Apoio: Roche

Saiba onde descartar seus resíduos

Verifique o campo
Inserir um CEP válido
Verifique o campo
Lightbulb

Queimadura por lagarta pode causar de queimaduras leves à hemorragias

Queimadura por lagarta é o acidente mais comum relacionado com animais peçonhentos. As lagartas que provocam essa queimadura são popularmente chamadas de taturanas e dão origem a mariposas. 

Existem várias famílias de taturanas, que oferecem riscos maiores ou menores para a saúde humana, como irritação na pele e hemorragias, respectivamente. Conheça quais são essas lagartas e como tratar as queimaduras.

Lagartas de borboletas e mariposas

As lagartas são definidas como o estado larval de insetos lepidópteros, ou seja, borboletas e mariposas. As borboletas são aquelas que têm hábitos diurnos, enquanto as mariposas apresentam hábitos noturnos. 

Nem toda lagarta pode causar queimaduras, várias espécies são inofensivas aos seres humanos. Em geral, essas lagartas dão origem às borboletas. Entretanto, outras espécies têm características venenosas e peçonhentas, como as taturanas, que dão origem às mariposas.

Lagartas peçonhentas

Lagartas peçonhentas, ou taturanas, são aquelas que apresentam características perigosas. Essas lagartas têm em seu corpo glândulas de veneno presentes em espinhos. Quando elas entram em contato com a pele, provocam queimaduras, levando a danos à saúde das pessoas. Os sintomas mais comuns são vermelhidão, irritação e dor no local.

A queimadura por lagarta é o acidente mais comum com animais peçonhentos no Brasil. O desequilíbrio ambiental, provocado pelas mudanças climáticas e o desmatamento, contribui para o aumento de casos. Isso acontece por conta do aumento da população de lagartas, devido à diminuição de predadores no meio ambiente. 

De acordo com estudos, desde 1970 houve um aumento de casos de problemas dermatológicos, sistêmicos e pulmonares, associados com o contato com lagartas. O aumento de casos se deu, principalmente, por queimaduras provocadas por lagartas do gênero Lonomia. Confira alguns tipos de lagartas venenosas e seus efeitos na saúde humana:

Megalopygidae

Megalopygidae. Imagem editada e redimensionada de Mauricio Mercadante em Flickr, sob a licença CC BY-NC-SA 2.0

As lagartas da família Megalopygidae são popularmente chamadas de taturana-cachorrinho ou taturana-gatinho. Isso porque são cobertas por cerdas longas, criando um aspecto semelhante aos pelos. Essas cerdas cobrem os pequenos espinhos que contêm o veneno. Quando o veneno entra em contato com a pele, provoca queimaduras. 

Saturniidae

Lagartas da família Saturniidae são popularmente chamadas de orugas, beijus, rugas e taturanas. Elas apresentam espinhos ramificados, semelhantes a pinheiros. Ao entrar em contato com os seus espinhos, o veneno é liberado, provocando queimação, vermelhidão e dor na região. 

Os sintomas passam rapidamente em algumas horas, sem provocar danos à saúde. A não ser por um gênero específico, a Lonomia. Conheça alguns gêneros de lagartas da família Saturniidae:

Lonomia

Lonomia. Imagem de carlitocanhadas em Pixabay

Essas lagartas são chamadas de taturana, ou lagarta Lonomia. Elas têm uma cor marrom-esverdeada com a presença de listras amarelas e marrons. O aumento da população desse gênero pode estar associado às mudanças climáticas e ao desmatamento, que prejudicam seus predadores.

A queimadura por lagartas Lonomia acontece pela interrupção da coagulação sanguínea no local, gerando dor e vermelhidão. Além disso, a queimadura pode provocar sintomas como náuseas, dores de cabeça e sangramentos, que podem se tornar hemorragias, causando a morte. 

No caso das Lonomias, a sua queimadura pode exigir o tratamento a partir de um soro antilonômico em casos de hemorragia. O papel desse soro é neutralizar os efeitos provocados pela lagarta, interrompendo a hemorragia. 

Automeris

Automeris Naranja. Imagem editada e redimensionada de Raul Souza em Wikimedia Commons

As lagartas do gênero Automeris agrupam várias espécies, que se diferem por coloração e tamanho. As espécies mais comuns são a Automeris melanops e a Automeris illustris. Os efeitos do seu veneno são queimaduras na região, provocando vermelhidão, inchaço e irritação na pele. Além disso, pode levar à formação de bolhas no local.

Dirphia

Dirphia. Imagem editada e redimensionada de Helio Lourencini em Flick, sob a licença CC BY-NC-SA 2.0

O gênero Dirphia, popularmente chamado de sussurana ou lagarta queimadeira, apresenta diferentes estágios de desenvolvimento. No primeiro estágio tem uma coloração amarela clara com a presença de espinhos brancos. Conforme vai se desenvolvendo, os espinhos mudam de cor e se tornam amarelos. Essas lagartas contém um veneno com efeitos urticantes, promovendo inflamação no local exposto.

Fui queimado, e agora?

Em geral, a queimadura por lagarta apenas provoca queimaduras e desconforto na pele, sendo possível o tratamento em casa. Algumas coisas podem ser feitas para reduzir ou tratar os efeitos de queimadura por lagarta, como  lavar o local queimado com água corrente e realizar compressas com gelo. Ainda, você pode usar ingredientes naturais, como a babosa, que tem propriedades anti-inflamatórias e hidratantes.

Entretanto, é importante realizar o diagnóstico em hospitais e laboratórios, pois lagartas como a Lonomia apresentam quadros clínicos sérios, sendo necessário o tratamento adequado. Assim, são realizados exames para verificar o tempo de coagulação sanguínea e classificar o quadro clínico do paciente.

O quadro clínico pode ser leve, moderado ou grave. No quadro leve, o paciente permanece sem alteração da coagulação, no moderado, existe a presença de hemorragia, porém sem efeitos como taquicardia ou hipotensão. No quadro grave, o paciente apresenta alteração na coagulação, com hemorragias, falência de órgãos e alterações hemodinâmicas (taquicardia e hipotensão).