-estar dos nossos cidadãos”, afirma Hans Bruyninckx, Diretor Executivo da AEMA ao Euro News.

O Plano de Ação Zero Poluição da UE deverá ser alcançado até 2050 – visando a poluição do ar, da água e do solo. Os três principais objetivos incluem melhorar a qualidade do ar para reduzir o número de mortes prematuras causadas pela poluição do ar, melhorar a qualidade da água reduzindo o lixo, lixo plástico no mar e microplásticos lançados no meio ambiente e melhorar o solo reduzindo as perdas de nutrientes e o uso de pesticidas químicos em 50%.

Virginijus Sinkevičius, Comissário da UE para o Ambiente, Pescas e Oceanos, concorda que esta é a melhor ferramenta que a UE tem à sua disposição para minimizar mais danos à saúde humana.

“O relatório da AEA destaca que muitos casos de câncer têm uma causa ambiental subjacente. Podemos agir agora para reduzir a poluição e evitar mortes. Com a ambição Zero Polution do European Green Deal, podemos oferecer benefícios econômicos na prevenção do câncer, reduzindo a exposição a poluentes nocivos. O que é melhor para o meio ambiente também é melhor para nós.”

Quem está mais exposto ao câncer ambiental?

Os riscos para a saúde humana podem ser divididos em diferentes categorias, de acordo com a AEMA.

A poluição do ar (tanto interna como externa) está associada a cerca de 1% de todos os casos de câncer na Europa e causa cerca de 2% de todas as mortes por câncer. Somente para câncer de pulmão, isso aumenta para 9% das mortes. Estudos recentes detectaram associação entre a exposição a longo prazo ao material particulado, um importante poluente do ar, e leucemia em adultos e crianças.

O radônio e a radiação ultravioleta também contribuem significativamente para o câncer na Europa. O radônio é um gás incolor e inodoro. É formado pelo decaimento radioativo das pequenas quantidades de urânio que ocorrem naturalmente nas rochas e no solo. As pessoas podem ser expostas ao radônio ao respirar o ar que passa por rachaduras e lacunas em edifícios e casas.

A exposição interna ao radônio está ligada a até 2% de todos os casos de câncer e a um em cada dez casos de câncer de pulmão na Europa. A radiação ultravioleta natural pode ser responsável por até 4% dos casos de câncer na Europa. Em particular, os casos crescentes de melanoma, uma forma grave de câncer de pele.

A exposição ao fumo passivo pode aumentar o risco geral de todos os cânceres em até 16% em pessoas que nunca foram fumantes. Cerca de 31 por cento dos europeus estão expostos ao fumo passivo do tabaco em casa, no trabalho, fora de casa, em instituições de ensino ou em locais públicos.

Por último, certos produtos químicos utilizados nos locais de trabalho europeus e libertados no ambiente são cancerígenos e contribuem para causar cancro. Estes incluem chumbo, arsênio, cromo, cádmio, acrilamida, pesticidas, bisfenol A e substâncias alquil per e polifluoradas (PFAS).

Todas as formas de amianto são cancerígenas bem conhecidas, associadas a mesotelioma e câncer de pulmão, bem como câncer de laringe e ovário. Embora a UE e a legislação brasileira tenham banido o amiant, ele ainda está presente em muitos edifícios e infraestruturas como caixas-d’água, levando os trabalhadores envolvidos em trabalhos de renovação e demolição a serem expostos a ele.

Planos da UE que podem servir de exemplo para o Brasil

O Plano de Ação Zero Poluição da UE está tentando reduzir a poluição do ar e da água nos próximos anos.

O bloco já tomou algumas medidas duras sobre a poluição do ar, implementando a Diretiva de Compromissos Nacionais de Redução de Emissões (NEC) e a Diretiva de Qualidade do Ar Ambiente, que estabelece padrões de qualidade do ar para a Europa.

A Estratégia Química para Sustentabilidade visa banir os produtos químicos mais nocivos em produtos, incluindo aqueles que causam câncer, e incentivar o uso de produtos químicos seguros e sustentáveis.

No que diz respeito ao radão, a Diretiva de Normas Básicas de Segurança introduziu requisitos juridicamente vinculativos para evitar a exposição a fontes naturais de radiação – numa versão revista da legislação. Definido em 2013, mandatou os Estados-Membros da UE para estabelecer planos de ação nacionais de radônio até 2018, que ainda estão em vigor hoje.

Outras ações da UE incluem coordenar os esforços europeus para combater o tabagismo passivo e aumentar a conscientização sobre os perigos dos raios UV, por exemplo, manter-se seguro do Sol e evitar espreguiçadeiras e cabines de bronzeamento.

Êxodo urbano

Pode parecer óbvio, mas passar um tempo longe (ou viver longe) das cidades é um passo simples que você pode tomar para limitar a quantidade de poluição que você inala.

Embora os carros e os transportes tenham um papel importante, também são as emissões ligadas ao ambiente construído que causam o aumento de partículas no ar. Por exemplo, o aquecimento de edifícios, construção e o tráfego relacionado a ela.

Segundo Statista, as cidades mais poluídas da Europa são Sarajevo, Skopje, Zagreb, Belgrado e Atenas. As cidades menos poluídas são atualmente Helsinque, Reiquiavique e Zurique.

Com o trabalho remoto em ascensão desde a pandemia do COVID e os benefícios mentais decorrentes de passar tempo na natureza , nunca houve um momento mais oportuno para montar acampamento em uma área mais rural.

Em termos de acompanhamento da poluição, existem sites que você pode usar para prever como será o dia. Na Europa, você pode usar o Índice Europeu de Qualidade de Saúde da EEA e no Reino Unido, o DEFRA (Department for Environment Food & Rural Affairs) tem sua própria ferramenta de barra de pesquisa, onde você pode digitar sua localização para obter mais detalhes.

Evite se exercitar ao ar livre quando os níveis de poluição estiverem altos. Em geral, evite sempre se exercitar perto de áreas de tráfego intenso.

Caminhar, andar de bicicleta ou pegar carona são ótimas maneiras de garantir que você não esteja contribuindo para a poluição do ar ao viajar. E se você tentar sair para o trabalho mais cedo do que o normal, evitará a fumaça gerada durante a hora do pico.

Por último, tente usar menos energia em sua casa. 

Apague as luzes quando não estiver no quarto, tome banhos mais curtos e desligue o aquecimento central durante o verão. A geração de eletricidade cria poluição do ar, portanto, ao reduzir o uso de energia, você pode ajudar a melhorar a qualidade do ar local e também reduzir as emissões de gases de efeito estufa.